Ministério da Saúde revoga portaria que facilitava prática do aborto

Must Read

Santa Úrsula

Úrsula nasceu no ano 362, filha dos reis da Cornúbia, na Inglaterra. A fama de sua beleza se espalhou...

29ª Semana do Tempo Comum – Quarta-feira

Primeira Leitura: Efésios 3,2-12 Leitura da carta de São Paulo aos Efésios – Irmãos, se ao menos soubésseis da graça que...

Arcebispo Australiano questiona Restrições do Governo a propósito da Covid-19

As pessoas estavam prontas para lampejos de esperança, mas não houve muita esperança oferecida às pessoas de Fé: as...


Uma importante iniciativa “pró-vida” que “põe certo freio na extensão da prática do aborto na rede pública hospitalar”, afirma professor especialista em Bioética.

 

Uma importante iniciativa “pró-vida” que “põe certo freio na extensão da prática do aborto na rede pública hospitalar”, afirma professor especialista em Bioética.

Brasília (1º/09/2020, 1300 – Gaudium Press) O Ministério da Saúde publicou no Diário Oficial de sexta-feira, 28 de agosto, uma portaria que dispõe sobre o aborto no Sistema Único de Saúde (SUS), em casos não puníveis. A disposição revoga alguns trechos de uma portaria anterior, de 2005, que abria brechas na legislação que favorecia a prática do aborto no Brasil.

Uma importante iniciativa “pró-vida” que “põe certo freio na extensão da prática do aborto na rede pública hospitalar”, afirma professor especialista em Bioética.

Aproveitava-se de casos de estupro para criar situações de comoção e condições para flexibilizar a legislação e facilitar o aborto

Segundo o coordenador do Movimento Legislação e Vida, Prof. Hermes Rodrigues Nery, “Essa portaria é uma importante iniciativa pró-vida que acaba desfazendo aquilo que foi feito pelos governos do PT com aquelas normas técnicas”.
Essas normas técnicas agora revogadas “favoreceram a extensão da prática do aborto na rede hospitalar pelo SUS, com dinheiro público, aproveitando-se dos casos de estupro para poder criar aquelas situações de comoção” e, assim, “alargar as condições para que a legislação flexibilizasse”, explicou Rodrigues Nery.

Uma importante iniciativa “pró-vida” que “põe certo freio na extensão da prática do aborto na rede pública hospitalar”, afirma professor especialista em Bioética.

A nova portaria põe freios na extensão da prática do aborto na rede pública hospitalar

O aborto é ilegal no Brasil e poucos casos são passíveis de despenalização: gravidez decorrente de estupro, risco comprovado de vida para a mãe e, mais recentemente, no caso de bebês diagnosticados com anencefalia.
Com a Portaria agora assinada, “o Ministro da Saúde Eduardo Pazuello acatou a sugestão da Associação Guadalupe que, em 13 de fevereiro de 2020, havia feito o pedido à Defensoria Pública da União para a revogação da Norma Técnica 1508/2005”, explicou o Professor Hermes Nery.

Para o Professor Nery, com essas medidas, estabelecidas esta nova portaria “reforça a penalização ao estuprador”. Além disso, ao permitir que “as mães possam ver o bebê no ultrassom” e fornecer a elas “informações sobre o risco do aborto”, permite que as mulheres possam “decidir se querem fazer ou não o aborto. E, é evidente que, elas tendo essas informações, elas acabam não abortando”, completou.

Segundo o Professor especialista em Bioética, a Portaria 2.282 é “uma importante iniciativa pró-vida do governo federal”, uma vez que “põe certo freio na extensão da prática do aborto na rede pública hospitalar, com dinheiro público”.
Nery historiou: que “o ato administrativo que oficializou a prática do aborto na rede pública hospitalar do País foi a Portaria 1145 (Humberto Costa), de 8 de julho de 2005, de vigência curta, até a edição da Portaria 1508, de seu sucessor Saraiva Felipe, chamada ‘a portaria do aborto’”.
“Foi esta a portaria revogada agora pelo Ministro Eduardo Pazuello”, recordou Nery. (JSG)

 

The post Ministério da Saúde revoga portaria que facilitava prática do aborto appeared first on Gaudium Press.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

15 + 14 =

Latest News

Santa Úrsula

Úrsula nasceu no ano 362, filha dos reis da Cornúbia, na Inglaterra. A fama de sua beleza se espalhou...

29ª Semana do Tempo Comum – Quarta-feira

Primeira Leitura: Efésios 3,2-12 Leitura da carta de São Paulo aos Efésios – Irmãos, se ao menos soubésseis da graça que Deus me concedeu para realizar...

Arcebispo Australiano questiona Restrições do Governo a propósito da Covid-19

As pessoas estavam prontas para lampejos de esperança, mas não houve muita esperança oferecida às pessoas de Fé: as piscinas e os Pet Shops...

Exposição dedicada a São João Paulo II é inaugurada em Roma

A exposição acontece por ocasião do centenário do nascimento de Karol Wojtyla, ficará aberta ao público até 2 de abril de 2021, aniversário de...

Bento XVI: silêncio, espera e desenlace

Bento XVI, figura sobre a qual os séculos futuros muito hão de falar, continua sendo personagem de proa das inquirições sem-fim que deixam todo...

More Articles Like This