Franciscanos na Terra Santa celebram a festa do Sangue de Jesus com um gesto especial

Must Read

Quem poderá nos salvar?

Bombardeios aéreos, potentes cargas de explosivos nas pontes do Rio Tibre, dois mil tanques prontos para o assalto, iminência...

Santo André Kim e companheiros mártires

Tornamos célebre neste dia o testemunho dos 103 mártires coreanos que foram canonizados pelo Papa João Paulo II, na...

25ª Domingo do Tempo Comum

Primeira Leitura: Isaías 55,6-9 Leitura do livro do profeta Isaías – Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado; invocai-o, enquanto ele...



Todos os anos, no dia 1º de julho, na Basílica da Agonia, em Jerusalém, é celebrada a Missa pela festa do Preciosíssimo Sangue de Jesus e os frades franciscanos comemoram este dia com um gesto muito especial.

No início da eucaristia, lançam pétalas de rosa sobre a pedra onde, segundo a tradição, caíram as gotas do suor de sangue que Jesus derramou enquanto rezava durante a noite de sua Paixão no Monte das Oliveiras.

Após o Concílio Vaticano II, esta festa, instituída em 1849 pelo Papa Pio IX, passou a ser celebrada junto com a festa de Corpus Domini em um só dia: na Solenidade de Corpus Christi, que acontece 60 dias depois do Domingo da Ressurreição.

Entretanto, a Custódia da Terra Santa ainda festeja separada a festa do Preciosíssimo Sangue de Jesus porque na Basílica da Agonia se conserva o espaço físico onde Jesus suou sangue.

Na Missa que presidiu no sábado, 1º de julho, o Custódio da Terra Santa, Pe. Francisco Patton, refletiu sobre a dor que Cristo suportou por amor à humanidade e afirmou que “não somos sequer capazes de imaginar a provação que Jesus Cristo passou no momento em que sentiu que seu cálice, ou seja, sua vocação e sua missão, atravessariam as experiências mais escuras de nossa existência humana”.

Pe. Patton indicou que Jesus sentiu “a solidão, o abandono, o fracasso, o sofrimento físico e interior, o afastamento de Deus, a morte violenta, dolorosa, injusta”.

Por isso, o Custódio da Terra Santa destacou que “é o Sangue Preciosíssimo de Jesus Cristo, ou seja, sua vida entregue por amor infinito, o que nos liberta da morte, fazendo-nos passar através dela”.

Esta Eucaristia foi oferecida pela paz na terra Santa. Em declarações ao ‘Christian Media Center’, Pe. Diego Dalla Gassa, diretor do eremitério de Getsêmani, assinalou que o fato de comemorar esta festa no lugar onde Jesus suou sangue “significa celebrar o mistério da redenção”.

Quando terminou a Missa, os fiéis se ajoelharam para rezar diante da pedra, que está localizada sob o altar da Basílica. O local está rodeado por uma pequena grade de ferro que tem formato de uma coroa de espinhos e está decorada com figuras de pombas que bebem de um cálice.

Pe. Gassa afirmou que “essa pedra é testemunho, memória viva de seu Sangue. Ao derramar-se, o sangue de Jesus redime a humanidade. É um grande presente”.

Em 1924, terminou-se de construir o templo atual onde se guarda a pedra. Este foi erguido sobre as ruínas de uma capela edificada pelos cruzados e que tinha sido abandonada em 1375.

Como vários países do mundo doaram dinheiro para a construção desta igreja, também é conhecida como a “basílica de Todas as Nações”.

Atualmente, a pedra está um pouco deteriorada porque muitos peregrinos a tocam e encostam sua cabeça quando rezam.

 

Fonte ACIdigital

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × um =

Latest News

Quem poderá nos salvar?

Bombardeios aéreos, potentes cargas de explosivos nas pontes do Rio Tibre, dois mil tanques prontos para o assalto, iminência...

Santo André Kim e companheiros mártires

Tornamos célebre neste dia o testemunho dos 103 mártires coreanos que foram canonizados pelo Papa João Paulo II, na sua visita a Seul em...

25ª Domingo do Tempo Comum

Primeira Leitura: Isaías 55,6-9 Leitura do livro do profeta Isaías – Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado; invocai-o, enquanto ele está perto. Abandone o ímpio...

Sacerdote denuncia aumento de violência contra Cristãos na Nigéria

O país está nas garras do Ceifador a violência contra os cristãos deixa os fiéis paralisados ​​de medo, incapazes de rezar e adorar a...

Quer ser feliz? Fuja da inveja

Comentários à liturgia deste XXV Domingo do Tempo Comum. Companheira indissociável da tristeza, do abatimento e do desânimo, a inveja é um mal tanto...

More Articles Like This