InícioNotícias da IgrejaMédico argentino condenado por não realizar um aborto retorna à prática

Médico argentino condenado por não realizar um aborto retorna à prática

Published on

Dr. Leandro Rodríguez agora pode exercer sua profissão de médico. Isso não se deve a uma vitória legal, mas sim porque ele cumpriu a pena injusta que lhe foi imposta.

Foto: Screenshot/ Youtube

Foto: Screeshot/ Youtube

Redação (23/04/2024 10:01, Gaudium Press) Após dois anos e quatro meses sem a possibilidade de exercer sua profissão, o médico argentino Leandro Rodríguez finalmente poderá retomar sua prática médica. Mas isso não se deve a uma vitória legal, mas sim ao cumprimento da pena injusta que lhe foi imposta após se recusar a realizar um aborto.

Segundo suas próprias palavras, “em 2017, ocorreu um episódio no hospital público onde trabalhava, na cidade argentina de Cipolletti, na Patagônia argentina. Na ocasião, atendi uma paciente em estado crítico devido a uma gravidez avançada, e tomei a decisão de interromper um processo de parto prematuro a fim de melhorar o estado de saúde do paciente”.

Com efeito, a paciente havia ingerido misoprostol para tentar um aborto clandestino. O procedimento de aborto não foi realizado pelo ginecologista devido aos riscos envolvidos tanto para a mãe, com mais de cinco meses de gravidez, quanto para o bebê. Após estabilizar a mãe, a equipe médica decidiu que ela passasse por uma cesariana ao atingir sete meses e meio de gestação. O bebê recém-nascido foi então encaminhado para adoção.

“Essa ação foi interpretada pela Justiça, ou pelo Judiciário de Rio Negro, como tendo impedido a vontade da paciente de interromper a gravidez e, dessa forma, em 2019, fui condenado, e essa pena acaba de ser cumprida”, explicou brevemente em uma entrevista à EWTN News.

Rodríguez disse que todo esse período de espera “tem sido muito significativo” pela responsabilidade de representar “uma espécie de amostra do que pode acontecer se você não se submete às decisões arbitrárias do poder vigente”.

Declara também que toda essa experiência o levou a adotar um compromisso maior com o “cuidado da vida, a proteção da vida do nascituro e a proteção da mulher”.

O médico argentino não deixou de apontar a hipocrisia de alguns abortistas que dizem defender as mulheres: por ter sido vítima de estupro, sua história foi amplamente divulgada pela mídia local, retratando-a como a principal vítima nessa situação. No entanto, uma vez concluído o julgamento e proferida a sentença, essa mulher foi esquecida e ninguém mais se importou com seu bem-estar. Lamentavelmente, ela teve que buscar ajuda por conta própria para sobreviver.

Situações como essa deixam bastante claro “que os argumentos apresentados na época, afirmando que tudo isso era para proteger as mulheres, eram completamente falsos”. “O que tentaram fazer foi simplesmente destruir a vida de uma criança que agora está prestes a completar 7 anos e que está feliz em uma família adotiva que o acolheu e lhe proporciona o futuro que todos merecemos; e eles não conseguiram evitar isso”.

E continua: “A criança está viva, a mulher que foi vítima de tudo isso está bem, está saudável, então sob esse aspecto estou satisfeito porque a vida triunfou, a verdade triunfou, apesar das injustiças sofridas”.

Com relação ao seu futuro e carreira, Dr. Rodríguez confirma que continuará a trabalhar no setor privado, uma vez que “é difícil para ele regressar aos hospitais públicos”. Ele também reafirmou sua posição pró-vida, assegurando que, se encontrasse novamente em uma situação como a que o levou a julgamento, agiria da mesma forma.

“Quando fui condenado, e antes de ser condenado, esperavam de mim algum tipo de arrependimento, ou outra mensagem”, recorda. “Não. A mensagem é a mesma e com ainda mais convicção: a vida deve ser defendida, isso não se discute”; referindo-se aos médicos: “é o nosso momento, o tempo de fazer valer as nossas convicções, as nossas convicções morais, isso não é negociável”.

Ele conclui seu depoimento enfatizando que “a objeção de consciência é um direito fundamental que deve nos salvar, não devemos renunciar a ele e temos que defendê-lo hoje mais do que nunca”.

The post Médico argentino condenado por não realizar um aborto retorna à prática appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Quarta-feira da 8ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia) O Senhor tornou-se meu protetor e me conduziu para um...

Arquidiocese do México é consagrada ao Sagrado Coração de Jesus

A celebração, que ocorreu na Basílica de Guadalupe, na Cidade do México, teve por...

O mundo precisa da África

Por ocasião do 61º Dia da África, o Cardeal Parolin afirmou que África é...

Terça-feira da 8ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia) O Senhor tornou-se meu protetor e me conduziu para um...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...