InícioNotícias da Igreja“Permanecei em Mim”

“Permanecei em Mim”

Published on

Usando a imagem da videira, Jesus quis deixar clara a absoluta necessidade de permanecermos n’Ele, se quisermos frutificar.

Fotos: Gustavo Kralj / Tito Alarcón

Fotos: Gustavo Kralj / Tito Alarcón

Redação (28/04/2024 20:35, Gaudium Press) Moisés se maravilhou com a sarça que ardia sem se consumir. Aquelas chamas de incomum beleza, mantidas pela ação de um Anjo, atraíram-no. Movido por uma forte e sobrenatural curiosidade, ele se aproximou “para contemplar esse extraordinário espetáculo” (Ex 3,3) e qual não foi sua surpresa ao ouvir de dentro das labaredas a voz de Deus, a adverti-lo de que tirasse suas sandálias por encontrar-se numa “terra santa” (Ex 3,5).

Aquele era o mesmo Deus que passeara todas as tardes com Adão no Paraíso (cf. Gn 3,8) e que, após o pecado original, fez-Se menos presente entre os homens. A partir daí, quase sempre suas manifestações se deram através da grandeza dos castigos —dilúvio, confusão das línguas etc. —, que incutiam um profundo respeito, temor e admiração no povo.

Esse modo de agir divino passou por uma transformação inimaginável nestes mais de dois mil anos de Novo Testamento, desde que “o Verbo Se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). Aquele mesmo Deus, que fez tremer o Sinai e deu grandes poderes ao braço de Sansão e à voz de Elias, pôde ser adorado enquanto bebê na manjedoura, em Belém, e esteve nos braços de Maria, José, Simeão e dos Reis Magos. Doze anos mais tarde, ainda como Menino, discutiu com os doutores no Templo, e durante sua juventude auxiliou seu pai nos trabalhos de carpintaria. E, ao iniciar sua missão pública, fez-Se presente a umas bodas, em Caná, realizando ali seu primeiro milagre.

Em Jesus, Deus quis Se fazer íntimo de nós. Ele continuou sendo o mesmo Iahweh, mas atribuindo-Se títulos diferentes: “Eu sou o Bom Pastor” (Jo 10,11), “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6), “Eu sou a Luz do mundo” (Jo 8,12), “Eu sou a Porta das ovelhas” (Jo 10,7), “Eu sou o pão vivo que desceu do Céu” (Jo 6,51). Fazendo menção a estas criaturas todas — inclusive comparando-Se à galinha com seus pintainhos, ao chorar sobre Jerusalém (cf. Mt 23,37) —, Ele mostra bem qual é o seu incomensurável desejo — desejo eterno — de nos fazer participar de sua vida.

É nesse contexto que se insere o Evangelho de hoje.

A permanência de Deus nos santifica

“Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos: ‘Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor’” (Jo 15,1).

Para Israel, a parreira de uva era uma realidade comum e corrente a ponto de, sob o reinado de Salomão, a Escritura referir-se com esta figura à paz por ele conquistada com todos os povos vizinhos: “Judá e Israel, desde Dã até Bersabeia, viviam sem temor algum, cada qual debaixo de sua vinha e de sua figueira” (1 Rs 4,25).

E qual o significado do vocábulo “verdadeira”, empregado pelo Mestre neste versículo? E por que Jesus, nessa ocasião, passa a falar em videira e agricultor? A este respeito comenta o Cardel Isidro Gomá y Tomás: “Jesus disse a seus discípulos que vai separar-Se deles, mas esta separação será apenas segundo o corpo. Espiritualmente, deverão permanecer intimamente unidos a Ele para viver a vida divina; morrerão se d’Ele se separarem. Propõe esta doutrina envolta na alegoria da videira: ‘Eu sou a videira verdadeira’, a videira ideal e perfeitíssima, na qual, melhor que nas videiras do campo, verificam-se as condições próprias desta planta. O cultivador desta vide espiritual e incorruptível é o Pai: ‘E meu Pai é o agricultor’. Jesus não seria nossa videira se não fosse Homem; e não nos daria a vida de Deus se não fosse Deus. Logo, Jesus é o Messias, Filho de Deus”.[1]

 “Todo ramo que em Mim não dá fruto Ele o corta; e todo ramo que dá fruto, Ele o limpa, para que dê mais fruto ainda” (Jo 15,2).

Jesus afirmou que o Pai é o agricultor e, em consequência, é Ele quem assume a tarefa da poda, da limpeza, dos cuidados. Como já dissemos anteriormente, Deus criou a videira, entre outras razões, para servir de exemplo a esses procedimentos próprios ao Pai, bem como para melhor compreendermos o relacionamento que existe entre os batizados e Cristo. A videira, entre os vegetais, é o mais adequado para se entender a necessidade do corte ou a da poda.

Estes ensinamentos de Jesus nos mostram o quanto é pleno de vitalidade seu Corpo Místico. Os “ramos” improdutivos, o Pai os arranca; e os que prometem frutos futuros, Ele os desponta e os acondiciona para se beneficiarem da seiva de modo mais excelente.

Não seria diminuto o elenco dos “ramos” infrutíferos, pois muitos são os vícios, más inclinações e pecados que bloqueiam o fluxo normal da “seiva” da graça. Em síntese, todos eles têm sua origem no egoísmo humano. O estar voltado sobre si mesmo, submerso em suas próprias conveniências, traz como consequência inevitável um corte com as graças de Deus, pois estas nos são dadas com vistas à caminhada rumo ao Reino. Por outro lado, como afirma São João Crisóstomo,[2] ninguém pode ser verdadeiro cristão sem as boas obras. Ora, o egoísmo não as produz jamais.

Quanto à “poda” dos ramos frutuosos, além das tentações e provações permitidas por Deus, há dons, consolações e estímulos sobrenaturais, ações divinas que visam multiplicar a fertilidade deles. Por este dito de Jesus, vê-se quanto as tentações são úteis para conferir mais virtude e mérito aos bons “ramos”.

Em resumo: “O que se quer dizer aqui é que Cristo, Homem-Deus, influi diretamente, pela graça, nos sarmentos. O Pai, de outro lado, é quem tem o governo e a providência exterior da vinha”.[3]

“Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em Mim” (Jo 15,4).

Esta é a condição para a correspondência à graça, pois permanecer em Cristo é o primeiro e o maior de todos os dons que possamos receber. Unidos assim a Cristo, teremos a real e verdadeira posse de Deus.

Peçamos, pois, ao Divino Redentor, que nos conceda a graça de estarmos inteiramente unidos a Ele e à sua graça, a fim de que nos desvencilhemos do pecado e de tudo aquilo que nos afasta de Deus. Deste modo, seremos aqueles ramos que jamais se separarão de Deus, e que gozarão na eternidade do convívio celestial.

Extraído, com adaptações, de:

CLÁ DIAS, João Scognamiglio. O inédito sobre os Evangelhos: comentários aos Evangelhos dominicais. Città del Vaticano-São Paulo: LEV-Instituto Lumen Sapientiæ, 2014, v. 3, p. 326-343.


[1] GOMÁ Y TOMÁS, Isidro. El Evangelio explicado. Pasión y Muerte. Resurrección y vida gloriosa de Jesús. Barcelona: Rafael Casulleras, 1930, v. IV, p. 225.

[2]  Cf. JOÃO CRISÓSTOMO. Homilía LXXVI, n. 1. In: Homilías sobre el Evangelio de San Juan (61-88). Madrid: Ciudad Nueva, 2001, v. III, p. 167.

[3] TUYA, Manuel de. Biblia Comentada. Evangelios. Madrid: BAC, 1964, v.V, p.1242.

The post “Permanecei em Mim” appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Alemanha: Maioria dos jovens sacerdotes rejeita propostas do Caminho Sinodal

Durante uma coletiva de imprensa online, Matthias Sellmann, diretor do Centro de Pesquisa Pastoral,...

Biógrafo de João Paulo II acusa Pontifícia Academia para a Vida de trair seu fundador

Em uma conferência sobre bioética em Roma, George Weigel acusou a Pontifícia Academia para...

Santuário de Fátima promove Peregrinação das Crianças 2024

O lema escolhido para o evento deste ano foi tirado das palavras ditas pelo...

Rosário flutuante é construído em cidade costeira do Líbano

A iniciativa contou com a participação de diversos católicos para que este ambicioso e...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...