Divina Misericórdia: Esta é a verdadeira história da imagem

Must Read

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a...



Esta imagem foi revelada à Santa Faustina em 1931 e o próprio Jesus lhe pediu que a pintasse. Depois, o Senhor lhe explicaria seu significado e o que os fiéis alcançarão com ela. Entretanto, Santa Faustina ao ver que a imagem, na sua opinião, “não refletia” toda a beleza de Jesus, mas ele a incentivou.

Três imagens significativas foram pintadas quando se começou a propagar a devoção à Divina Misericórdia. A primeira é a que se fez segundo indicações de Santa Faustina e pelas mãos de Eugenio Kazimirowski, concluída em 1934.

O segundo quadro foi feito por encargo da Congregação das Irmãs da Mãe de Deus da Misericórdia em 1942 e pelo artista Estanislao Batowski, mas, durante a insurreição de Varsóvia, a capela e a imagem foram consumidas pelo fogo. Em seguida, encomendaram ao artista que pintasse outra para a Capela da Divina Misericórdia em Cracóvia.

Nessa época, o pintor Adolfo Hyla chegou à casa de Cracóvia da Congregação com a proposta de pintar um quadro como voto por ter se salvado na guerra. Deram-lhe um santinho da Divina Misericórdia e as descrições de Santa Faustina. O pintor terminou o quadro em 1943 e foi abençoado na capela pelo Pe. Andrasz, confessor de Faustina.

Mais tarde, chegou a imagem de Batowski, mas somente o quadro de Hyla ficou na capela por recomendação do Cardeal Adan Sapieha, que o escolheu porque tinha sido pintado como voto.

Como o quadro de Hyla não entrava no altar à Misericórdia, na capela, o pintor fez uma imagem menor, que foi abençoada no Segundo Domingo da Páscoa de 1944 também por Pe. Andrasz. Em 1954, o artista repintou a tela, eliminando os prados e matas que havia feito, e colocou um fundo escuro com o chão sob os pés de Jesus.

Esta imagem de Hyla se tornou famosa pelas graças que os fiéis recebiam e a mais difundida pelo mundo. Desta maneira, cumpriu-se o pedido de Jesus a Santa Faustina: “Desejo que esta Imagem seja venerada, primeiramente, na vossa capela e, depois, no mundo inteiro”.

A revelação

Conta Santa Faustina em seu diário: “À noite, quando me encontrava na minha cela, vi Nosso Senhor vestido de branco. Uma das mãos erguida para a benção, e a outra tocava-lhe a túnica, sobre o peito. Da túnica entreaberta sobre o peito saíam dois grandes raios, um vermelho e o outro pálido”.

“Logo depois, Jesus me disse: Pinta uma imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: ‘Jesus, eu confio em Vós’. Desejo que esta Imagem seja venerada, primeiramente, na vossa capela e, depois, no mundo inteiro”.

Jesus assinalou: “Prometo que a alma que venerar esta Imagem não perecerá. Prometo também, já aqui na Terra, a vitória sobre os inimigos e, especialmente, na hora da morte”.

Outro dia, estando Santa Faustina em oração, Cristo lhe disse: “Os dois raios representam o Sangue e a Água: o raio pálido significa a Água que justifica as almas; o raio vermelho significa o Sangue que é a vida das almas”.

“Ambos os raios jorraram das entranhas da Minha misericórdia quando, na cruz, o Meu coração agonizante foi aberto pela lança. Estes raios defendem as almas da ira do Meu Pai. Feliz aquele que viver à sua sombra, porque não será atingido pelo braço da justiça de Deus”.

Santa Faustina contava tudo isso ao seu confessor, o atual Beato Pe. Miguel Sopocko, que designou ao pintor Eugenio Kazimirwoski para que realizasse a imagem segundo as indicações da santa.

“Quando fui à casa daquele pintor que estava pintando a imagem e vi que ela não era tão bela como é Jesus, fiquei muito triste com isso, mas escondi essa mágoa no fundo do meu coração”, escreveu Santa Faustina em seu diário.

“Imediatamente dirigi-me à capela e chorei muito. Eu disse ao Senhor: Quem vos pintará tão belo como sois? Então ouvi estas palavras: ‘O valor da imagem não está na beleza da tinta nem na habilidade do pintor, mas na Minha graça’”.

Fonte ACIdigital

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 × dois =

Latest News

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia de culto público. Bréscia – Itália...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a Maria para conduzir almas a...

“Morte ao Nazareno”: Novo grito de “Crucifica-o!”?

Declarar “morte ao Nazareno” é uma frase que demonstra um ódio total à Santa Igreja Católica e seus ensinamentos ao longo dos séculos. Redação (26/10/2020...

Papa no Angelus: o verdadeiro amor ao próximo baseia-se no amor a Deus

Não é verdadeiro amor a Deus o que não se expressa no amor ao próximo; não é amor verdadeiro ao próximo o que não...

More Articles Like This