17.7 C
São Paulo
domingo, agosto 1, 2021

Ordenam na China o primeiro bispo sob o acordo com o Vaticano

priest-3621038-640

Em 23 de novembro, o novo bispo de Qingdao, Dom Thomas Chen Tianhao, de 58 anos, recebeu a consagração episcopal na catedral local dedicada a São Miguel. Ele é considerado um prelado “muito obediente à política religiosa do governo comunista” chinês, segundo informa a agência Asia News.

Asia News especifica que Dom Thomas Chen seria o primeiro prelado ordenado segundo as disposições do Acordo Provisório entre o Vaticano e a China para a nomeação de bispos, assinado em setembro de 2018 e que foi prorrogado por mais dois anos até outubro de 2022.

A celebração foi presidida por Dom Fan Xingyao de Linyi, presidente da Associação Patriótica Católica da China, entidade governamental comunista criada para controlar a Igreja Católica.

Os bispos concelebrantes foram Dom Yang Yongqiang, de Zhoucun, vice-presidente do Conselho dos Bispos da China; e Dom Zhang Xianwang de Jinan, vice-presidente de “Liang Hui”, a organização dupla que compreende o Conselho dos Bispos e a Associação Patriótica.

Alguns fiéis indicaram que a presença de vários membros de alto escalão da Associação Patriótica se deve ao fato de que “o novo bispo foi presidente da Associação Patriótica de Qingdao e desde 2010 é membro do Comitê Permanente da Associação Patriótica Nacional”.

Segundo especialistas no tema, esta seria a primeira ordenação episcopal seguindo as modalidades estipuladas no acordo provisório entre a China e a Santa Sé. Asia News indicou que “na consagração, a velha fórmula continuaria sendo usada, na qual se cita o mandato do Conselho dos bispos, mas não se menciona em nenhum momento o Papa nem a Santa Sé”.

O novo bispo é o sucessor de Dom Giuseppe Li Mingshu, que faleceu em junho de 2018.

Devido às limitações impostas pela pandemia do coronavírus, a celebração não pôde ser aberta a todos, mas compareceram 21 sacerdotes e mais de 200 religiosos e fiéis.

Dom Thomas Chen Tianhao nasceu em Pingdu (Shandong), em 1962. Estudou no Seminário do Espírito Santo, em Shandong, e recebeu a ordenação sacerdotal em dezembro de 1989. Segundo os dados oficiais, foi eleito e nomeado Bispo de Qingdao em 19 de novembro de 2019.

Acordo Vaticano – China

Em outubro, a Santa Sé e a República Popular da China prorrogaram por mais dois anos, até 22 de outubro de 2022, o Acordo Provisório para a Nomeação dos Bispos, aprovado em 22 de setembro de 2018, em Pequim.

Segundo o acordo, a Santa Sé readmitiu em plena comunhão eclesial os bispos “oficiais” ordenados sem mandato pontifício na China.

Apesar do acordo, o regime comunista chinês não abandonou a perseguição religiosa contra os católicos em diferentes partes do país.

Em um artigo publicado em 22 de outubro em L’Osservatore Romano, o jornal oficial do Vaticano, explica-se que a renovação é “uma ocasião propícia para aprofundar os objetivos e motivos”.

“O objetivo principal do Acordo Provisório sobre a nomeação de Bispos na China é apoiar e promover a proclamação do Evangelho naquelas terras, reconstituindo a unidade plena e visível da Igreja”, acrescenta.

Ao mesmo tempo, pontua-se que com o Acordo “não foram tratadas todas as questões ou situações em aberto que ainda suscitam preocupação para a Igreja, mas exclusivamente o tema das nomeações episcopais”.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.

Via ACI Digital

- Advertisement -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Ultimas Notícias