InícioNotícias da Igreja11 de setembro: marco de uma nova era

11 de setembro: marco de uma nova era

Published on

Como o 14 de julho de 1789, o dia 11 de setembro de 2001, à sua maneira, constituiu um marco na história do ocidente e do mundo inteiro.

Redação (11/09/2021 10:58, Gaudium Press) Para o renomado historiador Daniel-Rops, “a evolução das sociedades humanas não conhece cortes bruscos e, do passado para o futuro, as mudanças se fazem mais por transformação do que por mutação repentina”.[1] Isso, entretanto, não impede a existência de datas fatídicas, “em que parece que a própria corrente da História muda de sentido”. [2] Tanto para regiões pequenas ou grandes civilizações, essas datas existem e muitas delas são sublinhadas pela queda e ruína de edifícios, anunciando mudanças radicais nos acontecimentos.

Símbolo do regime com o qual queriam romper

Se um literato tivesse ousado imaginar o acontecido naquele dia em Paris, correria o sério risco de ser taxado de louco e conspirador. Mas não se tratava de ficção. A 14 de julho de 1789, a própria História se encarregava de pintar, com as tintas da mais pura realidade, uma trágica sucessão de horrores.

A multidão armada aflui junto à fortaleza da Bastilha. Disparando incessantemente e buscando incendiar uma das torres, consegue, por fim, quebrar as amarras da ponte levadiça, que tomba estrepitosamente. O pátio é invadido e os edifícios postos a saque. A multidão, ébria de sangue, corre aos Paços do Conselho. O presidente do município, Flesselles, pálido, vem ao seu encontro. Ainda não tinha dado três passos, quando, por sua vez, é morto e degolado.[3]

Aquela antiga fortaleza medieval fora transformada numa prisão do governo que contava à época com apenas sete prisioneiros: quatro falsificadores, um jovem preso a pedido da família, e dois loucos.

Ao tomarem a Bastilha os revolucionários estavam em busca do armamento e da munição lá depositados. A fortaleza de si não tinha maior transcendência; sua conquista, porém, foi exaltada pelos propagandistas, enaltecida pela Assembleia, aprovada pela corte e legitimada por Luís XVI. Tornou-se o sinal da pusilanimidade real e a “prova de que a monarquia renunciava aos seus próprios princípios”.[4]

A invasão da Bastilha se transformou num dos maiores emblemas da Revolução Francesa. Por quê? O povo se dirigiu para lá procurando armas, é verdade. Mas o gesto possuía uma dimensão mais profunda: o castelo era símbolo do regime com o qual queriam romper. Assim, sua ruína representou o desmoronamento da monarquia, que fora até então, nesta terra, “o supremo recurso contra a maldade dos homens e a hostilidade das coisas”.[5]

O mundo entra em novas e abomináveis paisagens

“Um dia de trevas na história da humanidade”, assim foi qualificado, pelo Sumo Pontífice, aquele 11 de setembro de 2001.[6] Às 8h45, horário de Nova York, uma aeronave sequestrada por terroristas colidia contra um dos maiores edifícios do mundo. Dezoito minutos mais tarde, o prédio contíguo ao anterior era golpeado por outro avião. Quando o relógio marcava 10h30, as torres gêmeas do World Trade Center – edifícios de cento e dez andares –, estavam no chão, reduzidas a escombros de ferro e concreto.

Passados cerca de quarenta minutos da primeira explosão, um terceiro avião atingiu o Pentágono, sede do Departamento de Defesa Americano; e às 11h29 um quarto caiu em Pittsburgh (Pensilvânia). Os atentados causaram milhares de vítimas.[7] Ataque impiedoso, condenado pela totalidade das autoridades internacionais, não deixou de conter, também, seu aspecto altamente simbólico. Para o então chanceler da Alemanha, Gehrard Schroeder, os atentados foram uma “declaração de guerra a todo o mundo civilizado”.[8] Um articulista destacaria: “[Inicia-se] uma nova página da História […] O veredicto é peremptório: o mundo entra em novas e abomináveis paisagens”.[9]

Como 14 de julho de 1789, o dia 11 de setembro de 2001, à sua maneira, constituiu um marco na história do ocidente e do mundo inteiro. Com a derrubada dos edifícios que simbolizavam poderes na aparência inatingíveis, o mundo abriu os olhos para mais uma virada nas páginas de sua história.

Há vinte anos daquele dia de terror, percebemos como a história de nosso século se distancia da dos precedentes, quer pela desmesurada instabilidade em vários campos que o caracteriza, quer pela insanidade de tantas figuras de destaque cujas atitudes insanas talvez não encontrassem lugar sequer no conturbado, não tão remoto, século XX.

É de se perguntar se alguns acontecimentos desta “nova era”, deste novo século que teve o maior atentado terrorista da história por pórtico de entrada, não são tão inusitados quanto seria a um francês do século XVIII o degolamento de seu rei.

Por João Paulo Bueno


[1] DANIEL-ROPS, Henri. História da Igreja de Cristo. A Igreja da Renascença e da Reforma. São Paulo: Quadrante, 1996, v.I, p.104.

[2] Idem, ibidem

[3] Cf. GAXOTTE, Pierre. A Revolução Francesa. Porto: Tavares Martins, 1945, p.92-93.

[4] Idem, p.94

[5] Idem, ibidem

[6] JOÃO PAULO II. Audiência geral, 12/9/2001.

[7] Cf. EDITORIAL. Um país em estado de choque. In: O Estado de São Paulo. Ano CXXII, N.39411 (12 set., 2001), p. A-1; A-4.

[8] Cf. MUNDO CONDENA E PEDE UNIÃO CONTRA O TERROR. In: O Estado de São Paulo, op. cit., p. A-14.

[9] LAPOUGE, Gilles. Violência, sem precedentes, abala a história. In: O Estado de São Paulo, op. cit., p.A-11.

 

 

 

 

 

The post 11 de setembro: marco de uma nova era appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Alemanha: Maioria dos jovens sacerdotes rejeita propostas do Caminho Sinodal

Durante uma coletiva de imprensa online, Matthias Sellmann, diretor do Centro de Pesquisa Pastoral,...

Biógrafo de João Paulo II acusa Pontifícia Academia para a Vida de trair seu fundador

Em uma conferência sobre bioética em Roma, George Weigel acusou a Pontifícia Academia para...

Santuário de Fátima promove Peregrinação das Crianças 2024

O lema escolhido para o evento deste ano foi tirado das palavras ditas pelo...

Rosário flutuante é construído em cidade costeira do Líbano

A iniciativa contou com a participação de diversos católicos para que este ambicioso e...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...