InícioNotícias da IgrejaQuais são os doze frutos do Espírito Santo?

Quais são os doze frutos do Espírito Santo?

Published on

A alma que se deixa inundar pela ação do Espírito Santo não tardará em produzir frutos de santidade, que espargirão ao seu redor o bom odor de Cristo.

Captura de Tela 2020 05 27 às 09.40.17

Redação (19/05/2024 08:48, Gaudium Press) Qual navio batido pelas ondas na procela, a alma sente neste vale de lágrimas os falaciosos atrativos da carne, convidando-a ao naufrágio.

Mas, aos olhos do bravo navegante que, em vez de desanimar, ergue a vista à busca da salvação, sempre está a brilhar um farol.

Dada a nossa natural insuficiência, agravada pelas consequências do pecado original, torna-se indispensável o auxílio divino para completarmos a árdua corrida rumo à eterna bem-aventurança.

E o Espírito de Amor vem sempre em socorro da nossa fraqueza, com suas graças e dons. Ele não cessa de interceder por nós “com gemidos inefáveis” (Rm 8, 26).

Desse modo, alma inteiramente dócil à moção do Espírito Santo torna-se forte como uma sequoia, florida como um ipê e generosa como a videira.

Mas se, pelo contrário, deixa-se dominar pelos impulsos da carne, se embrutece, se enfeia e se reduz à esterilidade. Carne e espírito são realidades, em certo sentido, incompatíveis.

Os doze principais frutos do Espírito Santo

Doze fruto Espirito Santo

Considerando os frutos do Espírito todas as obras virtuosas com que nos comprazemos, sua enumeração deveria ser muito extensa. Entretanto, o Apóstolo distingue apenas doze em sua Epístola aos Gálatas: “O fruto do espírito é a caridade, a alegria, a paz, a paciência, a longanimidade, a bondade, a benignidade, a mansidão, a fidelidade, a modéstia, a continência, a castidade” (Gl 5, 22-23).

São Tomás classifica os frutos enumerados pelo Apóstolo conforme os diferentes modos pelos quais o Espírito Santo procede conosco.

Os três primeiros frutos do Espírito Santo — caridade, alegria e paz — ordenam a alma em si mesma em relação ao bem, enquanto a paciência e longanimidade o fazem em relação ao mal.

Bondade, benignidade, mansidão e fidelidade a ordenam em relação aos outros; e modéstia, continência e castidade, em relação àquilo que lhe é inferior.

Caridade

A caridade é o primeiro fruto do Espírito Santo. Nela, o Paráclito dá-Se de forma toda particular “como em Sua própria semelhança”, uma vez que, no eterno e inefável convívio entre as três Pessoas da Santíssima Trindade, Ele é o Amor substancial do Pai para com o Filho, e do Filho para com Pai.

Quando uma alma é cumulada pela seiva divina do Espírito de Caridade, o amor a arrebata e transforma por completo.

Maria madalenaAssim aconteceu com Santa Maria Madalena, a pecadora pública perdoada e restaurada a ponto de encabeçar a lista das virgens invocadas na Ladainha de Todos os Santos.

Tocada por um amor corajoso, não hesitou ela em comprar os melhores perfumes e, alheia ao respeito humano, lançar-se aos pés de Jesus, lavá-los com suas lágrimas e enxugá-los com seus cabelos.

Foi uma manifestação de amor veemente, exclusivo e — quase se diria — irrefletido, por não medir esforços nem calcular consequências.

Bem podem se aplicar a ela as palavras de São Francisco de Sales: “A medida de amar a Deus consiste em amáLo sem medida”. Ou as de São Pedro Julião Eymard: “O que é o amor senão o exagero?”.

Note-se, entretanto, que a caridade nem sempre vem acompanhada de consolações para a alma que a pratica, pois, sendo uma virtude, reside na vontade, e não no sentimento.

Assim, “não se trata necessariamente de um amor sentido, mas de um amor intensamente querido; e tanto mais querido, nas almas fervorosas, quanto menos sensível for”.

A verdadeira prova da autenticidade da caridade é o fato de ela vir acompanhada de uma repulsa inteira ao pecado, pois diz Santo Agostinho: “Ficará demonstrado que amas o que é bom se vires em ti que odeias o que é mau”.

Não podemos esquecer, por fim, um fundamental desdobramento deste fruto do Espírito Santo, ensinado pelo próprio Cristo: “Amarás a teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22, 39).

Alegria

Corolário do amor a Deus e ao próximo é a alegria, “pois quem ama se alegra por estar unido ao amado. Ora, a caridade tem sempre presente a Deus, a quem ama, segundo o dizer da primeira Carta de João: ‘Quem permanece no amor, permanece em Deus, e Deus nele’ (I Jo 4, 16). Portanto, a alegria é consequência da caridade”.

Longe de se confundir com os gozos passageiros, provenientes de frivolidades ou de ações proibidas pela Lei de Deus, que logo se transformam em frustração, a alegria do Espírito Santo é toda sobrenatural e penetra até o fundo da alma.

Paz

“Mas a perfeição da alegria é a paz”, afirma o Doutor Angélico. Não há, pois, absolutamente nada que possa perturbar uma alma abandonada à ação do Espírito Santo, porque ela “têm consciência de estar na posse do único bem a que está apegada; sabe que possui a Deus; sabe-se amada por Ele ‘até a loucura’, apesar de sua miséria e, por sua vez, também ama a Deus sem medida”.

De fato, como a paz é procurada em nossos dias, e como parece escorregar de nossas mãos! Numa existência agitada e ruidosa, marcada a fundo pela violência e pelo pecado, tudo concorre para arrancar-nos a paz interior.

Como são atuais as palavras de Jeremias: “Exclamam ‘Paz, paz!’ quando não há paz” (Jr 6, 14).

Paciência

Depois de considerar os frutos do Espírito Santo que ordenam a mente para o bem, vejamos aqueles que a levam a atuar de forma correta perante a adversidade: a paciência e a longanimidade.

O primeiro nos torna inalteráveis ante os males iminentes; o segundo, imperturbáveis com a prolongada espera dos bens, dado que a privação destes já é um mal.

Derivada da fortaleza, a virtude da paciência “inclina a suportar sem tristeza de espírito nem abatimento de coração os padecimentos físicos e morais”.

Assim aconteceu com o justo Jó que, tendo perdido as riquezas, os filhos e a saúde, com a mesma atitude de alma continuava glorificando seu Criador: “O Senhor deu, o Senhor tirou: bendito seja o nome do Senhor!” (Jó 1, 21).

Quando o Espírito Santo produz em nossas almas esse fruto, tornamo-nos conformes à vontade de Deus; almejamos imitar o exemplo de Jesus Cristo e de Maria Santíssima na Paixão; compenetramo-nos da necessidade de reparar nossos pecados, purificando-nos no cadinho do sofrimento.

Longanimidade

Pela longanimidade, o Espírito Santo nos leva a aguardar com equanimidade, sem queixas nem amargura, os bens que esperamos de Deus, do próximo e de nós mesmos.

Não se trata de uma espera passiva e preguiçosa, mas sim de uma manifestação de coragem que se estende no tempo, de uma dilatada esperança que nos faz fortes de alma nas delongas espirituais.

Frutos de longanimidade vemos em abundância na vida de Santa Mônica, durante os muitos anos em que receava pela salvação eterna do filho Agostinho, transviado na imoralidade e na heresia. Sem nunca esmorecer na confiança, rezava persistentemente pela sua conversão. Deus, comprazido em contemplar nessa mãe exemplar os frutos que Ele mesmo semeara, deu-lhe a honra sublime de ter o filho elevado à condição de um dos grandes luminares da Santa Igreja.

Bondade

filho prodigoDepois de bem disposta a mente em relação a si mesma, cumpre ajustá-la em relação ao que lhe está ao redor: o próximo. Isto se dá, em primeiro lugar, pela bondade, isto é, pela “vontade de agir bem”.

Por efeito de nossa união com Deus, somos compelidos pelo Espírito Santificador a beneficiar os outros. Nossa alma como que se dilata e expande, a ponto de nos converter, de certa forma, em amor.

Jesus nos deixou registrado o paradigma dessa bondade na parábola do filho pródigo (cf. Lc 15, 11-32).

Deus é o pai que espera ardentemente o retorno daqueles que d’Ele se afastaram pelo pecado e se encontram enlameados e impregnados de mau odor. Fica ansioso, por assim dizer, de nos ver procurar um de seus ministros no misericordioso tribunal da Reconciliação, para nos perdoar, sarar nossas feridas espirituais e fortalecer-nos a fim de não reincidirmos nas mesmas faltas.

Benignidade

O fruto da benignidade se distingue ao da bondade por já ser, não só um querer, mas um praticar efetivo do bem.

Modelo desse amor que “se inflama em favor do próximo” foi São Vicente de Paulo. Pedia insistentemente a Deus que lhe desse um espírito benigno; e conseguiu, com a ajuda da graça, domar seu temperamento seco e bilioso, tornando-se cortês e afável.

Transformou-se a ponto de se lhe tornar natural uma polidez de trato maravilhosa, com palavras sempre amáveis para todo tipo de pessoas.

Mansidão

Uma terceira disposição da mente ao ordenar-se em relação ao próximo é a mansidão, pela qual refreamos a ira e suportamos com serenidade de espírito os males infligidos pelos outros.

Santa Teresinha do Menino Jesus nos dá belíssimos exemplos de mansidão perante impulsos de irritação, ensinando-nos a praticar esta virtude na vida cotidiana. Eis um deles:

Estando um dia as freiras trabalhando na lavanderia conventual, constituída por grandes tanques comunitários, aconteceu de uma irmã, por falta de atenção, lançar sobre a Santa uma chuva de água com sabão. Como é natural, isso lhe provocou um ímpeto de indignação. Mas, acalmada pela brandura do Espírito Santo, logo se conteve, recorrendo ao piedoso subterfúgio de imaginar que o Menino Jesus estava brincando com ela… esborrifando-lhe água e sabão.

Fidelidade

Como último fruto de nosso bom relacionamento com o próximo, temos a fidelidade, que nos faz “manter a palavra dada, as obrigações assumidas, os contratos estipulados”.

A fidelidade complementa a mansidão no sentido de que, se esta nos leva a não prejudicar o próximo pela ira, aquela nos conduz a não fraudá-lo nem enganá-lo.

Modéstia

Por fim, após ordenar-se a mente em face do que lhe está em volta, cumpre fazê-lo quanto ao que lhe é inferior, e isto se dá em primeiro lugar pela modéstia, “observando o comedimento em tudo o que diz e faz”.

Esta virtude mantém nossos olhos, lábios, risos, movimentos, enfim, toda a nossa pessoa, sem excluir nossos trajes, nos justos limites “que correspondem a seu estado, habilidade e fortuna”.

A modéstia exterior inclui também o dever positivo de revestir-se das roupas, gestos e atitudes próprias a edificar o próximo e dar glória a Deus.

Lê-se na vida de São Francisco de Assis um episódio que ilustra quanto o cumprimento desse dever pode produzir nas almas um efeito equivalente ou talvez maior que o de um sermão.

Certa vez, ele convidou um frade, seu discípulo, a acompanhá-lo:

— Irmão, vamos fazer uma pregação — disse-lhe.

Após percorrerem a cidade em silêncio, São Francisco retomou o caminho do convento. Sem entender o que se passava, o frade perguntou:

— Mas, meu pai, não dissestes que íamos fazer uma pregação? Aqui estamos de volta, e não proferimos uma só palavra… E o sermão?

— Já o fizemos. Não percebes que a vista de dois religiosos andando pelas ruas com estas vestimentas e em atitude de recolhimento vale tanto quanto um sermão? — respondeu o Santo.

Continência e Castidade

Também em relação ao que lhe é inferior — isto é, às paixões — ordenam o homem a Continência e a Castidade.

Segundo São Tomás, elas se distinguem uma da outra “quer porque a castidade nos refreia em relação ao que é ilícito, e a continência ao que é lícito, quer porque a pessoa continente sofre as concupiscências, mas não se deixa arrastar por elas, enquanto o casto nem as sofre e muito menos as segue”.

Com efeito, a alma que produz o fruto da castidade torna-se realmente angélica.

Muito ao contrário dos tormentos interiores de agitação e ansiedade, nos quais vive quem se entrega às paixões desordenadas, o casto já antegoza o Céu na terra.

Ela, assim, prepara a alma para essa castidade, pois “os que fazem tudo quanto é permitido acabarão por fazer o que não é permitido”.

Intercessão de Maria

Comenta o padre Royo Marín: “Quando a alma corresponde docilmente à moção interior do Espírito Santo, produz atos de excelente virtude, os quais podem comparar-se aos frutos de uma árvore”.

Recorramos a Maria, Esposa do Espírito Santo, pedindo sua poderosa intercessão, pois Ela é a via mais segura para transformar graminhas estéreis em frondosas árvores carregadas de frutos.

Textro extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho n.102, junho 2010.

The post Quais são os doze frutos do Espírito Santo? appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Pedrada no vitral

A mínima concessão ao mal conduz aos maiores horrores na vida de cada pessoa,...

São Luís de Gonzaga: modelo de santidade na juventude

A Igreja celebra, no dia 21 de junho, a memória de são Luís Gonzaga. ...

Sexta-feira da 11ª semana do Tempo Comum

SÃO LUÍS GONZAGA, RELIGIOSO (branco, pref. comum ou dos santos – ofício da memória) Quem tem...

Aumenta número de ordenações sacerdotais na França em 2024

A França contará com 105 novos sacerdotes em 2024. Um aumento de 20% em...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...