fbpx
Fale Conosco

CatolicaConect

Cardeais pedem audiência ao Papa Francisco para tratar sobre “dubbia” de Amoris Laetitia

Notícias da Igreja

Cardeais pedem audiência ao Papa Francisco para tratar sobre “dubbia” de Amoris Laetitia

Os cardeais que solicitaram ao Papa Francisco esclarecer alguns pontos, aos quais chamaram “dubbia” (dúvidas) sobre a exortação apostólica Amoris Laetitia, publicaram agora um pedido para que o Santo Padre os receba em audiência e possam falar sobre este tema pessoalmente com ele, ao não terem recebido uma resposta.

Foi o que informou na segunda-feira, 19 de junho, Edward Pentin no ‘National Catholic Register’, onde publicou o texto na íntegra da carta que os cardeais enviaram ao Pontífice no último dia 25 de abril.

A carta foi assinada pelo Cardeal italiano Carlo Cafarra, que explica que a enviou ao Santo Padre em seu nome e em nome dos cardeais alemães Walter Brandmüller e Joachim Meisner; e do norte-americano Raymond Burke.

As “dubbia” ou dúvidas dos cardeais são cinco perguntas focadas na possibilidade de que os divorciados em nova união possam receber a comunhão.

Na carta, o Cardeal Cafarra afirma que escreve ao Papa renovando “nossa absoluta dedicação e o nosso amor incondicionado à Cátedra de Pedro e à vossa augusta pessoa, na qual reconhecemos o Sucessor de Pedro e o Vicário de Crsto”.

“Não compartilhamos de jeito nenhum a posição daqueles que consideravam a Sé de Pedro vacante, nem daquela que quer atribuir a outros a indivisível responsabilidade da missão petrina. Move-nos somente a consciência da responsabilidade grave da ‘tarefa’ cardinalícia: ser conselheiros do Sucessor de Pedro em seu ministério soberano”, prossegue.

O Cardeal explica que ao “não ter recebido nenhuma resposta de Sua Santidade” às dubbia entregues à Congregação para a Doutrina da Fé em 19 de setembro de 2016, “chegamos à decisão de pedir, respeitosamente e humildemente, uma audiência”.

Desde a publicação da exortação Amoris Laetitia em 19 de março de 2016, escreve o Cardeal Cafarra, “houve interpretações, de algumas passagens objetivamente ambíguas, da exortação pós-sinodal; que não só diferem, mas que são contrárias ao Magistério permanente da Igreja”.

O também Arcebispo emérito de Bolonha precisa que, apesar de o Cardeal Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, ter afirmado repetidamente que “a doutrina da Igreja não mudou, apareceram numerosas declarações de bispos, cardeais e inclusive conferências episcopais, aprovando o que o Magistério da Igreja nunca aprovou”.

“Não só o acesso à Sagrada Eucaristia para aqueles que objetiva e publicamente vivem em situação de pecado grave, e pretendem continuar assim, mas também uma concepção da consciência moral contrária à tradição da Igreja”, assinalou.

Desta forma, alerta, o que acontece agora é que “o que é pecado na Polônia está bem na Alemanha, o que é proibido na Arquidiocese da Filadélfia é permitido em Malta. E assim. Recorda-se a amarga observação de Blas Pascal: ‘Justiça neste lado dos Pireneus, injustiça no outro; justiça no lado esquerdo do rio, injustiça no lado direito’”.

O Purpurado ressalta que há muitos leigos que “amam profundamente a Igreja e que são muito leais à Sé Apostólica, que procuraram os seus pastores e a Sua Santidade para serem confirmados na Santa Doutrina a respeito dos três sacramentos do Matrimônio, da Confissão e da Eucaristia”.

Diante dessa grave situação, conclui a carta, “na qual muitas comunidades cristãs estão sendo divididas, sentimos o peso da nossa responsabilidade, e a nossa consciência nos obriga a pedir humildemente e respeitosamente uma audiência”.

Apesar de não aparecer como solicitante deste pedido de audiência apresentado pelos cardeais, em dezembro de 2016, o Presidente Emérito do Pontifício Conselho Cor Unum, Cardeal Paul Josef Cordes, expressou seu apoio aos “dubbia” dos purpurados.

Fonte: ACIdigital

Clique Para Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Ultimas postagens

To Top