InícioNotícias da IgrejaQuando você bate e a porta não se abre…

Quando você bate e a porta não se abre…

Published on

Jesus disse: “Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, se abrirá, mas, por que muitas vezes pedimos e não obtemos, buscamos e não encontramos, batemos e a porta não se abre?

<a href="https://br.freepik.com/fotos-gratis/close-de-uma-pessoa-batendo-na-porta-com-uma-velha-aldrava_11696367.htm#query=knocking%20on%20door&position=43&from_view=keyword&track=ais&uuid=7aa8420d-9d68-407d-b968-3cffbb728d6f">Imagem de wirestock</a> no Freepik

Imagem de wirestock no Freepik

Redação (04/12/2023 11:37, Gaudium Press) Infelizmente, muitas pessoas, ao pedirem alguma coisa a Deus e não obterem, acabam desanimando na fé, mudando de religião ou abandonando de vez a vida espiritual. Não é fácil pedir e não obter.

E não me refiro aqui apenas àqueles que pedem coisas materiais que podem perfeitamente viver sem: um carro novo, uma casa maior, condições para fazer a viagem dos sonhos, mais dinheiro para adquirir um bem. Essas coisas são legítimas e não é errado desejá-las, mas são bens que temos condições de obter por nossos próprios esforços. Com a bênção de Deus, sempre, embora sem a necessidade de milagres.

É errado pedir a Deus que nos ajude a obter tais coisas, a realizar tais sonhos? Não, não é errado, considerando que tudo pertence a Deus e nós podemos pedir a Ele aquilo de que necessitamos. A questão é que, muitas vezes, pedimos mais do que necessitamos ou o que nem mesmo precisamos. E, diante da negativa, agimos como crianças birrentas, ficando “de mal” com Deus quando Ele não nos dá o que desejamos.

Pedidos legítimos

Contudo, não me refiro a isso, a coisas supérfluas ou coisas que queremos apenas para satisfazer nosso egoísmo ou nossa vaidade. Refiro-me a pedidos sérios, coisas verdadeiramente importantes.

É comum que, estando doentes ou tendo um ente querido doente, as pessoas rezem pedindo a cura. Dependendo da gravidade do caso, pedem um milagre. Só que, em muitos casos, o milagre não vem, a cura não acontece e aquele que rezou, acreditou, buscou, esperou, acaba amargando dores e sofrimentos atrozes que se arrastam por longos períodos, às vezes, por anos, ou até mesmo pela vida toda, podendo levar à morte.

Em outras ocasiões, faz-se um pedido legítimo, que pode até ser material. Uma pessoa em vias de perder a sua casa, por exemplo, pede a ajuda de Deus para que isso não aconteça, ou para evitar uma falência; alguém precisando desesperadamente arrumar um emprego para sustentar a família, com filhos pequenos; um negócio que se precisa muito fechar, no qual se investiu todos os recursos e esperanças, ou ainda a vitória em uma causa judicial, o casamento com uma pessoa que se ama verdadeiramente.

Reza-se, fazem-se novenas, promessas, votos, romarias, jejuns, penitências, e o pedido não é atendido. Pede-se e não se obtém. Busca-se e não se encontra a coisa buscada. Bate-se, e a porta não se abre.

É difícil manter a fé diante das adversidades

Manter a fé não é uma coisa fácil, é uma luta de todos os dias, pois as tentações são muitas e as ilusões criadas para nos confundir aumentam cada vez mais; com isso, torna-se maior o número de descrentes. No entanto, manter a fé em circunstâncias normais, quando tudo vai bem, é algo que se faz de bom grado. O difícil é manter a fé diante das adversidades, principalmente diante do silêncio de Deus e de suas aparentes recusas em nos ajudar.

Diante de situações assim, sempre penso nos santos, que atravessaram grandes desertos e muitas provações, sem desanimar, sem abandonar a fé e, principalmente, sem questionar a Deus. É certo que essas almas iluminadas tenham se entristecido, e, em alguns momentos, podem até ter sentido algum abatimento, mas não se desesperaram e nem abandonaram a Deus porque as coisas não saíram como gostariam.

Eu reconheço que é difícil. É dolorido. Chega a ser desalentador acreditar numa promessa que não se cumpre, pois as palavras de Jesus são claras e estão nas Sagradas Escrituras, não se trata de livros apócrifos e nem de invenção humana: “Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, se abrirá” (Mt 7, 7-8).

Deus não mente e nem se contradiz

Então, se está escrito, e com tanta clareza, por que Deus não nos atende todas as vezes que pedimos? Por que Ele nos deixa implorar, clamar, rogar e não nos responde, não nos atende? Será que esse preceito não é para todos? Será que existem filhos privilegiados? Se Deus atende a uns e a outros não, quais são os critérios que usa?

A resposta, meus amigos, está na própria continuação da passagem do Evangelho de São Mateus, “Quem dentre vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir pão? E, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem.” (Mt 7, 9-11).

Mas, seu Afonso, esses versículos são a confirmação dos primeiros! Jesus está dizendo que nós, sendo homens maus e imperfeitos, damos boas coisas aos nossos filhos e que Ele, sendo Deus, também as dará a quem lhe pedir. Sim, parece que é exatamente isso que a passagem bíblica diz, mas notem que há um adjetivo que faz toda a diferença: boas coisas. “Vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem.”

Não sabemos o que há…

Devemos ter muito claro que vemos imperfeitamente, e aquilo que pedimos a Deus, mesmo que nos pareça uma coisa excelente, pode não ser uma coisa boa; pode ser algo momentaneamente bom, mas que porá em risco a salvação da nossa alma, e isso é algo que não podemos ver, porque temos escamas em nossos olhos. Precisamos lembrar também das palavras do Apóstolo Paulo: “Tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus”. (Rm 8,28). E, quando ele diz tudo, é tudo!

Não importa o que você buscou e não encontrou, o que você pediu e não obteve e o quanto você bateu, até esmurrou a porta, e ela não se abriu. Fique em paz, você não sabe o que tem do outro lado da porta. Deus sabe.

É certo que um dia veremos claramente, e então compreenderemos de quantas armadilhas Deus nos livrou, de quantas situações difíceis e perigosas Ele nos retirou e o quanto deve ter doído para Ele nos manter enfermos a fim de evitar que caíssemos em pecados que poriam tudo a perder se fosse restituída a nossa saúde. Ter visto nossa derrota onde esperávamos triunfo, ter-nos mantido sós quando havia alguém a tão pequena distância… Nós vemos a porta. Deus vê muito além dela.

Por Afonso Pessoa

The post Quando você bate e a porta não se abre… appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Congresso Eucarístico Nacional é realizado na Guatemala

Realizado na cidade de Quetzaltenango, o evento teve início na última quarta-feira, 10 de...

Beato Carlos de Blois: senhor feudal perfeito

Governador e patriarca da Bretanha – Noroeste da França –, aristocrata e batalhador que...

Sexta-feira da 14ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia) Recebemos, Senhor, vossa misericórdia no meio do vosso templo. Como...

Incêndio na torre da Catedral de Rouen

As imagens da torre em chamas da Catedral de Rouen evocam o terrível incêndio...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...