Início Notícias da Igreja Na vigília do Tríduo Pascal, como no Calvário, Jesus sofre nos seus...

Na vigília do Tríduo Pascal, como no Calvário, Jesus sofre nos seus discípulos, diz Papa

0
568

Enquanto o Verbo está em silêncio, enquanto a Vida está no túmulo, os que tinham esperança n’Ele são postos à prova, sentem-se órfãos, talvez até órfãos de Deus.

Enquanto o Verbo está em silêncio, enquanto a Vida está no túmulo, os que tinham esperança n'Ele são postos à prova, sentem-se órfãos, talvez até órfãos de Deus.

Cidade do Vaticano (31/03/2021, 14:00, Gaudium Press) Na Audiência Geral desta quarta-feira, 31/03, o Papa Francisco tratou do tema do “Tríduo Pascal”. A Audiência ainda foi realizada na Biblioteca do Palácio Apostólico e a Catequese transmitida ao vivo.

O Papa iniciou suas palavras recordando que já estamos na vigília do Tríduo Pascal:
“Já imersos na atmosfera espiritual da Semana Santa, estamos na vigília do Tríduo pascal. De amanhã até domingo, viveremos os dias centrais do Ano litúrgico, celebrando o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor.”

“Vivemos este mistério todas as vezes que celebramos a Eucaristia. Quando vamos à missa, vamos não apenas para rezar, mas para renovar este mistério. É como se fôssemos ao Calvário para renovar o mistério pascal”.

Jesus deixa aos discípulos o Testamento do seu amor na Eucaristia

Logo em seguida, Francisco recordou que “na noite de Quinta-feira Santa, ao entrarmos no Tríduo pascal, reviveremos na Missa in Coena Domini o que aconteceu na Última Ceia. É a noite em que Cristo entregou aos seus discípulos o testamento do seu amor na Eucaristia, não como uma lembrança, mas como um memorial, como a sua presença perene. É a noite em que Ele nos pede para nos amarmos uns aos outros, tornando-nos servos uns dos outros, como fez ao lavar os pés dos discípulos. É um gesto que antecipa a cruenta oblação na cruz”.

Na Sexta-feira Santa estaremos reunidos junto à cruz para a Paixão e Morte Redentora de Jesus

“A Sexta-feira Santa é um dia de penitência, jejum e oração”, recordou o Papa. “Através dos textos da Sagrada Escritura e das orações litúrgicas, estaremos como que reunidos no Calvário para celebrar a Paixão e a Morte Redentora de Jesus Cristo.
Teremos na mente e no coração o sofrimento dos doentes, dos pobres, dos descartados deste mundo (…). Levaremos diante da imagem do Deus crucificado, em oração, os muitos, demasiados crucificados de hoje, que só d’Ele podem receber o conforto e o significado do seu sofrimento”.

“Não esqueçamos os crucificados de hoje que são a imagem do crucificado, Jesus. Neles está Jesus”, disse Francisco, acrescentando:
“Desde que Jesus tomou sobre si as chagas da humanidade e da própria morte, o amor de Deus irrigou estes nossos desertos, iluminou estas nossas trevas. Porque o mundo está nas trevas!

É uma calamidade! É um deserto! Mas, vejamos a realidade: neste Calvário de morte, é Jesus que sofre nos seus discípulos, disse Francsco.

Sábado Santo: dia do silêncio. Silêncio vivido no pranto, na perplexidade dos primeiros discípulos

O Papa recordou que “o Sábado Santo é o dia do silêncio: há um grande silêncio em toda a Terra; um silêncio, vivido no pranto e na perplexidade dos primeiros discípulos, perturbados com a morte ignominiosa de Jesus. Enquanto o Verbo está em silêncio, enquanto a Vida está no túmulo, aqueles que tinham esperança n’Ele são postos à prova, sentem-se órfãos, talvez até órfãos de Deus.

Este sábado é inclusive o dia de Maria: também ela o vive em lágrimas, mas o seu coração está cheio de fé, cheio de esperança, cheio de amor”.

A Ressurreição nos dá a certeza de que o bem triunfa sempre sobre o mal, que a vida vence sempre a morte

O Pontífice continuou com sua catequese, destacando: “Na escuridão do Sábado santo, irromperão a alegria e a luz com os ritos da Vigília pascal e o canto jubiloso do Aleluia”.
“Será um encontro de fé com o Cristo ressuscitado, e a alegria pascal continuará ao longo dos cinquenta dias que se seguirão. Aquele que foi crucificado, ressuscitou! ”

“O Ressuscitado nos dá a certeza de que o bem triunfa sempre sobre o mal, que a vida vence sempre a morte.
O Ressuscitado é a confirmação de que Jesus tem razão em tudo: em prometer-nos vida para além da morte e perdão para além dos pecados. Os discípulos duvidaram, não acreditaram.
A primeira a crer e a ver foi Maria Madalena, ela foi a apóstola da ressurreição. Ela foi contar que Jesus a tinha visto, que a tinha chamado pelo nome. E então, todos os discípulos viram.”

A Cruz de Cristo é um farol, único farol de esperança, de esperança que não desilude

O Papa concluiu sua catequese com as seguintes palavras:
“Estimados irmãos e irmãs, também este ano viveremos as celebrações da Páscoa no contexto da pandemia.
Em tantas situações de sofrimento, especialmente quando quem as padece são indivíduos, famílias e povos já provados pela pobreza, calamidade ou conflito, a Cruz de Cristo é como um farol que aponta o porto para os navios ainda a flutuar num mar tempestuoso.

A Cruz de Cristo é o sinal de esperança que não desilude; e nos diz que nem uma lágrima, nem sequer um gemido, são perdidos no desígnio de salvação de Deus.” (JSG)

(Com informações e foto Vatican Media)

The post Na vigília do Tríduo Pascal, como no Calvário, Jesus sofre nos seus discípulos, diz Papa appeared first on Gaudium Press.