Início Notícias da Igreja Deputado Frederico d’Avila responde Dom Orlando Brandes e pega fogo!

Deputado Frederico d’Avila responde Dom Orlando Brandes e pega fogo!

0
2200

“Vagabundo, safado, nojento, imundo, canalha”, foram alguns adjetivos utilizados pelo Deputado Frederico d’Avila para rotular Dom Orlando Brandes, Arcebispo de Aparecida do Norte.

“Você se esconde atrás da sua batina para fazer proselitismo político; para converter pessoas de bem à sua ideologia. A última coisa que vocês tomam conta é da alma e da espiritualidade das pessoas, seu vagabundo, safado”, afirmou d’Avila, aos berros, em seção na ALESP.

Frederico d’Avila, conhecido por sua atuação na agricultura – setor em que ocupou diversos postos muito antes de candidatar-se a deputado estadual em 2018 –, ficou extremamente irritado com o Arcebispo Dom Orlando, o qual utilizou o sermão na Basílica de Nossa Senhora Aparecida, no dia da solenidade da Padroeira do Brasil, para dar “recadinho para o Presidente e para a população brasileira”.

“Você acha que é quem para ficar usando a batina e o altar para ficar fazendo proselitismo político?”, questionou Frederico.

O desabafo do Deputado Estadual deu-se após o arcebispo de Aparecida (SP), Dom Orlando Brandes, afirmar na terça-feira (12) que “para ser pátria amada não pode ser pátria armada” durante a missa das 9h, a principal do dia no santuário.

A utilização do sermão para abordar temas políticos de viés esquerdista vem sendo recorrente por parte de Dom Orlando. Já em 2019, criticou o “dragão do tradicionalismo” e disse que a “direita é violenta e injusta”. Em 2020, Dom Orlando Brandes criticou a volta da impunidade e também as queimadas em biomas como Amazônia e Pantanal.

Falas parecidas com as de Dom Orlando, não raras vezes, são ouvidas em sermões de bispos brasileiros ligados à teologia da libertação. A consequência não poderia ser outra: “A CNBB é um câncer, um câncer que precisa ser extirpado do Brasil”, arrematou Frederico d’Ávila.

O Deputado deixou claro que suas críticas não são contra a Igreja Católica, mas contra essa polarização esquerdista que Dom Orlando representa.

É Dom Orlando… quem semeia ventos, colhe tempestades!