27.5 C
São Paulo
segunda-feira, setembro 27, 2021

O que pensar da saúde do Papa?

Desde que foi internado, em 4 de julho, até os dias atuais, inúmeras notícias têm sido ventiladas sobre o real estado de saúde do Papa Francisco. As primeiras eram muito otimistas. Mas, conforme passaram os primeiros dias, deram lugar a outras que levavam a suspeitar de uma enfermidade mais grave. O que pensar disso tudo?

Redação (12/09/2021 11:38, Gaudium Press) Em 4 de julho, o Papa foi hospitalizado para a realização de uma cirurgia no cólon. O problema consistia numa “estenose diverticular”, enfermidade, conforme diziam os médicos, de pouca gravidade, mas que impingia uma intervenção médica.

Francisco foi submetido ao procedimento no hospital Gemelli de Roma. O primeiro boletim médico afirmou que a cirurgia, que durou três horas, transcorreu perfeitamente bem. O Papa recuperava-se, e permaneceria, a princípio, sete dias no hospital.

Não tardou, no entanto, que outras notícias e comunicados viessem a questionar os otimistas informes do órgão de imprensa da Santa Sé, já considerado de pouco confiabilidade nos meios jornalísticos. Teria sido simplesmente um diverticulite? Ou o Francisco padeceria de outro problema de saúde mais grave?

Existiria um problema mais sério?

Certo jornalista[1] dizia, apoiado em “fontes seguras”, que Bergoglio sofreria de uma doença severa e degenerativa, que modificaria, inevitavelmente, sua rotina. Afirmaram também ter sido necessário extrair alguns centímetros do cólon, o que indica certa gravidade.

A estas “especulações” se soma o fato confirmado de ter sido necessário prolongar o período de recuperação dele, permanecendo mais dias no hospital. Findo estes, o Papa retornou às dependências vaticanas; não, no entanto, às atividades normais, pois ainda se fazia necessário recobrar forças.

Mais recentemente, o assunto voltou à tona: um vaticanista publicou que corria nos bastidores vaticanos que Francisco teria dois tumores no intestino. Isto sim, de certo modo, justificaria todas as preocupações e cautelas que se têm tomado a respeito de seu real estado de saúde. Ademais, segundo ele, os médicos tiveram dificuldades “no manejo do augusto paciente” que se “revelou nervoso e intolerante com o tratamento”.

O que pensar de tudo isto? Se são meras especulações, boatos ou verdade de fato, não sabemos. O certo é que a Igreja foi em outras épocas afligida por calamidades, como atualmente o é. E sempre se conservou incólume e imaculada. Cumpre, pois, rezar por aquele que dirige a Igreja desde Roma, para que os desígnios de Deus se realizem em relação a sua pessoa, na certeza que Nosso Senhor guia todos os acontecimentos para o bem da Igreja.

A toda esta perspectiva, se soma outra: a de um próximo conclave, que talvez seja em breve. O que esperar do próximo Papa? Que rumos deve dar à Igreja, num mundo cada vez mais infenso à doutrina e moral de Nosso Senhor Jesus Cristo? Por que meios a mão invisível da Providência vai guiar as coisas neste sentido? São perguntas lícitas e muito cabíveis, pelo que parece, à quadra em que estamos.

Por Ney Henrique Meireles


[1] Aldo Maria Valli. Todas as frases aqui citadas são de autoria do referido articulista.

The post O que pensar da saúde do Papa? appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias