15.2 C
São Paulo
segunda-feira, outubro 25, 2021

Nasceu-nos um Menino

A cada ano, no Natal, diferente é o contexto em que se celebra aquela Luz que um dia brilhou nas trevas.

Redação (24/12/2020 10:39, Gaudium Press) O caro leitor já se perguntou alguma vez por que razão Jesus veio ao mundo naquela época? Não poderia Ele ter nascido logo após o pecado de Adão e Eva? Ou, pelo contrário, por que não adiou sua vinda para cerca do fim do mundo, pouco antes da volta de Henoc e Elias?

Uma coisa, porém, é certa. Deus faz tudo perfeito. Logo, Jesus só pode ter nascido no momento mais adequado, em todos os sentidos. De fato, São Paulo nos ensina que Deus enviou seu Filho ao mundo “quando chegou a plenitude dos tempos” (Gl 4, 4).

Tão significativo foi o nascimento de Jesus, que dividiu a história da Humanidade em dois grandes períodos: antes de Cristo (A.C.) e depois de Cristo (D.C.). Não podia deixar de ser assim. Afinal, o que de mais importante poderia ocorrer na Criação do que a encarnação de Deus, e sua plenitude — em termos humanos — no Natal? A segunda Pessoa da Santíssima Trindade que se apresenta a nós, verdadeiro homem, na gruta de Belém.

Um dos títulos de Jesus é Emmanuel, palavra hebraica que significa Deus conosco. Como um termo tão simples pode conter uma verdade tão ampla, tão misteriosa, tão inabarcável por nós como essa?

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1, 14). Deus nos amou tanto que desejou que seu Filho estivesse bem perto de nós. E o Filho — Deus verdadeiro de Deus verdadeiro — tanto nos amou que se comprazia em se chamar “Filho do homem”, como lemos tantas vezes no Evangelho.

Ao nos aproximarmos de um presépio e contemplarmos a imagem do Menino Jesus, lembremo-nos desse amor que levou Deus a colocar-se ao nosso alcance, tornando-se uma criancinha, tão frágil, tão tenra; a passar nove meses no seio virginal de uma criatura humana, Maria Santíssima; a querer depender do carinho d’Ela; a desejar o amor maternal d’Ela; a dispor que esse amor maternal incidisse também sobre nós, pois no-La deu por Mãe.

Diante do Presépio com o Rosário

Todo Natal recorda essa Luz que brilhou nas trevas há dois mil anos. De cada vez a comemoração é feita com características próprias, com graças particulares, quase sempre relacionadas com a situação da Igreja e da Cristandade na respectiva época.

Com efeito, a Cristandade já celebrou mais de duas mil vezes o nascimento de Jesus, em circunstâncias diversas: festivas ou trágicas, agitadas ou tranquilas, gloriosas ou banais. Mas, qualquer que fosse a ocasião, sempre presente se fez uma paz sobrenatural que toca o coração de todos, a mesma paz que reinou naquela noite bendita do Natal de Deus humanado. Graça que não apenas nos lembra o Deus feito homem, mas nos convida também a nos elevarmos até Ele.

Neste ano de 2020, tantas tragédias se abateram sobre o mundo e a humanidade, desde catástrofes naturais até pandemia, que uma pergunta paira no ar sem encontrar resposta: o que nos aguarda? Que rumo tomarão os acontecimentos?

O futuro só Deus conhece. Todavia, de algo estamos certos: “Por fim meu Imaculado Coração triunfará” — prometeu Nossa Senhora. De nossa parte, esse triunfo pode ser apressado pela fidelidade à oração especialmente ao Santo Rosário, como Ela mesma pediu em Fátima. Poderoso meio para se alcançar as graças do Céu, não apenas em favor de cada alma, mas também dos povos e das nações, o Rosário tem papel determinante em momentos decisivos na história da Igreja.

Recolhidos diante do presépio, com o Terço na mão, peçamos que chegue logo esse dia bendito em que Maria, e por meio d’Ela, seu divino Filho, tenham seus tronos no coração de cada homem.

Texto extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho n.12, dezembro 2002.

The post Nasceu-nos um Menino appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias