InícioNotícias da IgrejaNicarágua: religiosos denunciam silêncio da hierarquia diante dos abusos do regime

Nicarágua: religiosos denunciam silêncio da hierarquia diante dos abusos do regime

Published on

Eles afirmam que a ordem de silêncio “vem da Santa Sé”. “Não seria a primeira vez que o Vaticano comete um erro ao negociar e ceder aos opressores à custa das vítimas”.

IMG 4064 JPB 700x467 1

Redação (07/06/2024 10:19, Gaudium Press) Após a libertação-exílio de Dom Rolando Álvarez no Vaticano, no início do ano, juntamente com outros religiosos, as pessoas podem estar pensando que a perseguição à Igreja na Nicarágua diminuiu.

No entanto, isso é apenas uma ilusão, como se vê em um comunicado, divulgado em 22 de maio pela RENEC – Religiosos nicaraguenses na clandestinidade, intitulado de forma sugestiva ““La vida del controvertido Herodes el Grande” (A vida do controvertido Herodes, o Grande”.

Esses religiosos expressaram descontentamento com o silêncio e, em alguns casos, até a colaboração com o regime por parte de certos líderes da Igreja local. E “diante do silêncio ensurdecedor e da falta de uma orientação que nos ilumine no caminho da vida cotidiana na Nicarágua”, eles fazem ouvir suas vozes.

Falando como “religiosos e religiosas que acompanham comunidades, movimentos e grupos de leigos na Nicarágua, vivendo em comunhão fraterna com o Corpo Místico de Cristo vivo e ressuscitado”, enfatizam que, “na Nicarágua, ainda são necessários muitos esforços para respeitar e promover os direitos humanos em sua integridade”. Por isso, é “urgente pôr fim a qualquer abuso de autoridade e maus-tratos por parte da Polícia contra cidadãos que reivindicam pacificamente seus direitos, e também garantir que todos os direitos humanos de todas as pessoas sejam respeitados”.

“Estamos profundamente impressionados com o silêncio pastoral dos bispos da Nicarágua. Como Vida Consagrada – escrevem – preocupam-nos os silêncios, ainda mais quando tentam silenciar as vozes de sacerdotes, bispos e religiosos que, pela sua coerência evangélica, têm acompanhado as suas comunidades. A ordem de silêncio “vem da Santa Sé”. “Não seria a primeira vez que o Vaticano comete um erro ao negociar e ceder aos opressores à custa das vítimas”.

“Convivendo com comunidades em situação de resistência, em diferentes partes da Nicarágua, também compartilhamos a tristeza e a rejeição do povo nicaraguense em relação às negociações por baixo dos panos – nas costas das vítimas – e a consequente política de silêncio sobre um governo cruel e criminoso. Diante da corrupção e da violência, o silêncio nunca é evangélico; quase sempre parece cumplicidade”, sublinham os religiosos, acrescentando: “Ao contrário do exemplo de Jesus, parece que o Vaticano e a hierarquia nicaraguense preferem a ‘segurança institucional’ à obra do Evangelho. É difícil dizer, mas os fatos falam por si’”.

Também a fome

Os religiosos afirmam que a Nicarágua não só carece de direitos humanos, mas também de pão:

“Constatamos com pesar – frisa a carta – as grandes dificuldades econômicas enfrentadas por muitas famílias, devido à lacuna cada vez mais alarmante entre ricos e pobres emergentes e à dramática falta de emprego vivida por grande parte de nossa população. Em muitas comunidades rurais da Nicarágua, as pessoas já estão passando fome porque falta comida nas casas, muitas das quais agora são cuidadas por mulheres idosas, já que as gerações mais jovens emigraram ou foram para o exílio devido à violência política que existe no país”.

Eles ressaltam que “a Nicarágua se tornou um distrito mineração. Denunciamos e rejeitamos a expansão decisiva da política extrativista que resultou na concessão de licenças a empresas chinesas para explorar os recursos naturais da Nicarágua. Em vez de gerar desenvolvimento, isso mergulha o país na pobreza extrema e na crise em múltiplas áreas e setores. Essa ditadura é capitalista e neoliberal.”

Os religiosos na clandestinidade não se limitam às críticas, mas oferecem linhas de ação:

“1. Aumentar, em qualidade e quantidade, a participação nas paróquias para levar o Evangelho a um maior número de pessoas.

2. Tornar as paróquias missionárias, evangelizadas e evangelizadoras comprometidas com a defesa dos direitos humanos, solidárias com aqueles que sofrem de problemas de saúde, fome, perseguição e criminalização por pensarem de forma diferente; paróquias que acolham os migrantes.

3. Resistir com base na formação, analisando a realidade em que vivemos a fim de nos motivar a identificá-la e julgá-la segundo Jesus Cristo, o Caminho, a Verdade e a Vida.

4. Aumentar a oração. Não podemos deixar-nos dominar pelo pessimismo. Seria pecar contra a confiança em Deus: ‘Não deixemos que nos roubem a esperança!’ (EG, 86)”.

Com informações Adista News.

The post Nicarágua: religiosos denunciam silêncio da hierarquia diante dos abusos do regime appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Bebê recém-nascida abandonada em uma Catedral na Guatemala

Em meio à consternação e indignação, usuários das redes sociais comentam que pelo menos...

Pedrada no vitral

A mínima concessão ao mal conduz aos maiores horrores na vida de cada pessoa,...

São Luís de Gonzaga: modelo de santidade na juventude

A Igreja celebra, no dia 21 de junho, a memória de são Luís Gonzaga. ...

Sexta-feira da 11ª semana do Tempo Comum

SÃO LUÍS GONZAGA, RELIGIOSO (branco, pref. comum ou dos santos – ofício da memória) Quem tem...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...