Os Evangelhos são o coração das Sagradas Escrituras

Must Read

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio...


book-1209805-640

O Novo Testamento se inicia por quatro livros que têm o mesmo título: Evangelho, que deriva da palavra grega evangélion, que significa originalmente “boa notícia”. Esses livros são o coração das Sagradas Escrituras, porque são os principais testemunhos da vida de Jesus Cristo. O nome de cada Evangelho indica seu vínculo com a missão apostólica, pois não são uma biografia completa da vida de Jesus Cristo, mas sim testemunhos de Seus seguidores. Vez ou outra, esses testemunhos narram os mesmos fatos e trazem pequenos detalhes que se diferenciam entre si. Ao contrário de causar confusão, essas diferenças devem ser instrumento de uma ampla compreensão, pois é como ouvir a mesma história de pessoas diferentes, onde cada detalhe foi melhor percebido por cada um.

Quando Jesus estava em Cafarnaum, os Evangelistas Mateus (Mt 8, 5-13) e Lucas (Lc 7, 1-10) narram a fé do centurião que pediu o milagre da cura de seu servo. Lucas nos diz que “o centurião mandou alguns anciãos dos judeus” e depois “o centurião mandou alguns amigos”. Já Mateus conta que “um centurião aproximou-se dele”. O contexto histórico nos leva a crer que, de fato, o centurião não foi pessoalmente até Jesus. É que Lucas narrou a passagem de forma mais literal, enquanto Mateus interpretou a representação da atitude do centurião.

A riqueza das Sagradas Escrituras

Se analisarmos com clareza, podemos ver que Lucas descreve que os anciãos pediram pelo centurião com insistência e disseram que “ele até construiu uma sinagoga para nós”. Nesse ponto, nenhum de nós entendeu que, literalmente, o centurião pôs-se a trabalhar e erguer os muros da sinagoga. Na verdade, ele mandou que os servos a construíssem. A mesma força de expressão é usada por Mateus ao dizer que o centurião se aproximou de Jesus. Ainda analisando o contexto histórico, devemos considerar que o centurião era romano, chamados de gentios pelos judeus. E o judeu que entrasse na casa de um gentio estaria contaminado (Jo 18, 28). A fé do centurião se torna ainda mais evidente neste ponto, pois demonstrou empatia e compreensão em relação à origem judia de Jesus, dispensando que Ele fosse até sua casa. Também reforça sua humildade, colocando-se em posição de indignidade perante o Cristo.

“Não sou digno de que entres em minha casa”, disse o centurião. Pessoalmente ou através de seus amigos, não altera a profissão de fé. Tanto que Jesus se admira por tamanha fé. A passagem destaca a universalidade do Evangelho na relação entre o alto servo romano e os judeus, sejam os anciões ou o próprio Cristo. Jesus, como Mateus relata outras vezes, afirma que os milagres se realizam segundo a fé daquele que crê. A Liturgia coloca em nossos lábios essa valiosa oração antes de recebermos a Comunhão, para que compartilhemos da fé e humildade do centurião ao recebermos o Cristo.

Oportunidades de conhecermos em profundidade os testemunhos

Ao aprofundarmos nossas reflexões nessas passagens, saibamos que aquele milagre não se resume em curar um servo a pedido de seu senhor. Um centurião romano – normalmente – oprimia o povo sobre o qual governava. Diferente disso, aquele homem que se apresentou a Jesus tinha um coração justo, acolheu o povo sobre o qual tinha autoridade, respeitou suas crenças e era bom com eles: “ama o nosso povo”, foi o que disseram os anciãos judeus. O centurião tinha um alto cargo político, mas reconheceu em Jesus a autoridade divina. Ainda, seu pedido a Jesus não foi para si próprio, mas para um de seus servos, mostrando misericórdia. Saibamos reconhecer esses méritos do centurião, e assim entender em profundidade a admiração de Jesus, que conhece o que há em nossos corações e sabia que não era um simples pedido, mas uma prece sincera de um homem bom e justo.

Em todo o Evangelho, a coincidência entre as passagens no permite conhecer com maiores detalhes as ações e os ensinamentos de Jesus Cristo. As pequenas diferenças entre elas, longe de confundir, são oportunidades de conhecermos em profundidade os testemunhos, possibilitando analisar o que cada Evangelista testemunhou e compartilhou desses momentos. Que a Luz do Espírito Santo nos possa instruir na leitura das Sagradas Escrituras, para que possamos compreendê-La com clareza e profundidade. Que assim seja!

Referências:

BÍBLIA SAGRADA. Tradução da CNBB, 18 ed. Editora Canção Nova.

Por Luis Gustavo Conde, via Canção Nova

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 + cinco =

Latest News

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu em Lucera (Itália), a 6...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio de fazê-lo, senão pelo exemplo...

Por que o Advento?

Advento! O Natal se aproxima: É o maior acontecimento da História: o Verbo se fez carne e habitou entre nós Esperemos Jesus que vem...

Colégio de Cardeais tem 900 anos: veja sua história, números e curiosidades

O Consistório de hoje é o sétimo convocado por Francisco, eleva o número de presenças no Colégio Cardinalício para 229, 101 não-eleitores. Redação (28/11/2020, 11:50,...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet