Beato Padre de Armero preferiu proteger a Eucaristia a fugir do perigo

Must Read

Um gesto de Bento XVI

As atitudes deste Papa invariavelmente nos dão muito o que pensar. Redação (01/12/2020 18:22, Gaudium Press) O último consistório...

Arquidiocese de São Paulo lança Novena de Natal 2020

Por conta da alta busca pelo subsídio, o mesmo será disponibilizado no formato digital no Portal da Arquidiocese, a...

Catedral de Bruxelas promove exposição de presépios

Apesar das Missas públicas estarem suspensas na Bélgica por conta da epidemia de Covid-19, as igrejas permanecem abertas aos...



O Papa Francisco beatificou na manhã de ontem o sacerdote mártir Pedro Maria Ramírez Ramos, mais conhecido como Padre de Armero, que preferiu proteger a Eucaristia a fugir para se salvar do perigo.

Assim o recordou o Bispo de Garzón, Dom Fabio Duque Jaramillo, que leu uma biografia do Padre de Armero antes do rito de beatificação presidido pelo Santo Padre.

O Prelado explicou que, nos últimos anos da década de 1940, “a situação política da Colômbia era muito difícil nesse período, tanto pela alternância de liberais e conservadores na liderança do país, como pela grande propaganda comunista”.

Em 1948, continuou, surgiu uma revolta, conhecida como ‘El Bogotazo’, e como consequência “ocorreu uma verdadeira perseguição religiosa, que também atingiu o povoado de Armero e seu templo foi profanado”.

Dom Duque relatou que o Padre de Armero, “consciente da gravidade do momento e pensando que a sua morte estava próxima, a primeira coisa que pensou foi evitar a profanação do Santíssimo Sacramento, conservando uma Hóstia que ele mesmo consumiu pouco antes de morrer”.

“Quando as irmãs e outras pessoas o aconselharam a fugir e se esconder, respondeu dizendo: ‘Consultei ao meu amito e me disse para permanecer no meu posto’. E escreveu um breve testamento para que o entregassem ao Bispo, no qual recordava sua família e outras pessoas”.

Nesse testamento, o novo Beato colombiano agradecia pelo seu sacerdócio e pela paróquia de Armero e declarava-se disposto a derramar o seu sangue pelo povo que tanto amava.

Em 10 de abril de 1948, Pe. Ramírez Ramos foi preso por “alguns habitantes furiosos, amarraram-no e, com empurrões e arrastando-o, levaram-no à praça pública entre gritos, insultos e cruéis zombarias de todos os tipos”.

O Bispo concluiu o seu relato contando que, ao chegar à praça, “mataram-no com um golpe de facão. Morreu perdoando seus agressores”.

Fonte: ACIdigital

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

3 × cinco =

Latest News

Um gesto de Bento XVI

As atitudes deste Papa invariavelmente nos dão muito o que pensar. Redação (01/12/2020 18:22, Gaudium Press) O último consistório...

Arquidiocese de São Paulo lança Novena de Natal 2020

Por conta da alta busca pelo subsídio, o mesmo será disponibilizado no formato digital no Portal da Arquidiocese, a partir da segunda semana de...

Catedral de Bruxelas promove exposição de presépios

Apesar das Missas públicas estarem suspensas na Bélgica por conta da epidemia de Covid-19, as igrejas permanecem abertas aos fiéis católicos para oração e...

Florescimento do eremitismo

Apavorados diante das perseguições, muitos cristãos fugiam para o deserto: principiavam então uma vida isolada, eremítica, contemplativa. Ao mesmo tempo em que floresciam os...

Catedral de Notre-Dame de Paris sediará concerto de Natal

Este será o primeiro grande evento desde o incêndio que atingiu o templo francês em abril de 2019. França – Paris (01/12/2020 11:00, Gaudium Press)...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet