Católicos boicotam novela Jesus da Record por ofender a virgindade Perpetua de Nossa Senhora…

Must Read

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a...



Ofendidos com a forma como Maria é retratada na novela Jesus, padres de todo o Brasil, liderados pelo arcebispo de Goiânia, dom Washington Cruz, estão promovendo um boicote à ficção da Record. Eles não aceitam o fato de Maria não ser apresentada como a Virgem Imaculada e exigem que a emissora se retrate. Na trama de Paula Richard, Maria (Cláudia Mauro) teve sete filhos: Jesus, Simas, Judá, José, Tiago Justo, Eliseba e Yoná. Para os católicos, a virgindade de Maria é um dogma, o da santíssima virgindade: ela se manteve casta antes, durante e depois do parto de Jesus, seu único filho.

Isso talvez explique o porquê de a novela estar em queda no Ibope. A produção estreou em 24 de julho com 13,4 pontos. Já perdeu cerca de 30% disso, quase um ponto por semana.

Dom Washington Cruz, arcebispo de Goiânia, líder do boicote ao folhetim da Record (Divulgação)

O boicote envolve padres, missionários, freiras e católicos fervorosos. Arcebispo de Goiânia, capital em que a Record tem o segundo melhor desempenho no país, dom Washington Cruz publicou um manifesto pedindo aos seguidores para não assistirem à Jesus. Ele diz que a maneira como Maria é retratada se opõe à descrição da personagem na Bíblia. “O modo como Ela se comporta na sua relação com José ofusca a sua pureza e, por isso, fere sua dignidade de Mãe de Deus e Imaculada desde a sua concepção”, escreveu o religioso.

A luta de dom Washington contra Jesus (o da ficção) parece estar dando resultado. Em Goiânia, a novela estreou na liderança, batendo o Jornal Nacional. Já caiu para terceiro lugar. O arcebispo não está sozinho nessa cruzada. Apresentador do programa Bem-vindo Romeiro, da católica TV Aparecida, José Eymard conta que recebeu diversas mensagens no WhatsApp e em redes sociais conclamando os católicos a boicotarem a novela. “A Igreja Universal tem que pedir desculpas por ofender um dogma tão sagrado aos católicos, o da Imaculada Conceição e da virgindade sempre eterna de Maria”, comenta. “Esse tipo de desmerecimento da imagem de Nossa Senhora só interessa a uma pessoa: ao demônio!”, diz o apresentador.

O padre Antônio Cesar Moreira, 70 anos, acha natural que haja um ataque à Record pelo desrespeito a um fundamento tão importante para a Igreja Católica. “Não vamos concordar. Provavelmente, a Confederação Nacional dos Bispos Católicos ou até o Vaticano vão se pronunciar. Isso é uma ofensa e atinge a fé em Nossa Senhora, a padroeira do Brasil. Vai haver reação”, promete. Anderson dos Reis é um dos idealizadores do protesto declarado contra a novela da Record (Reprodução) “Eles têm o mesmo ódio que o diabo tem à Nossa Senhora”, comenta o missionário Mariano Anderson dos Reis, dono da editora Imaculada, que publicou o livro Em Defesa de Nossa Senhora Contra os Ataques Protestantes, do padre Júlio Maria de Lombaerde.

Segundo o missionário, os evangélicos interpretam, e em sua visão de maneira errada, que os católicos poriam a figura de Maria como uma divindade, portanto no mesmo patamar que Jesus e Deus. Patricia Fox Machado, pesquisadora e doutoranda da Universidade Metodista, explica que há diversas razões para os “ataques” da Igreja Universal, via Record, serem direcionados à figura de Maria. Em 1995, virou escândalo nacional o episódio em que um pastor chutou uma imagem de Nossa Senhora de Aparecida em um programa da igreja na Record.

“As religiões que vêm de Abraão, isto é, o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo são patriarcais”, comenta Patricia, que defenderá tese sobre as relações entre Mídia e Religião. “Nada mais natural que o ataque seja em cima de uma figura feminina que, pelos usos e costumes, acabou assumindo realmente o papel de divindade.” A figura de Maria, diz a estudiosa, é simbólica e controversa. “Há quem diga que ela é um ícone da submissão feminina.

E há quem diga que ela é a primeira feminista da história, por ter aceitado dar Jesus à luz, mesmo correndo o risco de ser apedrejada, por conta de a sociedade à época poder questionar a paternidade.” Procurada pelo Notícias da TV, a Record não se manifestou até a publicação desta reportagem.

 

Fonte: Noticias da TV

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 + 6 =

Latest News

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia de culto público. Bréscia – Itália...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a Maria para conduzir almas a...

“Morte ao Nazareno”: Novo grito de “Crucifica-o!”?

Declarar “morte ao Nazareno” é uma frase que demonstra um ódio total à Santa Igreja Católica e seus ensinamentos ao longo dos séculos. Redação (26/10/2020...

Papa no Angelus: o verdadeiro amor ao próximo baseia-se no amor a Deus

Não é verdadeiro amor a Deus o que não se expressa no amor ao próximo; não é amor verdadeiro ao próximo o que não...

More Articles Like This