Fátima não é apenas uma história que guardamos como troféu, expressa Dom Marto

Must Read

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a...



FATIMA, 22 Jun. 18 / 04:30 pm (ACI).- Ao refletir sobre o sentido de Fátima na atualidade, o Bispo de Leiria-Fátima, Dom António Marto, ressaltou que não se trata de “uma simples história datada que guardamos como troféu no espólio da memória da igreja”, mas seu significado ainda hoje ajuda a encarnar o Evangelho na humanidade.

“Como dom de Deus, Fátima oferece-nos uma mistagogia para o coração da boa nova, uma pedagogia da fé que incarna em cada tempo para trazer esperança à vida do crente e uma profecia que traz luz transcendente para a visão da história e da condição humana”, expressou o Prelado durante a abertura do Simpósio Teológico- Pastoral “Fátima hoje: que sentido?”.

O evento teve início nesta sexta-feira no Santuário da Cova da Iria e segue até domingo, com o objetivo de procurar novas maneiras de dizer Fátima no mundo contemporâneo e definir chaves de leitura significativas para a humanidade do século XXI.

“Se Fátima não diz outra palavra que a do evangelho, não podemos senão questionar sobre o seu sentido hoje como quem pergunta sobre a encarnação do Reino de Deus no hoje da nossa história”, ressaltou o Bispo, segundo o site do Santuário de Fátima.

Para Dom António Marto, que será criado Cardeal pelo Papa Francisco no próximo dia 28 de junho, sendo um dom de Deus, Fátima é também “responsabilidade eclesial” e, por isso, a igreja deve “escutar, questionar, deixar-se interpelar e levar ao mundo”.

“O seu sentido hoje há de ser procurado nos lugares das fragilidades humanas, nos muros que demarcam as fronteiras físicas e espirituais do desespero, nas modernas torres de babel que construímos para divinizar a vontade pessoal, nos barcos que povoam os mediterrâneos dos nossos tempos navegando a nossa falta de hospitalidade e a insensibilidade das nossas vidas acomodadas”, declarou.

Além disso, acrescentou que “o sentido de Fátima continua a se encontrar, sobretudo, nos gestos simples de uma igreja que pretende ser fiel ao Evangelho de Cristo pela proximidade, pela hospitalidade, pelo cuidado, pela misericórdia com que se diz o Reino dos Céus”.

Segundo o Prelado, “em cada periferia em que a igreja resgata o humano da exclusão e se oferece como hospital de campanha, encarna o espírito deste acontecimento evangélico que é Fátima”.

Dom António Marto recordou o centenário das aparições da Virgem na Cova da Iria, celebrado no ano passado, quando “milhões de peregrinos, vindos de todos os cantos da terra”, “trouxeram o colorido da sua identidade e da sua fé”.

Depois dessa acontecimento, indicou, Fátima “continua a ecoar uma palavra de sentido neste nosso tempo quantas vezes entorpecido na sua busca de sentido”.

Assim, “questionar o sentido de Fátima hoje significa, desde logo, tomar consciência desta multidão que não para de crescer e que reconhece em Fátima um marco na geografia da fé onde todos têm voz e vez”.

Nesse sentido, concluiu, “questionar o sentido de Fátima há de conduzir-nos à atitude adotada pelo Santuário como lema deste ano pastoral: dar graças pelo dom de Fátima”.

“Damos graças como quem compreende neste dom um desafio teológico e se compromete pastoralmente com a sua praxis, nomeadamente a praxis reparadora, no seu sentido mais profundo e global, isto é, de colaboração no amor misericordioso e reparador de Deus, para inverter a direção da história vencendo a espiral diabólica do mal, da violência e da guerra”, finalizou.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/fatima-nao-e-apenas-uma-historia-que-guardamos-como-trofeu-expressa-dom-marto-38590

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

1 + 13 =

Latest News

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia de culto público. Bréscia – Itália...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a Maria para conduzir almas a...

“Morte ao Nazareno”: Novo grito de “Crucifica-o!”?

Declarar “morte ao Nazareno” é uma frase que demonstra um ódio total à Santa Igreja Católica e seus ensinamentos ao longo dos séculos. Redação (26/10/2020...

Papa no Angelus: o verdadeiro amor ao próximo baseia-se no amor a Deus

Não é verdadeiro amor a Deus o que não se expressa no amor ao próximo; não é amor verdadeiro ao próximo o que não...

More Articles Like This