10.3 C
São Paulo
quarta-feira, julho 28, 2021

Congo: Bispos não desanimam, apesar de seus apelos não encontrarem eco

“Em virtude de nossa missão pastoral, trabalharemos, interna e externamente, para consolidar a fraternidade entre os povos e as comunidades” e levar a todos a paz de Cristo.

 “Em virtude de nossa missão pastoral, trabalharemos, interna e externamente, para consolidar a fraternidade entre os povos e as comunidades” e levar a todos a paz de Cristo.

Kinshasa – Congo (09/04/2021, 19:00, Gaudium Press) “Por mais de duas décadas, o leste de nosso país foi assolado por conflitos armados e inseguranças recorrentes que causam a morte, a desolação e o desalojamento da população.
Infelizmente, todos os nossos apelos ainda não encontraram eco significativo na população afetada ”.

Esta afirmação está contida em uma mensagem do Comitê Permanente da Conferência Episcopal da República Democrática do Congo (CENCO).

“Os bispos rezaram com o povo e conferenciaram com representantes das diferentes camadas da sociedade”

Ainda na mensagem do organismo os Bispos congoleses afirmam:

“Para demonstrar nossa proximidade afetiva e efetiva com nossos irmãos feridos e vítimas desta tragédia, uma delegação de bispos da Associação das Conferências Episcopais da África Central (ACEAC) e da Conferência Episcopal Nacional do Congo (CENCO) realizou uma missão pastoral no Leste do país, em particular nas dioceses de Goma, Butembo-Beni e Bunia, de 14 a 26 de janeiro”.

A mensagem dos Bispos recorda que “Durante esta missão, os bispos rezaram com o povo e conferenciaram com representantes das diferentes camadas da sociedade”.

Além da violência existe a islamização da região que deixou famílias enlutadas

A mensagem do episcopado congolês denuncia que além da violência dos grupos armados existe a ocupação ilegal de terras, a exploração ilegal dos recursos naturais e a islamização da região que apesar da liberdade religiosa deixou famílias enlutadas, migrações forçadas.

Isso tudo levou a um grande prejuízo econômico em uma região que é o celeiro do país.

Mas deixou também milhares de vítimas: mais de 6.000 mortos em Beni desde 2013 e mais de 2.000 em Bunia só em 2020.
Há, pelo menos 3 milhões de desalojados e por volta de 7.500 pessoas sequestradas.

Os perpetradores desses crimes são geralmente grupos armados e milícias que possuem uma ideologia próxima ao ‘satanismo’

O relato dos Bispos continua afirmando que a tudo isso ainda deve ser “adicionado o incêndio de várias casas e aldeias, a destruição e fechamento de escolas e centros de saúde, o saque de prédios administrativos, o saque de animais, campos e colheitas, e assim por diante”.

Os Bispos ainda denunciam que os perpetradores desses crimes são geralmente grupos armados e milícias, alguns dos quais transmitem uma ideologia próxima ao ‘satanismo’ ”.

E por fim afirmam que “Em virtude de nossa missão pastoral, trabalharemos, interna e externamente, para consolidar a fraternidade entre os povos e as comunidades, de modo que os que agora são adversários se comprometam a caminhar juntos”, conclui a mensagem. (JSG)

(Com informações e foto Fides)

The post Congo: Bispos não desanimam, apesar de seus apelos não encontrarem eco appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Ultimas Notícias