Nossos irmãos, esses injustiçados

Must Read

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio...


Comentários à Liturgia do XXX Domingo do Tempo Comum. Há quem, no contexto de amar a Deus e ao próximo, ignore o papel fundamental da vida consagrada na Igreja, alegando ser inútil a existência de comunidades que só seguem “regrinhas” e vivem “fechadas em si” …, mas isso não é o que a Igreja pensa.

Redação (24/10/2020 15:03, Gaudium Press) O Evangelho apresentado pela liturgia deste domingo é tão rico quanto sucinto.

Sobre esta passagem (Mt 22, 34-40), São Cirilo de Alexandria comenta: “O Primeiro Mandamento ensina todo tipo de piedade; o amar a Deus com todo o coração é a causa de todo bem. O segundo mandamento inclui as boas ações que fazemos em favor dos outros seres humanos. O primeiro prepara o caminho ao segundo, e por sua vez se apoia no segundo. Pois a pessoa que se assenta sobre o amor a Deus, claramente também ama seu próximo, em todos os aspectos, como a si mesmo”.[1]

Portanto, é preciso primeiro assentar-se sobre o amor de Deus, para, em consequência deste, amar ao próximo.

Como esse verdadeiro amor ao próximo se distancia das conotações filantrópicas dos nossos dias!

Em muitos ambientes, ditos católicos, o amor ao próximo está praticamente divorciado do amor a Deus. Insiste-se em trabalhar para a construção de um mundo melhor (na utopia de que todas as classes sociais se igualem), vencer a globalização da indiferença, lutar para que os todos os homens tenham um digno salário, acabar com as injustiças e desigualdades… Que é isso, senão o “rodapé” do amor ao próximo? E as almas, e a virtude e a instrução católica? Mais uma vez nos deparamos com aquela célebre afirmação de São Paulo: “Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria” (1Cor 12, 3).

Seguir regrinhas inúteis ou fazer a vontade de Deus?

E tem mais. Há quem, neste contexto de amar a Deus e ao próximo, ignore o papel fundamental da vida consagrada na Igreja, alegando ser inútil a existência de comunidades que só seguem “regrinhas” e vivem “fechadas em si”; e que, em consequência disto, não amariam o próximo de fato.

Diante dessa visão unilateral, tantas vezes difundida em nossos dias, surge certa inquietação: os religiosos fiéis à Regra não estarão sendo os verdadeiros pobres injustiçados? Heróis no anonimato, que tudo deixaram para seguir o caminho da perfeição cristã; almas virgens que voluntariamente se fizeram pobres, a fim de se enriquecerem com a Graça de Deus.

É, pois, da vontade de Deus que estes sigam as regras de suas congregações, e disto temos grande exemplo nos dizeres do Poverello de Assis em carta endereçada aos frades de sua ordem, então nascente: “Quaisquer dos frades que não quiserem observar estas coisas (a Regra e a recitação do Ofício Divino), não os tenho nem por católicos nem por meus irmãos; tampouco quero vê-los ou com eles falar até que façam penitência. Digo isto de todos os outros que andam vagando, desdenhando a disciplina da Regra; porque Nosso Senhor Jesus Cristo deu sua vida para não quebrantar a obediência de seu santíssimo Pai.”[2]

As obras de apostolado externo não são as mais importantes

Ademais, defender que alguém só ama a Deus quando se compromete a realizar obras sociais e apostolado externo contraria diretamente o ensinamento da Igreja, que sempre nutriu a importância de congregações destinadas à oração e à vida contemplativa. Assim nos ensina São João XXIII: “Apraz-nos afirmar que a Igreja – tendo embora em grande estima as tarefas de apostolado externo, tão necessárias em nossos dias – atribui maior importância à vida consagrada a Deus e devotada à contemplação das coisas celestes, e isso nesta mesma época de demasiada efervescência da atividade humana.”

Continua o Papa do Concílio Vaticano II: “O apostolado verdadeiro e propriamente dito consiste em participar da obra de salvação de Cristo, coisa que não é possível fazer senão pelo espírito de oração e de sacrifício, – já que foi principalmente espargindo suas orações diante do Pai e Se imolando a Si mesmo que o Salvador remiu o gênero humano agrilhoado e opresso pelos pecados. De onde resulta que quem se esforça por seguir esta via de Cristo Salvador, mesmo que se abstenha de atividade exterior, exerce o apostolado de maneira excelente.”[3]

Tenhamos, portanto, respeito e veneração pelos religiosos e religiosas que nos mais diversos lugares rezam e se sacrificam pela humanidade.

Amemos a estes nossos próximos, “imitadores do Senhor” (Cf. II Leitura, Ts 1, 6), homens e mulheres tão próximos de Deus.

Sigamos, enfim, a regra que não só se aplica aos religiosos: todo apostolado exterior é fruto da vida interior; todo amor ao próximo só pode partir do amor a Deus.

Por Afonso Costa


[1] CIRILO DE ALEXANDRIA, Fragmenta in Matthaeum. In: Matthäus-Kommentare aus der griechischen Kirche. Editado por J. Reuss. Berlin: Akademie-Verlag. 1957. TLG 2074.037. In: La Biblia Comentada por los Padres de la Iglesia y otros autores de la época patrística. Marcelo Merino Rodríguez (Diretor da obra em espanhol); Madrid: Ciudad Nueva. 2006. v. Ib. p. 201.

[2] FRANCISCO DE ASSIS, Cartas dirigidas ao Capítulo Geral e a todos os frades. Escritos completos de São Francisco de Assis e biografias de sua época. Madrid: B.A.C. 1956. III ed. p. 58-59.

[3] JOÃO XXIII, Da carta “Causa praeclara”, 24 de set. 1962 (AAS, vol. LIV, n. 10)

The post Nossos irmãos, esses injustiçados appeared first on Gaudium Press.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 × um =

Latest News

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu em Lucera (Itália), a 6...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio de fazê-lo, senão pelo exemplo...

Por que o Advento?

Advento! O Natal se aproxima: É o maior acontecimento da História: o Verbo se fez carne e habitou entre nós Esperemos Jesus que vem...

Colégio de Cardeais tem 900 anos: veja sua história, números e curiosidades

O Consistório de hoje é o sétimo convocado por Francisco, eleva o número de presenças no Colégio Cardinalício para 229, 101 não-eleitores. Redação (28/11/2020, 11:50,...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet