15.5 C
São Paulo
quinta-feira, outubro 21, 2021

Uma liturgia sob medida para nosso tempo

A repreensão dada ao Príncipe dos Apóstolos se aplica muito bem aos homens de hoje. Há dois caminhos a escolher: pensar como o mundo ou como Deus. Escolhamos, pois!

Redação (30/08/2020 09:24, Gaudium Press A Liturgia deste XXII Domingo do Tempo Comum nos alerta sobre um grande perigo.

Em seus Exercícios Espirituais, Santo Inácio de Loyola reafirma um importante ensinamento da Igreja: o homem é criado para honrar, glorificar e servir a Deus e, mediante isto, salvar sua alma.

E, para tanto, deve utilizar-se de todos os meios lícitos de que dispõe, rejeitando tudo quanto o afasta desta realização. Em suma, é preciso renunciar à tríplice concupiscência: demônio, mundo e carne.

Dentre os três itens, destacamos o mundanismo, contra o qual a presente Liturgia nos adverte.

Quanto é duro renunciar ao mundo! Pertencer a uma Religião tão contrária à mentalidade moderna pode transformar-se num contínuo martírio, se de fato levamos a sério essa entrega. Na II Leitura, o Apóstolo sublinha a importância de dita renúncia:

“Não vos conformeis com o mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e de julgar” (Rm 12, 2)

Com efeito, foi o modo de pensar mundano que valeu a São Pedro a repreensão narrada no Evangelho de hoje:

“Jesus começou a mostrar a seus discípulos que devia ir a Jerusalém e sofrer muito (…), que devia ser morto e ressuscitar no terceiro dia. Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo (…). Jesus, porém, voltou-se para Pedro e disse: “Vai para longe, satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas sim as coisas dos homens!” (Mt 16, 21-23)

“Et renovabis faciem terræ”

Como me transformar? Como renovar meu modo de julgar? O que fazer para pensar nas coisas de Deus?

“Para os homens isso é impossível, mas para Deus tudo é possível” (Mt 19, 26).

A Igreja, há vários séculos, reza: “Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra”. Não há outro caminho senão possuir uma fervorosa devoção ao Divino Espírito Santo. Ele, o Santificador, pode e deseja tudo transformar e renovar, a começar pelas almas de seus filhos; e isso por meio de sua Santíssima Esposa, Maria.

Entretanto, para que o Pai nos dê espírito do saber (Aclamação do Evangelho), é preciso que nossa alma se agarre n’Ele e que sua mão nos sustente (Salmo Responsorial). Para isso, uma vida espiritual e sacramental bem levada, e a fuga das ocasiões de pecado são indispensáveis.

Apontar os erros e indicar o caminho: papel dos Pastores

Ademais, importantíssimo é papel dos Pastores nos dias atuais.

Diante de uma atitude má, Nosso Senhor não hesitou em qualificar de satanás e pedra de tropeço àquele a quem instantes antes entregara a primazia da Igreja.

Jesus manifesta seu amor à integridade e à verdade quando duramente repreende São Pedro. E mais: a repreensão é sinal evidente do amor que tem pelo apóstolo, pois Ele “repreende e educa aqueles a quem ama” (Cf. Ap 3, 19).

Portanto, sirva a atitude do Divino Mestre de exemplo para os Pastores de nossos dias; pois, num mundo saturado de relativismo, é mister apontar para o verdadeiro caminho da santidade. É, também, necessário compenetrar os católicos de que há duas vias: Deus ou o mundo – Céu ou inferno, como bem sublinha o Evangelho:

“Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, mas perder a sua vida? (…) O Filho do Homem virá na glória do seu Pai, com os seus Anjos, e então retribuirá a cada um de acordo com sua conduta” (Mt 16, 27)

Essa atitude positiva tem sido tomada pelos Pastores? Não será que o próprio Deus estaria se encarregando de fazê-lo?

Não será um aviso da Providência?

Há menos de um ano, nem podíamos imaginar o rumo que os acontecimentos tomariam. Vivíamos tranquilamente – uns mais, outros menos – nossas vidas, até que uma preocupação mundial nos obrigou a um forçoso recolhimento.

E agora, quando as coisas pareciam voltar ao normal (e que normal diferente, não é?), nos deparamos com uma série de catástrofes naturais que se sucedem em intensidade pouco comum: furacões em número inusual; terremotos que não cessam; incêndios inconteníveis; chuvas incalculáveis; pragas que se alastram sem controle, etc.

Ora, se Deus existe e nada acontece sem seu consentimento, tais calamidades não poderiam ser um misericordioso aviso de Deus à humanidade?

Tente-se, entretanto, convencer os filhos deste mundo de tais verdades, e vejamos se a resposta será diferente da que recebeu o profeta Jeremias:

“Tornei-me alvo de irrisão o dia inteiro, todos zombam de mim. Todas as vezes que falo, levanto a voz, clamando contra a maldade e invocando calamidades; a palavra do Senhor tornou-se para mim fonte de vergonha e de chacota o dia inteiro” (Jr 20, 8)

Não tem jeito. Desde que foi posta a inimizade entre a raça da Mulher e a raça da serpente, os homens sempre estarão divididos entre filhos da luz e filhos das trevas; filhos de Deus e filhos deste mundo.

Os últimos, desde os tempos de Jeremias, se ufanam de humilhar os filhos de Deus com suas chacotas e zombarias.

Bem, se eles desconhecem a passagem da Escritura que diz: “Aquele que habita no Céu zombará deles” (Sl 2, 4), não deveriam, ao menos, temer serem vítimas do cruel ditado: “Quem ri por último, ri melhor!”?

Por Afonso Costa

The post Uma liturgia sob medida para nosso tempo appeared first on Gaudium Press.

Artigo anteriorBom Dia! com os Arautos
Próximo artigoSão Cesário de Arles
- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias