Ouvir a palavra de Deus… e colocá-la em prática!

Must Read

Igreja é profanada e roubada no México

O ato sacrílego ocorreu durante a madrugada. Capelão celebrou uma Santa Missa na capela em reparação por esta grave...

Há três anos eram canonizados os Mártires de Cunhaú e Uruaçu

Os Santos Mártires foram canonizados em 15 de outubro de 2017, em cerimônia presidida pelo Papa Francisco, na Praça...

Bispo Mexicano: presidente deve pedir perdão pelos massacres de Católicos

Bispo recomenda que governo de López Obrador peça perdão pelos massacres de católicos ocorridos durante a chamada “guerra cristera”...


Os dois filhos da parábola de hoje representam a humanidade: uns prometem cumprir a vontade de Deus, mas não o fazem; outros se negam a realizá-la e felizmente mudam de caminho. E por que não ser, eu mesmo, um filho inteiramente fiel, um terceiro filho que não aparece na história?

 

 Redação (27/09/2020 10:32, Gaudium Press) É lida nos lugares mais variados, dos modos mais diversos. Muitas vezes serve de mero ornamento em casas e estabelecimentos públicos. Há quem memorize suas passagens; quem as viva, entretanto, são poucos. Poucos? Sim, pois praticar tudo o que nela se lê exige autêntica santidade de vida. Já descobriu de quem falamos?

Neste XXVI Domingo do Tempo Comum celebramos o “Dia da Bíblia”, este verdadeiro tesouro espiritual, cujo conteúdo – a Revelação oficial da Igreja – oferece e oferecerá até o fim dos tempos orientação segura para os filhos de Deus.

É fácil falar…

Comodista, pragmático e naturalista: eis a figura habitual do ser humano de hoje.

Já era de se esperar que tomasse as Sagradas Escrituras por aspectos fáceis e agradáveis, e considerasse verdades sublimes de forma superficial ou mesmo distorcida.

Tomemos alguns exemplos oferecidos pela Liturgia de hoje para conferir se realmente colocamos a palavra de Deus em prática ou não.

Não há perdão para obstinados no mal e impenitentes

Que seríamos de nós, miseráveis pecadores, se não tivéssemos um Deus de infinita misericórdia, disposto a perdoar qualquer pecado? A primeira leitura de hoje, contudo, nos apresenta uma condição para que sejamos perdoados:

Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida. Arrependendo-se de todos os seus pecados, com certeza viverá; não morrerá. (Ez 18, 27-28)

A Bíblia não nos descreve um Deus pouco exigente. Tampouco nos ensina um amor a Ele sentimental e despreocupado – um simulacro de amor.

A Santa Igreja nos ensina que o arrependimento das faltas e o propósito de não mais cometê-las são condições sine qua non para se obter o perdão divino.

Tanto é assim que, em uma Confissão feita sem arrependimento (verdadeira dor e sincera detestação dos pecados cometidos, com firme propósito de nunca mais pecar) não há perdão de pecados – ensina-nos o Catecismo.

No presente Evangelho, Nosso Senhor repreende os fariseus e salienta que os cobradores de impostos e as meretrizes os precedem no Reino dos Céus. E por quê? Pois aqueles se arrependeram e creram no batismo de João; estes, ao contrário, não se arrependeram para crer nele (Cf. Mt 21, 32).

Quando a hipocrisia se disfarça de caridade

Atualmente muito se fala sobre caridade. Muitos confundem, entretanto, a verdadeira Caridade – virtude teologal – com conceitos meramente filantrópicos.

Belo e nobre é o trabalho desenvolvido por tantos homens e instituições em benefício dos mais necessitados. Pois bem, este deve ser impulsionado pelo amor a Deus e não pelo orgulho, como salienta a II Leitura:

Irmãos, se existe alento no amor mútuo, se existe comunhão no espírito, se existe ternura e compaixão, tornai então completa a minha alegria: aspirai à mesma coisa, unidos no mesmo amor. Nada façais por competição ou vanglória. (Fl 2, 1-3)

A Teologia nos ensina que do homem só podem partir dois amores: o amor a Deus levado ao esquecimento de si mesmo; ou amor a si mesmo levado ao esquecimento de Deus. Assim sendo, qualquer ato, por mais belo que seja na aparência, quando realizado por vanglória, constitui pecado e ruma para o esquecimento do Criador.

Longe de deixar de lado o auxílio aos pobres e necessitados, a Santa Igreja nos ensina a fazê-lo da maneira certa.

“Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria” – afirma São Paulo em sua carta aos Coríntios (1Cor 12, 3). Foi também recomendação do próprio Jesus que, ao darmos esmola, uma mão não soubesse o que faz a outra.

Pois realizar obras de misericórdia só para aparentar uma bondade ou para desencargo de consciência, não se praticando a Lei de Deus, é hipocrisia; e quem reduz a Religião Católica à pagã filantropia de nosso século se assemelha ao sepulcro caiado de que fala Jesus no Evangelho: belo por fora, mas por dentro repleto de podridão.

Que filho eu sou?

Na parábola do Evangelho de hoje, vemos atitudes diversas de dois filhos; elas nos servem para verificar nossa própria posição diante do chamamento que Deus nos faz continuamente. Um dos filhos se nega a trabalhar na vinha de seu pai, mas depois muda de ideia e vai; o outro se compromete a fazê-lo, mas não vai. Quem fez a vontade do pai? – indaga o Divino Mestre. “O primeiro”, respondem os fariseus.

Muitos homens de hoje se julgam cumpridores da vontade de Deus, mas não passam de mentirosos: são aqueles que escolhem alguns pontos da Religião – muitas vezes os mais secundários – e cumprem tão somente estes. Outros se iludem, achando que podem viver obstinadamente no pecado para depois se reconciliarem com Deus.

Se ainda negamos a viver para Deus, mudemos de ideia como fez o primeiro filho da parábola. Mas se nos comprometemos desde o início a pôr a palavra de Deus em prática, sejamos como um terceiro filho que não consta na história; aquele que diz sim a seu pai e age em consequência de sua palavra, por amor a Ele.

Ser fiel a Deus no querer, no dizer, no fazer e no ser é característica daquele que abraçou, de fato, o cumprimento da Religião. Aquele que pratica verdadeiramente a Religião nunca se reduz a meras exterioridades; até estas, no entanto, devem ser fiéis reflexos de seu interior.

Que a Santíssima Virgem, “aquela que ouviu a voz de Deus e a pôs em prática”, nos ampare a sermos ardorosos cumpridores da principal exigência que nos é apontada pela liturgia deste XXVI Domingo: a integridade interior.

Por Afonso Costa

The post Ouvir a palavra de Deus… e colocá-la em prática! appeared first on Gaudium Press.

Artigo anteriorEm busca da Verdade…
Próximo artigoSão Venceslau

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

14 − 5 =

Latest News

Igreja é profanada e roubada no México

O ato sacrílego ocorreu durante a madrugada. Capelão celebrou uma Santa Missa na capela em reparação por esta grave...

Há três anos eram canonizados os Mártires de Cunhaú e Uruaçu

Os Santos Mártires foram canonizados em 15 de outubro de 2017, em cerimônia presidida pelo Papa Francisco, na Praça São Pedro. Redação (15/10/2020, 16:40, Gaudium...

Bispo Mexicano: presidente deve pedir perdão pelos massacres de Católicos

Bispo recomenda que governo de López Obrador peça perdão pelos massacres de católicos ocorridos durante a chamada “guerra cristera” que aconteceu no México de...

Os Corpos Incorruptos dos Santos: quando só resta a explicação da Fé

Os espíritos racionalistas, ou simplesmente contrários à Fé de Cristo, sempre tiveram problemas com os corpos incorruptos, pois sua existência é uma afirmação, embora...

O silêncio das pequenas coisas

Alguns dias atrás eu estava aguardando atendimento num consultório médico e na TV estava passando um filme em que uma moça bastante rica, de...

More Articles Like This

Continue in browser
To install tap Add to Home Screen
Add to Home Screen
To install tap
and choose
Add to Home Screen
Continue in browser
To install tap
and choose
Add to Home Screen
Continue in browser
Continue in browser
To install tap
and choose
Add to Home Screen
mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet