Fábula ou realidade?

Must Read

Missionários Saletinos no Brasil realizam 27º Capítulo Provincial

Durante o encontro, os religiosos saletinos escolherão o novo Conselho Provincial para o triênio de 2021 a 2023. Paraná –...

Violência anticatólica no Chile: Bispos Argentinos da Patagônia se unem em oração

Unimos a Vós, queremos estar perto de Vós em profunda comunhão de oração, nestes momentos de tristeza e angústia. São...

Polônia comemorou 36º aniversário do martírio do beato Jerzy Popiełuszko

Em 19 de outubro de 1984, poucas horas após celebrar sua última missa, o Padre Popiełuszko foi sequestrado e...


Disse certo autor que “a verdade engendra o ódio”. A perseguição religiosa no Brasil não tem como causa os mesmos motivos que levaram a sinagoga a condenar o Homem-Deus?

Redação (02/10/2020 11:34, Gaudium Press) Valendo-me do princípio de que em jornalismo a linha reta nem sempre é o caminho mais curto entre dois pontos, começo o artigo de hoje com uma fábula, passo em seguida pela teoria e, por fim, espero chegar – com o leitor, e do modo mais rápido possível – às conclusões.

Lições de um vaga-lume

Seguia seu rumo, de galho em galho, na floresta, um vaga-lume. O tempo passou; o dia caiu. Os pássaros recolheram-se em seus ninhos, os morcegos abandonaram suas cavernas e, neste momento em que o mundo dava as costas para o sol, o vaga-lume não duvidou: “É a hora de brilhar!”.

De repente, na calada da noite, enquanto ia de cá para lá sem temer as ameaças das trevas, o simpático lampirídeo vê projetada a sua luz em dois olhos frios e pequenos, mas atentos e nada amigáveis.

De súbito, um bote rápido e violento, mas sem sucesso. Assustado, o vaga-lume percebe que se trata de uma serpente. Ágil, a víbora prepara o segundo golpe e, depois do segundo, o terceiro. Nesse momento, o pirilampo já encurralado e ofegante pergunta sem se conformar: “por que me persegues?! Acaso faço parte de tua cadeia alimentar? Que motivo tens para acabar comigo?”. A serpente, como verdadeiro símbolo das ações sorrateiras e agente das trevas, apenas respondeu com descaro: “Eu odeio a tua luz!”.

Lições de Santo Agostinho

Há quem pergunte: por que a Igreja – apesar de ser a pregoeira da verdade – tem sido tão combatida ao longo de sua história? Sobretudo, por que são tão combatidos em nossos dias, os católicos verdadeiros, que não pactuam com os erros do século, e se mantêm fiéis ao ensinamento imutável do Evangelho?

A estas questões, responde luminosamente um dos maiores Doutores de todos os tempos, o grande Santo Agostinho, bispo de Hipona, no livro das Confissões[1] quando comenta a famigerada palavra de Terêncio: “a verdade engendra o ódio”.

Assim, reproduzo abaixo, em linguagem ligeiramente adaptada, esta verdade tão antiga e tão nova.

O homem, diz ele, ama naturalmente a felicidade que, por sua vez, é nascida da verdade. Deste modo, é uma aberração que alguém veja um inimigo no homem que prega a verdade em nome de Deus, pois a natureza humana é tão propensa à verdade que, quando o homem ama algo de contrário à verdade, ele quer que este algo seja verdadeiro. Com isto, cai em erro, persuadindo-se de que é verdadeiro o que na realidade é falso.

Assim, cumpre que alguém lhe abra os olhos. Ora, como o homem não admite que se lhe mostre que se enganou, por isso mesmo, não tolera que se lhe demonstre qual o erro em que está.

E o Doutor de Hipona observa: por esta forma, certos homens odeiam a verdade, por amor daquilo que eles tomaram por verdadeiro! Da verdade eles amam a luz, não porém a censura… Eles amam quando ela se lhes mostra, eles a odeiam quando ela lhes faz ver o que eles são.

Por sua deslealdade, tais homens sofrem da verdade a seguinte punição: eles não querem ser desvendados por ela, e sem embargo ela os desvenda. E contudo ela, a verdade, continua velada aos olhos deles. “É assim, é assim, é precisamente assim que é feito o coração humano. Cego e preguiçoso, indigno e desonesto, ele se oculta, mas não admite que nada lhe seja ocultado. Assim lhe sucede que ele não consegue fugir dos olhos da verdade, mas a verdade foge dos olhos dele”. Com estas palavras, conclui Santo Agostinho o seu magistral comentário.

Lições da vida…

Nestes tempos em que cresce a perseguição religiosa no mundo, deveríamos perguntar: quem são os perseguidores? O que fazem eles com a sua consciência para poder atacar a verdade? Apenas duas podem ser as respostas: 1) ou não conhecem a verdade porque não querem abrir os olhos para vê-la, ou – 2) eles a veem mas odeiam sua luz, já que essa luz acusa e censura o erro que abraçaram.

Não pensemos que estas perseguições estão longe de nós. Pelo contrário, mesmo no Brasil esta perseguição vem aumentando e tomando ares ameaçadores. Os católicos que são fiéis ao ensinamento imutável da Igreja, tal como Nosso Senhor Jesus Cristo, são perseguidos simplesmente porque se mostram como Caminho, Verdade e Vida.

 

Por Cícero Leite

[1] AGOSTINHO DE HIPONA, Confissões, Livro X, Cap. XXIII.

The post Fábula ou realidade? appeared first on Gaudium Press.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 × um =

Latest News

Missionários Saletinos no Brasil realizam 27º Capítulo Provincial

Durante o encontro, os religiosos saletinos escolherão o novo Conselho Provincial para o triênio de 2021 a 2023. Paraná –...

Violência anticatólica no Chile: Bispos Argentinos da Patagônia se unem em oração

Unimos a Vós, queremos estar perto de Vós em profunda comunhão de oração, nestes momentos de tristeza e angústia. São Carlos de Bariloche – Argentina...

Polônia comemorou 36º aniversário do martírio do beato Jerzy Popiełuszko

Em 19 de outubro de 1984, poucas horas após celebrar sua última missa, o Padre Popiełuszko foi sequestrado e torturado até a morte, por...

Como podemos buscar viver um vida de santidade?

O propósito dessa pequena série de textos é ajudá-lo a identificar se você tem vivido uma vida mundana e, em caso positivo, mostrar que...

Dom Paulo Cezar Costa é nomeado o novo Arcebispo de Brasília

Anunciada a nomeação do novo arcebispo da arquidiocese de Brasília (DF), nesta quarta-feira, 21 de outubro. O Papa Francisco escolheu dom Paulo Cezar Costa,...

More Articles Like This