InícioNotícias da IgrejaO que é a pretensão?

O que é a pretensão?

Published on

Ao contrário do que poderia parecer a alguns, o vício da pretensão não está vinculado à prosperidade econômica.

<a href="https://br.freepik.com/fotos-gratis/empresario-loiros-expressao-feliz_1030477.htm#query=orgulhoso&position=9&from_view=search&track=sph">Imagem de kues1</a> no Freepik

Imagem de kues1 no Freepik

Redação (02/09/2023 12:37, Gaudium Press) Em sentido lato, pretensão é o “ato ou efeito de pretender”. Contudo, podemos distingui-la em dois gêneros diferentes.

Em primeiro lugar, há uma acepção positiva, ou seja, a legítima atitude de um homem que, medidas as suas qualidades, aspira a um fim proporcionado a ele e emprega para isso os meios adequados.

Assim, um estudante de Medicina tem, por exemplo, o direito de pretender realizar-se nesta profissão e se tornar um médico experiente e bem-sucedido.

Na maioria dos casos, porém, tal termo é empregado em sentido negativo e até pejorativo. Por quê?

O vício da pretensão

Ao contrário do que poderia parecer a alguns, o vício da pretensão não está vinculado à prosperidade econômica. O rico não é necessariamente pretensioso, e para ser pretensioso não é preciso ser rico… Exemplo disso encontramos em São Lázaro, o amigo do Senhor, do qual diz a tradição tratar-se de um homem com muitas posses.

Tampouco se confunde com o desejo de perfeição e de grandeza, desde que estas se conformem à realidade.

A raiz da pretensão encontra-se no orgulho, fruto do desregramento interior do homem, pelo qual muitas vezes seus desejos tendem a objetivos que não lhe competem ou não estão ao seu alcance. Em virtude disso, ele passa a viver uma realidade imaginária, com a qual busca iludir a si próprio ou aos demais. Eis o pretensioso, na força do termo.

Há ainda casos em que o pretensioso de fato possui certas habilidades ou dotes, mas as exagera até extremos que já não são os reais, e começa a almejar sofregamente uma realização que não lhe cabe.

Então, como desejar ser grande sem cair nesses exageros?

Com efeito, peca-se por exagero e por defeito. A pretensão é o desvio por excesso, enquanto a pusilanimidade o é por falta, pois “assim como a presunção leva uma pessoa a exceder a capacidade de sua potência visando alvos grandes demais, assim também o pusilânime permanece abaixo da capacidade de sua potência, porquanto se recusa a visar o que é proporcionado a ela”.

Portanto, a atitude humilde e despretensiosa não consiste em recusar toda aspiração, mas sim em desejar o que lhe é devido, segundo a vontade de Deus.

Nesse sentido, a vida dos Santos nos dá uma contínua lição. Afinal, como negar que figuras como São Paulo, São Bernardo, Santa Teresa e tantas outras tenham aspirado, com sucesso, grandes metas? O que, porém, tornava suas obras não somente lícitas, mas plenas de mérito é que as cumpriram para a maior glória de Deus, sem desejo algum de realização pessoal. Eis o termômetro da pretensão.

Assim, se ambiciono o fausto para mim, sem dúvida a febre da pretensão começou a provocar seus delírios em meu interior. Contudo, se aspiro realizações – até desmesuradamente grandes – para a glória de Deus, não é a febre, mas sim o fogo do amor divino que abrasa minha alma.

Ora, como reconhecer se o que me move a fazer algo é a caridade ou o meu amor-próprio? Como saber se ajo pretensiosa ou despretensiosamente?

Os sintomas da pretensão

A agitação

“A agitação não é produzida somente pela pretensão, mas esta última produz sempre a primeira”.

Quando uma pessoa tem o mencionado vício, procura impor uma alta ideia dela mesma para si ou para os outros. E, em decorrência desse esforço de causar boa impressão, fica tensa e agitada.

Imaginemos, por exemplo, um orador que antes de proferir uma palestra começa a sentir uma estranha ansiedade. Não será esta o fruto de certa vaidade oculta, que anseia por realizar-se numa glória infundada? É o caso de se perguntar…

Ao contrário, a alma despretensiosa sabe medir-se: ela é aquilo que é, com suas qualidades e limitações, e a esse respeito “não se envergonha, não se aborrece”. Tal atitude interior gera uma enorme estabilidade.

A inquietação

Alguém poderia objetar: isso não é o mesmo que agitação? Não. Se um homem ganha na loteria uma grande fortuna, sem dúvida pode agitar-se. Ficará ele muito contente pelo acontecido, chegando talvez a perder o controle de suas primeiras reações após ouvir a notícia. Contudo, alguém dirá porventura que está inquieto? Não, porque a inquietação sempre se produz mediante algum medo.

Como o pretensioso tem receio de não conseguir realizar seus objetivos ou não encenar bem sua pseudorrealidade, aflige-se perante tão difícil tarefa. Ademais, pelo fato de nunca se contentar com a glória recebida, ainda que atinja determinado resultado, logo desejará obter o dobro. Como, porém, ele percebe instintivamente que há muito risco de não chegar a isso, inquieta-se.

Em síntese, enquanto a agitação provém do desejo de aparentar ser mais do que se é, a inquietação surge quando esse objetivo parece muito difícil de se alcançar, tornando iminente o fracasso.

Por outro lado, a alma despretensiosa experimenta em si uma grande serenidade, porque sabe que todo ser humano é contingente por natureza e que, sem o auxílio divino, suas obras nunca resultarão tão perfeitas quanto desejaria. Em consequência, faz tudo quanto está ao seu alcance, mas sem aflições. O que não for possível para si, o será para seu Senhor pois, afinal, “a Deus tudo é possível” (Mt 19, 26).

A irritabilidade

Da mesma forma que o pretensioso se inquieta diante da possibilidade de não outorgarem o devido valor à sua falsa imagem, quando percebe que seus projetos de realização foram maculados, ainda que levemente, ele é propenso a se irritar diante daquele fracasso.

Imaginemos uma pessoa que se julga de uma beleza não condizente com a realidade. Quando ouve uma crítica à sua aparência, irrita-se profundamente com o interlocutor pouco delicado.

Pensemos, ainda, em alguém que se considere o maior atleta de sua cidade. Caso enalteçam outro desportista em sua presença, irritar-se-á facilmente.

Por que essa irritação? Em sua alma a febre da pretensão tende a causar delírios de cólera.

Se, pelo contrário, a brisa suave da despretensão murmura em seu interior, saberá não se irritar diante dos ultrajes, os quais estarão sempre aquém daqueles sofridos, injustamente, pelo Redentor em sua Paixão. Por isso, à semelhança do Divino Mestre, o discípulo fiel torna-se “manso e humilde de coração” (Mt 11, 29). Ele é afável.

A desconfiança

“A pessoa que esconde algo está sempre desconfiada”. O pretensioso esconde sua falta de valor; assim, porque teme que os demais percebam sua farsa, desconfia de tudo e de todos.

Ele se parece a um homem que, por defeito de nascença, possuísse apenas uma orelha. Para remediar tal situação, mandaria confeccionar uma orelha de cera tão bem trabalhada que se aproximasse muito da natural. Contudo, bastaria que alguém o fitasse mais detidamente para que, ipso facto, se pusesse a desconfiar de que lhe estavam olhando a orelha postiça. O mesmo acontece com quem cria para si a máscara da pretensão.

Todavia, aquele que vive sem essa máscara deixa de estar continuamente preocupado consigo próprio e, de maneira perspicaz, aprende a analisar tudo com distância, frieza, tranquilidade e sem sobressaltos.

A “torcida”

O pretensioso quer vencer e, em seu “estádio interior”, está continuamente alimentado a torcida pela vitória. Nesse torcer, não se contenta com os resultados atingidos, mas quer sempre aumentar sua glória e seu prestígio: desejará vê-los dobrados, triplicados… até o infinito.

Imaginemos uma pessoa que goste, por exemplo, de ser considerada como alguém de conversa interessante. Suponhamos que, por meio de um esforço descomunal, repetindo coisas que ouviu de outros e imitando terceiros – uma porção de “orelhas de cera” –, consiga alcançar um resultado bem superior ao seu natural. Ele não se contentará, e logo quererá obter muito mais! Resultado: viverá em um estado permanente de “torcida”.

Entretanto, ninguém será melhor ou pior por “torcer” com maior ou menor intensidade. Trata-se mais de um sentimento irracional que de um meio lógico de atingir um fim.

Ao contrário, quem confia e tem fé, chegará a mover montanhas (cf. Mt 17, 20). Em síntese, o despretensioso não “torce”; ele reza.

A solução

Se o leitor constatar a existência de algum destes sintomas em sua alma, não se desespere. Antes, aumente sua confiança n’Aquele que não veio “chamar os justos, mas os pecadores” (Mt 9, 13) e peça-Lhe, por intercessão de sua Santíssima Mãe, que o livre dessa enfermidade, certo de que, por mais que demore, um dia a cura virá!

Texto extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho n. 237, setembro 2021. Por Thiago Resende Barbosa.

The post O que é a pretensão? appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

São Tomás Morus e São João Fisher

No dia 22 de junho a Igreja celebra a memória de São João Fisher,...

Sábado da 11ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia) Escutai, Senhor, a voz do meu apelo. Sede meu amparo;...

Cardeal Sarah: O ateísmo prático deve ser combatido, mesmo dentro da Igreja

“Há um ateísmo prático que tomou conta dos EUA e ameaça o bem comum....

Bebê recém-nascida abandonada em uma Catedral na Guatemala

Em meio à consternação e indignação, usuários das redes sociais comentam que pelo menos...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...