Cuidar dos doentes, aprendendo o que significa amar

Must Read

Missionários Saletinos no Brasil realizam 27º Capítulo Provincial

Durante o encontro, os religiosos saletinos escolherão o novo Conselho Provincial para o triênio de 2021 a 2023. Paraná –...

Violência anticatólica no Chile: Bispos Argentinos da Patagônia se unem em oração

Unimos a Vós, queremos estar perto de Vós em profunda comunhão de oração, nestes momentos de tristeza e angústia. São...

Polônia comemorou 36º aniversário do martírio do beato Jerzy Popiełuszko

Em 19 de outubro de 1984, poucas horas após celebrar sua última missa, o Padre Popiełuszko foi sequestrado e...


O Magistério sobre os temas do fim da vida reproposto pela carta “Samaritanus bonus”, que contém acentos pastorais: a pessoa deve ser cuidada e circundada de afeto até ao fim

cq5dam-thumbnail-cropped-750-422
Hospital “Santa Maria della Pietà”, Casoria – reprodução Vatican News

Incurável não é jamais sinônimo de “incuidável”: esta é a chave de leitura para compreender a carta da Congregação para a Doutrina da Fé “Samaritanus bonus”, que tem como tema “cuidar das pessoas nas fases críticas e terminais da vida”. O documento, diante de uma perda de consciência comum sobre o valor da vida e de debates públicos por vezes demasiados condicionados por casos individuais evidenciados pelas notícias, reafirma claramente que “o valor inviolável da vida é uma verdade básica da lei moral natural e um fundamento essencial da ordem jurídica”. Portanto “não se pode escolher diretamente de atentar contra a vida de um ser humano, mesmo que ele ou ela o requeira”. Deste ponto de vista, a arquitrave que sustenta “Samaritanus Bonus” não contém nada de novo: de fato, o Magistério disse repetidamente não a qualquer forma de eutanásia ou suicídio assistido, e explicou que a alimentação e a hidratação são suportes vitais a assegurar à pessoa doente. O Magistério também se manifestou contra a chamada “obstinação terapêutica”, porque na iminência de uma morte inevitável “é lícito tomar a decisão de renunciar a tratamentos que provocariam somente um prolongamento precário e penoso da vida”.

A carta propõe, portanto, de forma precisa o que foi ensinado pelos últimos Pontífices e tem sido considerado necessário face a legislações cada vez mais permissivas sobre estas questões. As suas páginas mais novas são as que têm um acento pastoral, que dizem respeito ao acompanhamento e cuidado dos doentes que chegaram à fase final das suas vidas: cuidar destas pessoas nunca pode ser reduzido apenas à perspectiva médica. Há necessidade de uma presença coral que os acompanhe com afeto, presença, terapias apropriadas e proporcionais e assistência espiritual. Significativas são as referências à família, que “precisa de ajuda e meios adequados”. É necessário que os Estados reconheçam a primária e fundamental função social da família “e o seu papel insubstituível, também nesta área, fornecendo recursos e estruturas necessárias para a apoiá-la”, afirma o documento. De fato, o Papa Francisco recorda-nos que a família “sempre foi o ‘hospital’ mais próximo”. E ainda hoje, em muitas partes do mundo, o hospital é um privilégio para poucos, e está muitas vezes muito longe.

“Samaritanus bonus” mesmo que nos faça recordar o drama de muitos casos discutidos na mídia, ajuda-nos a olhar para os testemunhos dos que sofrem e dos que cuidam, para os muitos testemunhos de amor, sacrifício, dedicação aos doentes terminais ou a pessoas em persistente falta de consciência, assistidos por mães, pais, filhos, netos. Experiências vividas diariamente em silêncio, muitas vezes no meio de mil dificuldades. Na sua autobiografia, o cardeal Angelo Scola relatou um episódio que aconteceu anos atrás: “Durante uma visita pastoral a Veneza, um dia, enquanto saia da casa de uma pessoa doente, o pároco local apontou-me um senhor mais ou menos da minha idade com um ar muito discreto. Três semanas antes o seu filho tinha morrido, uma pessoa gravemente deficiente, incapaz de falar ou de andar, e que ele tinha carinhosamente cuidado durante mais de trinta anos, ajudando-o dia e noite e confortando-o com a sua presença constante. Único momento que se ausentava era nas manhãs de domingo, quando ia à missa. Diante desta pessoa senti um certo embaraço, mas como ocorre frequentemente a nós padres, senti-me obrigado a dizer algo. Deus o recompensará por tudo isso, balbuciei um pouco atordoado. E ele respondeu-me com um grande sorriso: “Patriarca, olha, eu já recebi tudo do Senhor porque Ele me fez compreender o que significa amar”.

Por Andrea Tornielli – Via Vatican News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 × 3 =

Latest News

Missionários Saletinos no Brasil realizam 27º Capítulo Provincial

Durante o encontro, os religiosos saletinos escolherão o novo Conselho Provincial para o triênio de 2021 a 2023. Paraná –...

Violência anticatólica no Chile: Bispos Argentinos da Patagônia se unem em oração

Unimos a Vós, queremos estar perto de Vós em profunda comunhão de oração, nestes momentos de tristeza e angústia. São Carlos de Bariloche – Argentina...

Polônia comemorou 36º aniversário do martírio do beato Jerzy Popiełuszko

Em 19 de outubro de 1984, poucas horas após celebrar sua última missa, o Padre Popiełuszko foi sequestrado e torturado até a morte, por...

Como podemos buscar viver um vida de santidade?

O propósito dessa pequena série de textos é ajudá-lo a identificar se você tem vivido uma vida mundana e, em caso positivo, mostrar que...

Dom Paulo Cezar Costa é nomeado o novo Arcebispo de Brasília

Anunciada a nomeação do novo arcebispo da arquidiocese de Brasília (DF), nesta quarta-feira, 21 de outubro. O Papa Francisco escolheu dom Paulo Cezar Costa,...

More Articles Like This