17.5 C
São Paulo
domingo, outubro 24, 2021

Igreja lamenta “genocídio” contra cristãos na Nigéria

Representantes da Igreja na Nigéria expressaram preocupação com o fato de os cristãos em seu país serem vítimas de um processo de limpeza étnica.

Foto: catholicstarnews.cdmakurdi.org

Foto: catholicstarnews.cdmakurdi.org

Redação (08/10/2021 11:19, Gaudium Press) A Nigéria é o país mais populoso da África. Não há números oficiais, mas as estimativas sugerem uma divisão uniforme entre muçulmanos e cristãos, com os primeiros dominando o norte e os últimos, o sul. No entanto, a violência agora se espalhou por todo o país e ameaça a estabilidade da nação.

Durante um webinar (conferência online) organizado pela Ajuda à Igreja que Sofre Internacional (ACN), vários palestrantes, incluindo um bispo e alguns sacerdotes da Nigéria, confirmaram que a violência que assola o país há vários anos não se deve apenas a “confrontos” entre pastores muçulmanos e fazendeiros cristãos.

“Não se trata apenas de problemas de pastoreio. Para mim, é uma guerra religiosa”, declarou Mons. Wilfred Anagbe, da diocese de Makurdi.

“Eles têm uma agenda que é a islamização deste país. E eles fazem isso eliminando cuidadosamente todos os cristãos e ocupando suas terras. Se fosse sobre pastagem, por que as pessoas seriam mortas? E por que suas casas são incendiadas?”, pergunta o bispo.

Patrocinado pelo governo

Johan Viljoen, diretor do Denis Hurley Peace Institute da África do Sul, que promove a paz, a democracia e a justiça, fala de uma “ocupação coordenada e bem planejada”. “Tudo isso está acontecendo com a cobertura da ‘Miyetti Allah’ (Associação de Criadores de Gado da Nigéria), patrocinado pelo presidente Buhari”, disse ele, referindo-se a esta organização que afirma defender os direitos dos pastores Fulani.

A grande participação do governo é uma das razões pelas quais as forças armadas não estão dispostas a intervir e a conter a violência. “Não creio que o exército esteja tentando resolver. No mínimo, estão promovendo-a”, afirmou Viljoen.

Mons. Wilfred enfatizou que todas as forças armadas estão sob o controle direto do presidente e que “todos os chefes da marinha, do exército, da força aérea e da polícia são muçulmanos”.

Os números oficiais apontam 3.000 mortes por essa onda de violência nos últimos anos, mas aqueles que estão no campo dizem que o número de mortos pode chegar a 36.000. Além disso, existem muitas outras pessoas que tiveram que se deslocar, completamente empobrecidas ou profundamente traumatizadas.

Uma vez que muitas organizações não governamentais abandonaram as zonas de perigo, a Igreja Católica e as suas instituições, com as quais a ACN International trabalha em estreita colaboração, são as únicas que conseguem levar ajuda à população local.

Apelo ao Ocidente

Os representantes da Igreja pedem às pessoas do Ocidente que ajudem. “Temos que mudar o discurso, não podemos seguir a narrativa do governo nigeriano”, sublinhou Pe. Remigius Ihyula, também da Diocese de Makurdi. “Eles colocaram seus seguidores nas embaixadas em todo o mundo, para que se mantenha vivo o mito de que nada acontece na Nigéria”, reclamou.

O Pe. Joseph Fidelis, da Diocese de Maiduguri, esclareceu que era inoportuno falar de “confrontos” ou “conflitos” entre grupos opostos. “Não são confrontos, é um genocídio lento. Expulsar pessoas de suas casas, privando-as de seu sustento e massacrando-as é uma forma de genocídio”.

Com informações CNA Deutsch.

The post Igreja lamenta “genocídio” contra cristãos na Nigéria appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias