InícioNotícias da IgrejaOs homens procuram a paz e não a encontram

Os homens procuram a paz e não a encontram

Published on

“Vós, Senhor Jesus, Deus humanado, sois entre os homens o Príncipe da Paz. Sem Vós a paz é uma mentira e, afinal, tudo se converte em guerra”.

Foto: Arautos do Evangelho

Foto: Arautos do Evangelho

Redação (12/12/2023 17:36, Gaudium Press) É impossível meditar sobre o Natal sem vir-nos à mente – e, quase diríamos, aos ouvidos – as luminosas e harmoniosas palavras com as quais “uma multidão do exército celeste”, aparecendo de súbito junto ao Anjo que anunciava aos pastores o nascimento do Redentor, louvava a Deus, proclamando: “Glória a Deus no mais alto dos Céus e na terra paz aos homens de boa vontade” (Lc 2, 13-14). Este anúncio, tão cheio de simplicidade que até uma criança o pode compreender, encerra verdades muito profundas.

Afinal, o que é a paz?

Quantas vezes ouvimos falar de paz durante este convulsionado ano prestes a findar-se! Entretanto, pouco temos ouvido da “glória a Deus no mais alto dos Céus”; e vemos cada dia menos homens “de boa vontade”, cheios de amor ao próximo, bem-dispostos em relação uns aos outros.

À vista disto, perguntamos: Por que os homens querem tanto a paz e não a encontram? O que é, concretamente, a paz?

Alguns a consideram uma situação de bem-estar sem enfermidades, adversidades, riscos; uma situação na qual se possa fazer em ininterruptos deleites todo o percurso da vida terrena. Para esses, a glória de Deus nada tem a ver com a paz na terra. São homens e mulheres plasmados pela mentalidade de que essa glória é algo totalmente insignificante.

Ora, não se pode dissociar da glória de Deus a paz na terra. Se os homens não derem a Deus a glória devida, a consequência evidente é que não haverá paz no mundo. Quando a adoração ao dinheiro, a divinização das massas, a desenfreada procura dos prazeres, o domínio despótico da força bruta, enfim, quando o paganismo em todos os seus aspectos vai invadindo a face da terra, a consequência é a falta de paz na qual vivemos. Buscamos a paz e não a encontramos, ela se recusa a habitar conosco.

Voltemos os olhos para o Menino Deus

À vista de tudo isso, acabamos sentindo em torno de nós um abismo entre o ideal e a realidade do que vivemos. Na nossa mente confrontam-se a justiça e a injustiça, o bem e o mal, a virtude e o pecado.

Aparentemente, hoje chegamos a conquistar o mundo inteiro. A ciência e a técnica nos pervadem, prestando numerosos serviços práticos. Máquinas e mais máquinas exercem funções que surpreendem. Contudo… não temos tranquilidade, a moralidade escasseia, a honradez tornou-se uma raridade e, sobretudo, falta-nos a fé.

Um velho psiquiatra comentava-me que até os enfermos, perdendo a religiosidade, não têm paz de alma. A inquietação corrói os corações de nossos contemporâneos. Esforçamo-nos em excogitar como obter uma correta disposição de todas as coisas da vida terrena e, para isso, nada melhor do que volver nossos pensamentos à noite de Natal.

Deixemos nossos ouvidos se extasiarem com este cântico, de todos conhecido e tantas vezes recitado: “Noite de paz, noite de amor, tudo dorme em derredor”. É o Stille Nacht, que nos eleva, cada ano, em sua manifestação de compaixão para com o Menino Deus recém-nascido, como a nos dizer: é tão pequeno este Deus infinito, é tão infinito este Deus pequeno. Quando a ouvimos ou cantamos, essa bela canção de Natal nos inspira movimentos interiores de ternura e de respeito.

Voltemos os olhos para o Divino Infante. Disse Plinio Corrêa de Oliveira, um grande católico do século passado: “Vós, Senhor Jesus, Deus humanado, sois entre os homens o Príncipe da Paz. Sem Vós a paz é uma mentira e, afinal, tudo se converte em guerra”. Nós O veremos nos presépios, durante o tempo de Natal, na augusta pobreza de uma gruta, junto da Virgem Maria, sua Santíssima Mãe, e de São José. Poderemos contemplá-Lo na debilidade de um bebê posto numa manjedoura, quão tosca e pobre!

Aí está quem nos convida a transformar o curso da História dos homens, a sair do impasse que nos enche de tristeza. Convidando-nos às vias da austeridade, do amor à cruz, da justiça ante todo tipo de iniquidades, de desapego dos prazeres ilícitos, à pureza de vida num mundo cheio de depravações.

A paz deve ser construída nos corações

Se a humanidade caminhasse no cumprimento da Lei de Deus, logo cessaria esta crise moral, esta crise de fé, esta crise religiosa. A responsabilidade está em nós mesmos. Que se produza em cada um de nós uma metanoia, uma mudança de mentalidade. Sem isso, resultará vão tudo quanto se intente.

E quando nos inclinarmos diante do presépio, olhando com encanto as pequenas imagens da Sagrada Família, e sentirmos como Deus quis pôr-Se a nosso alcance, peçamos com confiança por nossa reforma pessoal e pela do próximo. Então, sim, estaremos certos de que haverá solução para a crise contemporânea.

“Em primeiro lugar” – afirmou Bento XVI –, “a paz deve ser construída nos corações. De fato, é neles que se desenvolvem sentimentos que podem alimentá-la ou, ao contrário, ameaçá-la, enfraquecê-la, sufocá-la”. E acrescentou sabiamente: “Aliás, o coração do homem é o lugar das intervenções de Deus”.

Na Santa Missa, os fiéis rezam em coro ao aproximar-se o momento da Comunhão: “Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, dai-nos a paz”. Que o Menino Jesus, a Virgem Maria e São José derramem sobre todos nós suas bênçãos, encham nossos corações das santas e puras alegrias do Natal, dando-nos a paz verdadeira: a paz de Cristo.

Texto extraído, da Revista Arautos do Evangelho, n. 204, dezembro 2018. Por Pe. Fernando Néstor Gioia Otero, EP.

The post Os homens procuram a paz e não a encontram appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Médico argentino condenado por não realizar um aborto retorna à prática

Dr. Leandro Rodríguez agora pode exercer sua profissão de médico. Isso não se deve...

Israel: Basílica de Todas as Nações celebra seu centenário

O apelido de ‘Igreja de Todas as Nações’ surgiu pois ela foi construída com...

Fruta verde não agrada o paladar

O homem maduro é aquele capaz de, com sua inteligência, vontade e sensibilidade, produzir...

Dever de pastor e dever de ovelha

Ninguém escapa à regra. Sendo pastor ou ovelha, qual a nossa obrigação? Redação (21/04/2024 11:57,...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...