A verdadeira Paz

Must Read

URGENTE: Ataque Terrorista Islâmico a faca deixa ao menos três mortos e vários feridos em igreja na França

Um agressor com uma faca matou ao menos três pessoas e deixou vários feridos por volta das 9h (horário...

Papa celebrará missa pelos fiéis defuntos em cemitério Teutônico

A celebração será realizada de forma totalmente privada, ou seja, sem a participação dos fiéis. Em seguida, o Pontífice...

Vírus Católico, República Universal e Autoridade Verdadeira

Os santos dão o exemplo de como atravessar os períodos conturbados da História, especialmente quando tudo parece ir à...


Se tantos desejam a paz, por que a humanidade vive constantemente em guerra?

Redação (06/09/2020 14:43, Gaudium Press) Roma, com seus 2770 anos de História, é fértil em lendas, pois o tempo e a imaginação popular facilmente se conjugam para criar esse misto de sonho e realidade tão desprezado por certos espíritos positivistas. As lendas, por mais que às vezes sejam fantasiosas, fazem parte da cultura de um povo e transmitem até importantes elementos de sua História. Na realidade, elas refletem seus anseios mais profundos, e contêm úteis ensinamentos da sabedoria popular.

O templo da Paz Eterna

Numa obra de autor medieval, a “Lenda Áurea”, conta-se um curioso fato ocorrido no reinado do Imperador César Augusto. Este, depois de ter vencido seus adversários e alargado as fronteiras do Império – dominando a bacia do Mediterrâneo e boa parte da Europa -, levou a glória de Roma a um auge até então nunca visto. Seu longo governo marcou a História da humanidade, não só por suas brilhantes vitórias militares e pelo poder alcançado, mas sobretudo pelo extenso período de paz que o mundo civilizado conheceu: a “Pax Romana”.

Ainda hoje, na civilização ocidental, restam vestígios da glória desse reinado. Por exemplo, o nome dado ao mês de agosto: a palavra deriva de Augustus, por ter sido dedicado ao célebre imperador o oitavo mês do ano. Houve também cidades do Império que tomaram o seu nome, como Cesaraugusta, na Espanha, hoje, Saragoça.

Tão frequentes eram na Antiguidade as guerras que a pacificação do Império, promovida por César Augusto, foi algo extraordinário. Por isso, no 12º ano consecutivo sem guerra, os romanos ergueram um templo à Paz. Mas, receosos de que o novo culto tivesse pouca duração, quiseram saber quanto tempo teriam ainda de tranquilidade e foram consultar o oráculo de Apolo. Este, como fazem os adivinhos de todas as épocas, deu uma resposta ambígua e enigmática, de modo a poder esquivar comodamente futuras reclamações, na eventualidade de resultados desfavoráveis.

Mas às vezes, ou por casualidade, ou por desígnios da Providência, o vaticínio acaba sendo acertado. E foi o que aconteceu nesse caso.

Segundo o oráculo, a paz duraria “até uma virgem dar à luz”. Ora, tal fato era humanamente impossível. Portanto, concluíram os romanos, uma duração indefinida. Bem podemos imaginar sua euforia, na expectativa de poderem usufruir as riquezas, prazeres e comodidades da capital do poderoso Império, sem perturbação e por tempo ilimitado.

Uma inscrição nas portas do templo consagrava tão feliz previsão: “Templo da Paz Eterna”.

No entanto, conta a “Lenda Áurea”, quando Nosso Senhor Jesus Cristo nasceu em Belém, esse templo ruiu de forma inexplicável, ficando reduzido a um montão de escombros. E com a sua derrocada, foram também pulverizadas as ilusões dos romanos, de que a paz duraria eternamente. Mais tarde, nesse lugar, situado entre o Fórum e o Coliseu, foi construída a Igreja de Santa Maria Nova, também chamada de Santa Francisca Romana.

Por que será tão difícil estabelecer a paz?

Nas lendas, a realidade e a fantasia se misturam graciosamente, e assim deixam aos ouvintes ou leitores o gosto de conseguir penetrar seus enigmas. Esta lenda, porém, é muito mais real do que parece à primeira vista. Feitas ligeiras adaptações e atualizações, bem poderia passar por uma história verídica de nossa época.

As superstições modernas não concebem a construção de templos à Paz Eterna. Mas quantas vezes não registra a História a celebração de pomposos tratados, com o objetivo de garantir uma era de paz eterna? Pouco tempo depois, eles se transformam em letra morta… E a ilusão de que a guerra teria sido banida para sempre da face da terra se pulveriza, como o velho templo pagão de nossa lenda.

A análise de qualquer período da História e, sobretudo, de nossa época, faz nascer a pergunta: Por que será tão difícil estabelecer a paz no mundo?

Com efeito, se fosse possível fazer um plebiscito universal para saber se a humanidade deseja viver em paz ou prefere a guerra, a primeira opção teria uma vitória esmagadora, bem próxima dos 100%. Sendo assim, por qual razão a humanidade vive constantemente em guerra?

Paz de Cristo e paz do mundo

A resposta para esta questão, podemos encontrá-la nas palavras do Divino Redentor, na Última Ceia: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou. Não vo-la dou como o mundo a dá” (Jo 14, 27).

Há, pois, uma diferença entre a verdadeira paz, dada por Nosso Senhor Jesus Cristo, e a paz do mundo. Santo Agostinho destaca essa distinção entre uma e outra:

“O Senhor acrescenta: ‘Eu não vo-la dou como dão os homens que amam o mundo. Estes, com efeito, oferecem a paz, a fim de – livres de preocupações, de processos e de guerras – poderem gozar, não de Deus, mas do mundo, ao qual entregaram o seu afeto. E quando eles oferecem a paz aos justos, cessando de os perseguir, não é uma paz verdadeira, porque não há verdadeiro acordo onde os corações estão desunidos.

“Chamamos consortes àqueles que unem sua sorte. Aqueles que unem seus corações, do mesmo modo, devem se chamar concordes.

“Para nós, meus caríssimos irmãos, Jesus Cristo nos deixa a paz e nos dá sua paz, não como a dá o mundo, mas como a dá Aquele por quem foi criado o mundo. Ele no-la dá para que todos estejamos de acordo, para que estejamos unidos de coração e, tendo um só coração, o elevemos ao alto, não nos deixando corromper na terra”.

Para o mundo, a paz consiste apenas na tranquilidade externa, na segurança dos bens e da vida, para poder viver sem preocupações, porém, tantas vezes de costas para Deus, violando abertamente sua divina Lei.

Paz é a tranquilidade da ordem

O sentido cristão da paz é a concórdia entre os homens, mas baseada no amor a Deus e, por consequência, no amor ao próximo. Dessa conformidade com a Lei divina – ou seja, com a ordem – decorre a tranquilidade, que é o fruto da paz. Ou, como genialmente define Santo Agostinho: paz é a tranquilidade da ordem.

A falsa paz nunca pode ser duradoura, porque, onde um mandamento da Lei de Deus não é respeitado, cedo ou tarde, todos os outros também serão transgredidos. Pois as paixões humanas são insaciáveis, e quando o homem dá rédea solta a uma delas, todas as outras se exacerbam e desencadeiam. Assim, perdendo a graça de Deus, sem a qual é impossível praticar duravelmente a virtude, o homem tende para a transgressão de todos os mandamentos. Irrompem então com ímpeto as ambições, as invejas, os ódios, a violência, os conflitos, e vão caminhando para seu paroxismo até explodirem na beligerância armada.

Esta é a grande contradição que nossa época não quer ver. Muitos, da paz só querem a tranquilidade – afirma Santo Agostinho -, mas não a verdadeira ordem, a qual é o seu fundamento. Tendo de optar entre a ordem, que muitas vezes exige sacrifício, e a fruição do pecado, o homem se ilude e se cega a si mesmo, preferindo o gozo ilícito, e supondo ser possível estabelecer no mundo uma “paz” constituída apenas da tranquilidade, isto é, sem a ordem, sem a conformidade com o Decálogo.

É da desordem implantada na alma do homem pelo pecado que nasce a desordem da guerra, dos conflitos, do caos, e com ela a intranquilidade.

O Rosário e a paz

Consideremos uma verdade muito esquecida nos dias de hoje: para alcançar a paz, é indispensável implorar a Deus esse precioso dom, através da oração, principalmente do Rosário, pois é a Rainha da Paz quem alcança essa vitória, por meio da graça, em nossas almas.

De fato, em Fátima, Nossa Senhora prometeu a paz, mas deixando claras as condições para a efetivação de sua promessa. Nas seis aparições, Ela insistiu maternalmente no mesmo pedido para dar a entender o quanto está desejosa de conceder a paz aos que a pedem: “Rezem o terço todos os dias para alcançar a paz para o mundo e o fim da guerra”.

Portanto, depende de cada um de nós atender ao pedido da Mãe de Deus para o mundo poder beneficiar-se desse dom celestial que é a paz.

Artigo extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho n. 58. Out.2006. Por José Antonio Dominguez.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezenove − 16 =

Latest News

URGENTE: Ataque Terrorista Islâmico a faca deixa ao menos três mortos e vários feridos em igreja na França

Um agressor com uma faca matou ao menos três pessoas e deixou vários feridos por volta das 9h (horário...

Papa celebrará missa pelos fiéis defuntos em cemitério Teutônico

A celebração será realizada de forma totalmente privada, ou seja, sem a participação dos fiéis. Em seguida, o Pontífice fará algumas orações no cemitério. Cidade...

Vírus Católico, República Universal e Autoridade Verdadeira

Os santos dão o exemplo de como atravessar os períodos conturbados da História, especialmente quando tudo parece ir à deriva. Redação (29/10/2020 08:38, Gaudium Press)...

Papa Francisco em 2 de novembro no Campo Santo Teutônico

As medidas de segurança ditadas pela pandemia marcam também as próximas celebrações presididas pelo Papa Francisco. Na segunda-feira 2 de novembro, dia em que...

30ª Semana do Tempo Comum – Quinta-feira

Primeira Leitura: Efésios 6,10-20 Leitura da carta de São Paulo aos Efésios – Para terminar, irmãos, confortai-vos no Senhor e, no domínio de sua força, revesti-vos...

More Articles Like This

Clique aqui para receber todas as noticias!
Dismiss
Allow