InícioNotícias da IgrejaDeus quer conviver conosco!

Deus quer conviver conosco!

Published on

Se o Menino Jesus nos presenteasse com algum objeto feito pelas suas próprias mãos, não nos daria um dom mais precioso do que nos concedendo uma só graça…

Visao de Dionisio Rickel 696x500 1

Redação (26/10/2023 11:30, Gaudium Press) Trabalhos, preocupações, infortúnios, conquistas, sonhos de realização e distrações de toda ordem muitas vezes tomam por completo a nossa atenção, imergindo-nos em uma viciosa e constante dissipação…

Ora, diz a Escritura: “Non in commotione Dominus” (I Rs 19, 11), o Senhor não está na agitação. Absortos pelo tumulto das ocupações terrenas, acabamos por nos afastar de Deus, esquecendo-nos de que não estamos nesta terra por outro motivo que conhecê-Lo, servi-Lo e amá-Lo.

Nossa alma é um solo sagrado no qual o Altíssimo semeia sua graça (cf. Mt 13, 18-23), mas cuja fertilidade ou aridez depende de nosso cuidado. E esse cuidado não exige que abandonemos nossos deveres diários, mas que saibamos, em meio a eles, elevar os nossos corações.

Mais precioso que um presente do Menino Jesus

É comum às nossas mentes “industrializadas” imaginar que Deus possui um arsenal de graças já criadas, agrupadas e armazenadas por “categorias”, prontas para serem derramadas sobre nós de acordo com certas necessidades predeterminadas como, por exemplo, uma doença ou a perda de um ente querido…

A boa Teologia católica nos ensina, porém, que Deus cria para cada pessoa e a cada circunstância suas graças, que são específicas e únicas. São presentes feitos, por assim dizer, sob medida e personalizados para cada um de nós. Se o Divino Menino Jesus, na oficina de São José, fabricasse algum artigo de madeira e com ele nos presenteasse, não nos daria um dom tão precioso quanto ao nos conceder uma graça!

O cultivo das graças que recebemos é, pois, um ponto central para nossa vida espiritual. Correspondendo com amor a essas carícias divinas, logo nos conformaremos com Deus e nos santificaremos, ao passo que, desprezando-as, acabaremos por nos tornar verdadeiros ateus práticos a caminho da perdição.

Elevação de espírito e transcendência

Cuidar bem do tesouro da divina graça e, sobretudo, estar com a alma sempre aberta para recebê-la, supõe de nossa parte uma predisposição. Com efeito, o Senhor não lança pérolas aos porcos (cf. Mt 7, 6), e pouco Se comunica com aqueles que não dão valor à vida sobrenatural.

A voz da graça, ademais, não agride o livre-arbítrio humano; ela não brada, mas sussurra no fundo das almas. Aquelas que estão atentas aos alaridos do mundo não são capazes de ouvi-la nem lhe podem, por isso, obedecer.

Predispor-se para corresponder a esse dom celestial significa manter o espírito recolhido, não apenas nos momentos de oração ou meditação, mas especialmente durante os nossos afazeres, nos quais costumamos gastar a maior parte do tempo. Não é justo que dediquemos ao Senhor apenas uma parte de nossa atenção; Ele tem direito sobre toda a nossa existência! Sem deixar, então, de dar “a César o que é de César”, devemos dar “a Deus o que é de Deus” (Mt 22, 21).

Ora, como podemos fazer isso? Transcendendo o nosso entendimento das coisas materiais para as realidades sobrenaturais. As tarefas práticas, desde que não contrárias à moral e feitas com a devida impostação de espírito, podem sempre servir de pretexto para pensarmos em assuntos mais elevados e, portanto, darmos à graça ocasião de nos transformar. Assim como tudo é mau para quem tem a mente corrompida (cf. Tit 1, 15), tudo tem relação com Deus para quem O ama verdadeiramente.

O maior exemplo da História

Um preciosíssimo exemplo desse recolhimento deixou-nos, há mais de dois mil anos, a própria Mãe do Criador, a Sede da Sabedoria, o Espelho de todas as perfeições divinas: Maria Santíssima.

Conforme nos narra uma sã tradição, desde a mais tenra infância Ela, que seria o Tabernáculo de Deus entre os homens, dedicou-Se ao serviço do Templo. Ali, submetia-Se a diversas funções, como limpar o recinto sagrado, costurar e bordar roupas e alfaias destinadas ao culto, conservar o material litúrgico.

Longe de Se distrair, porém, com tais obrigações, enquanto as executava Maria pensava em Deus e no Messias que haveria de vir. Tão grande era seu amor que tudo ao seu redor servia de ocasião para reportar-Se a seu Senhor, para Lhe dirigir uma súplica ou mesmo para consolá-Lo com o oferecimento de algum sacrifício, por pequeno que fosse. Estivesse Ela lendo passagens das Sagradas Escrituras, discernindo a ação da graça em uma alma, ou mesmo embevecendo-se com uma flor e contemplando o voo de um passarinho, sua alma encontrava-se sempre no convívio divino.

Mais tarde, tendo de cercar de cuidados e carinho o Divino Infante, e de Se ocupar, portanto, com o máximo zelo dos afazeres domésticos, nem por isso Ela Se entregou à agitação. Diz a Escritura: “Maria conservava todas essas palavras, meditando-as no seu Coração” (Lc 2, 19), pois sua principal atenção estava em servir a Jesus com sua caridade ardente.

Por esse estado de espírito, Nossa Senhora oferecia a Deus a possibilidade de realizar n’Ela maravilhas, de revelar-Lhe mistérios inefáveis e de Lhe comunicar a qualquer momento as torrentes de sua graça. Nessa escola de convívio, Maria atingiu a plenitude da união com o Criador, a ponto de tornar-Se, entre os homens, a própria presença d’Ele.

O gozo celeste vivido nesta terra

Pode parecer muito custoso, à primeira vista, a um homem do século XXI proceder como Nossa Senhora; entretanto, isso não corresponde à realidade. A via trilhada por Ela é simples e acessível a todo aquele que, de boa vontade, recomenda-se à sua maternal intercessão e se dispõe a caminhar sob as asas da sublimidade. Ademais, o próprio Deus é quem mais deseja e procura entrar em contato conosco constantemente! Basta que não fechemos os nossos corações e estejamos atentos aos convites que Ele nos apresenta todos os dias.

A partir do momento em que façamos esse simples esforço, experimentaremos em nosso interior a maior felicidade que se pode alcançar nesta terra: o contato de “alma a alma” com Deus, gáudio que apenas seu amor infinito e esta proximidade com Ele pode nos dar.

Roguemos, pois, ao Imaculado Coração de Maria que nos conceda luzes e forças para seguir seus passos e nos tornarmos dignos receptáculos da graça divina.

 

Texto extraído da Revista Arautos do Evangelho n. 250, out. 2022. Por Ir. Luísa Gurgel de Melo, EP.

 

The post Deus quer conviver conosco! appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Arquidiocese de São Paulo promove peregrinação ao Santuário Nacional de Aparecida

Esta é a 123ª edição do evento, que seguirá o lema “Maria, vem conosco...

6 em cada 10 católicos nos EUA são a favor do “direito ao aborto”

O centro de pesquisa Pew Research já havia identificado um grande número de católicos...

Prelado ortodoxo é apunhalado em igreja na Austrália

Um prelado da Igreja Ortodoxa Assíria foi esfaqueado nesta segunda-feira em Sydney, Austrália, enquanto...

3º Domingo da Páscoa: um convite ao verdadeiro amor

Amor, palavra que precisa ser devidamente compreendida, conforme nos propõe a Liturgia deste 3º...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...