InícioNotícias da IgrejaO que dar e pedir ao Menino Jesus?

O que dar e pedir ao Menino Jesus?

Published on

Este presente devemos oferecê-lo pela intercessão de Nossa Senhora pois, como oferecer algo como nós, a não ser por meio d’Ela? E se tudo fazemos por seu intermédio, por que não pedir um presente a Nosso Senhor também através de sua Mãe?

Foto: Arautos do Evangelho

Foto: Arautos do Evangelho

Redação (22/12/2023 20:15, Gaudium Press) Um Menino está para nascer em Belém! O que dizer desse acontecimento? Quando o Verbo Se encarnou e habitou entre nós, qual era a situação da humanidade? Com certeza, bastante parecida com a de nossos dias.

Entretanto, algumas almas opressas por essa situação sentiam que algo estava por acontecer e compreendiam que, ou o mundo acabaria, ou a Providência de Deus interviria. Essas almas tinham a sua desventura e a sua angústia levadas ao máximo na véspera do dia de Natal. Vivia-se o fim de uma era em seus estertores, mas na aparência da paz, e ninguém tinha ideia de qual poderia ser a saída.

Eis que, naquela véspera de Natal, tão terrivelmente opressiva para todos, numa gruta em Belém havia um casal de castidade ilibada; a Virgem Esposa, porém, seria Mãe. Nessa gruta, enquanto se rezava em profundo recolhimento, o Menino Jesus veio à terra!

Autêntica adoração

Os pastores, que relembravam a retidão antiga, vendo aparecer os Anjos cantando e anunciando-lhes a primeira notícia – “Glória a Deus no mais alto dos Céus e paz na terra aos homens de boa vontade” (Lc 2, 14 Vulg.) – encantaram-se e foram em direção ao Presépio, levando seus presentinhos ao Menino Jesus. Foi o magnífico ato de adoração inicial, o qual bem poderíamos chamar de ato de adoração da tradição.

Eles representavam a tradição da retidão pastoril. Levando uma vida recatada, à margem da podridão daquela civilização, aos pastores foi anunciado em primeiro lugar o grande fato: “Puer natus est nobis, et filius datus est nobis – Um Menino nasceu para nós, um Filho nos foi dado” (Is 9, 5).

Pouco depois, no outro extremo da escala social, chegava também uma caravana; era outra maravilha. Uma estrela peregrina no horizonte e, do fundo dos mistérios pútridos do Oriente, homens sábios, magos, cingindo a coroa real, deslocam-se de seus respectivos reinos.

Por fim, chegaram juntos à gruta, levando as três culminâncias dos respectivos países: ouro, incenso e mirra. E renderam outra adoração ao Menino Jesus. Já não era a tradição dos mais humildes, mas, sim, a dos mais elevados.

Esses reis, ápices da nobreza de seus respectivos países, traziam junto com a dignidade real uma outra elevada honra: a de serem magos. Eram homens sábios, tinham estudado com espírito de sabedoria e, no momento em que receberam a ordem “Ide a Belém, e ali tereis as vossas esperanças realizadas”, seus espíritos encontravam-se preparados por tudo aquilo que conheciam sobre o passado.

Logo irrompe a perseguição

De imediato, desencadeou-se a perseguição. A meu ver, não seria razoável, nessas circunstâncias, meditarmos no Natal sem tomarmos em consideração a matança dos inocentes, tragédia que acompanha tão de perto a celeste paz, a serenidade magnífica e toda cheia de sobrenatural do “Stille Nacht, Heilige Nacht”. Essa cruel matança tingiu de sangue a terra que mais tarde se tornaria sagrada, porque aquele Menino ali verteria seu Sangue Sacrossanto. Apenas Ele Se manifestou, a espada assassina dos poderosos moveu-se contra Ele; quando tais maravilhas se afirmaram, o ódio dos maus se levantou contra elas como uma corja.

Com frequência, a matança dos inocentes é considerada de um modo humanitário. Não há dúvida de que essa ponderação tem algum cabimento. Eles eram inocentes e foram mortos, trata-se de crianças covardemente trucidadas. Entretanto, essa apreciação justa e cheia de compaixão empana, no espírito moderno e naturalista, a consideração mais importante: aquele massacre era o prenúncio do deicídio pois, tendo recebido a informação de que nascera o Messias, o rei dos judeus teve a intenção de matá-Lo e, para isso, mandou assassinar todos os meninos!

Embora não tivessem plena consciência de ser Ele o Homem-Deus, de um modo ou de outro a intenção era atingir, senão Deus, pelo menos o seu enviado.

Ontem e hoje o mundo agoniza

Como a nossa vida é parecida com a dos homens que viveram na véspera do “Puer natus est nobis, et filius datus est nobis”! O mundo de hoje agoniza como agonizava o das vésperas do nascimento de Nosso Senhor. Tudo é desconcertante, loucura e delírio. Todos procuram aquilo que cada vez mais foge deles, como o bem-estar, a vidinha, o gozo infame, as trinta moedas com as quais cada um vende o Divino Mestre, que implora a defesa e o entusiasmo daqueles a quem Ele remiu.

É muito provável que nessas condições haja, pela vastidão da terra, algum homem a gemer por presenciar o mundo se desfazer; é o descalabro da Cristandade ou, hélas, a terrível crise na Santa Igreja imortal, fundada e assistida por Nosso Senhor Jesus Cristo, de tal maneira em declive que, se soubéssemos ser ela mortal, seríamos levados a dizer que está morta.

Eu me pergunto: não virá para nós um acontecimento enorme, talvez dos maiores da História – embora infinitamente pequeno em comparação com o Santo Natal –, que nos liberte também de todo o horror no qual estamos?

Presentes ao Menino Deus

Aos pés do Presépio, se Deus quiser, vamos celebrar o Santo Natal, e devemos levar nossos presentes ao Menino Deus, como fizeram os Reis Magos e os pastores. Entretanto, o que dar-Lhe? O melhor presente que Ele quer de nós é a nossa própria alma, o nosso coração! O Divino Infante não deseja nenhum outro presente de nossa parte a não ser este.

Alguém dirá: “Que pífio presente, eu dar a mim mesmo a Ele!” Não é verdade! Se Jesus nos receber em suas mãos divinas, nos converterá em vinho como fez com a água nas Bodas de Caná, e seremos outros. Digamos a Ele: “Senhor, modificai-me! ‘Asperges me hyssopo et mundabor: lavabis me, et super nivem dealbabor – Aspergi-me com hissope e eu ficarei limpo; lavai-me e tornar-me-ei mais alvo do que a neve’ (Sl 50, 9). Vosso presente, Senhor, é a criatura que Vos pede: aspergi-me, purificai-me!”

Ora, esse presente devemos oferecê-lo pela intercessão de Nossa Senhora pois, como oferecer algo como nós, a não ser por meio d’Ela? E se tudo fazemos por seu intermédio, por que não pedir um presente a Nosso Senhor também através de sua Mãe? Sem dúvida, o dom fundamental que devemos implorar é o seguinte: “Senhor, mudai o mundo! Ou, se não há outro meio, abreviai os dias cumprindo as promessas e as ameaças de Fátima! Mas, para perseverar pelo menos os que ainda perseveram, Senhor, tende pena deles, abreviai os dias de aflição e fazei vir o quanto antes o Reino de vossa Mãe”.

Enquanto estivermos cantando o “Stille Nacht, Heilige Nacht” e as demais canções sagradas do Natal, devemos ter bem presente o seguinte. A lembrança do fato ocorrido há dois mil anos é muito bonita e muito boa, sobretudo porque temos a convicção de que Nosso Senhor continua presente na sua Santa Igreja e na Sagrada Eucaristia, e que sua Mãe nos auxilia desde o Céu. Na terra, porém, é preciso pedir uma presença régia e vitoriosa do Divino Infante!

Podemos inclusive dar a este pedido uma outra formulação: “Ut inimicos Sanctæ Matris Ecclesiæ humiliare digneris, te rogamus audi nos! Senhor recém-nascido, que repousais nos braços de vossa Mãe como no mais esplendoroso trono que jamais houve nem haverá para um rei na terra, nós Vos suplicamos: dignai-Vos humilhar, rebaixar e castigar os inimigos da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, a começar pelos mais terríveis; e estes não são os externos, mas os internos! Tirai-lhes a influência, o prestígio, a quantidade e a capacidade de fazer mal”.

Em suma, peçamos a forma mais requintada da vitória de Nosso Senhor: o esmagamento dos seus adversários e a vitória de sua Mãe Santíssima!

Plinio Corrêa de Oliveira

Extraído, com adaptações, da Revista Dr. Plinio. n. 285 , dez. 2021.

 

 

The post O que dar e pedir ao Menino Jesus? appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Ucrânia: 3 sacerdotes e 2 diáconos ordenados no Seminário Redemptoris Mater

A cerimônia de ordenação teve lugar na Catedral da Exaltação da Santa Cruz em...

Relíquia de São Benno de Meissen é restituída à Catedral de Dresden

Depois de 500 anos, uma relíquia de São Benno de Meissen retorna a sua...

Quarta-feira da 11ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia) Escutai, Senhor, a voz do meu apelo. Sede meu amparo;...

São Romualdo, abade

O abade Romualdo, pai dos monges camaldulenses, desde muito jovem mostrou forte inclinação à...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...