Quem não estiver bem ancorado, afundará…

Must Read

Missal Romano é traduzido para a linguagem dos sinais

A obra, que contou com a consultoria de pessoas com deficiência auditiva, irá auxiliar os surdos e mudos do...

Bangladesh: a devoção a Nossa Senhora é transmitida de geração a geração

Bangladesh: milhares de homens, mulheres e crianças participam de grupos que rezam o Santo Rosário em família para homenagear...

O Martírio de Santa Cecília

Por causa da perseguição aos cristão o Papa refugiava-se nas catacumbas. Uma jovem nobre o procurou e pediu o...


Diante do mar encapelado que abala a barca de Pedro, onde ancorar nossas esperanças? A autêntica devoção à Eucaristia e a Maria Santíssima são o único meio eficaz de atravessar as crises e o naufrágio.

Redação (11/09/2020 11:48, Gaudium Press) A Igreja parece estar paralisada.

Valendo-se de uma metáfora, a Igreja está em uma situação semelhante a de um homem que, em certo momento, vê-se privado de todos os seus sentidos externos: aos poucos deixou de ouvir; ficou destituído de qualquer olfato; nem mesmo tocar se lhe é permitido; ver? Antes de ter sido vendado, tudo era tão turvo quanto confuso, e, agora, sente-se cego. Ademais, encontra-se mudo.

Ou seja, os meios pelos quais a Igreja vivifica e santifica os batizados parecem inexistentes: os sacramentos ficaram relegados ao segundo plano.

A conjuntura mundial sugere, inevitavelmente, insegurança, medo e indecisão. Que rumos tomará a Igreja? As consequências do afastamento progressivo dos fieis face à liturgia, provocará sequelas dificilmente mensuráveis, pois sendo muito profundas e interiores, são atinentes à alma.

A Igreja acha-se em um mar encapelado. Todavia, haverá algum “cabo das tormentas” que possa vir a se chamar “boa esperança?” Os Lusíadas da Igreja, que cantarão? Os versos ainda estão sendo escritos…

Fato é que muitos fieis, genuflexos, rogam a Deus uma intervenção, posto que a situação aparenta ser sem saída, cujo desfecho provável é um naufrágio universal.

Neste sentido, salta aos olhos a narração – diríamos, de nossos dias — de um sonho contado por São João Bosco, num daqueles “Boa noite”, aos seus jovens do oratório.

O sonho de Dom Bosco

São João Bosco via um mar revolto no qual se travaria uma batalha encarniçada entre duas frotas; uma comandada pelo Papa e a outra, por infiéis.

Ambas as frotas estavam fortemente armadas, munidas de toda a espécie de petrechos e materiais mortíferos, tais como canhões, fuzis, peças variadas de artilharia, entre outros. Entre esses materiais, São João Bosco via também livros, jornais e revistas, pois dizia ele que também são armas mortíferas…

Porém, a frota do Papa constava de apenas quatro naus: a capitânia, comandada por ele próprio, e mais três outras que lhe faziam escolta e a protegiam contra as investidas do inimigo. A frota inimiga, entretanto, era gigantesca a ponto de se tornar incontável o seu número.

“As duas colunas”

Em determinado momento, surgem do mar duas fortes colunas. A primeira era coroada por uma imagem da Santíssima Virgem, com a inscrição: Auxilium Christianorum. A outra, visivelmente mais robusta, estava encimada por uma Hóstia e com a inscrição: Salus credentium.

O conselho de guerra

Vendo o Papa a grande desproporção que havia entre os seus fieis e os inimigos, convocou um conselho de guerra entre os seus capitães com o intuito de ver as possibilidades de investida. Porém, os ventos eram tão fortes que cada um decidiu voltar para a sua própria nau a fim de resguardá-la do perigo.

Acalmada a tempestade, o Papa voltou a chamar os seus capitães ao conselho, ao que, de imediato, a tempestade voltou com mais violência do que antes. O Sumo Pontífice, então, governou ele próprio o timão da nau em que estava, conduzindo-a às duas colunas  com a intenção de lá ancorá-la, e, assim, afastar para longe o perigo.

Ao ataque!

Vendo que o Papa se dirigira para as duas colunas, todos os inimigos se lançaram enfurecidos ao seu encalço com a intenção de matá-lo. Uns lançavam jornais incendiários, livros e revistas, e outros a danificavam com canhões e fuzis, abrindo uma brecha no seu casco.

Entretanto, por um misterioso vento que partia das colunas, a brecha foi fechada.

Sob novo ataque, porém, a brecha logo voltou a abrir-se e a embarcação ficou vulnerável a uma violenta abordagem feita pelos inimigos que, dizendo blasfêmias e maldições ao Pontífice, conseguiram feri-lo de morte e por fim o mataram.

A eleição do próximo Papa

Ufanos e com gritos de vitória, os maus festejavam a sua morte, porém por pouco tempo, pois, junto com a notícia da sua morte, chegou também a notícia da eleição do Novo Papa, feita pelos capitães em uma reunião.

O Papa, então, conduziu a embarcação às duas colunas e, finalmente, lá a ancorou com duas correntes, uma amarrada à coluna da Eucaristia e, outra, à da Santíssima Virgem, Auxílio dos Cristãos.

Durante a batalha, duas posições; na vitória, uma única…

Os inimigos entraram em colapso ante a ancoragem da capitânia e saíram espavoridos para longe da batalha.

Surgiram, então, entre os presentes, duas posições: A primeira foi a dos que combateram ao lado do Pontífice e que lhe deram proteção. Esses, logo que viram ancorada nas colunas a embarcação, apressaram-se em ancorarem-se também a elas.

Outros foram os que, pelo encarniçado da luta, se afastaram do combate para ver o que sucederia. Esses, assim que os inimigos se perderam de vista, correram em disparada para se unirem ao Papa e seus fiéis.

Após tudo isso, o mar se acalmou e São João Bosco acordou de seu sonho.

Não serão os dias de hoje?

Se o Santo Salesiano precisou dormir e sonhar para achar-se na grave situação descrita, a atualidade reclama que simplesmente cabe não sonhar e estar bem acordado para dar-se conta que ela retrata dias tempestuosos e agitados.

A brecha que tenta fazer sucumbir a nau de Pedro não é pequena: os incêndios de igrejas e catedrais passam a ser quase diários; profanação de lugares santos, imagens e altares é moeda comum e notícia frequente. No tocante ao culto litúrgico, as esperanças de significativas e piedosas reformas, distante.

Haverá almas que se cruzem para socorrer a nau de Pedro? Quem a poderá sustentar? Seu peso é enorme; e, infelizmente, os Domingos de Gusmão e os Franciscos de Assis nem sempre são apercebidos por todos. De fato, poucos são os que têm a fortuna e ventura da virtuosa personalidade de um Inocêncio III, capaz de auferir de um sonho o destino de sua época.

Fato é que, embora muitas vezes, em outras circunstâncias históricas, a Igreja passou por momentos turbulentos e, à primeira vista, sem saída, em todos eles, um único fator conquistou-lhe a vitória: estar unida às duas colunas que tudo sustentam, a Eucaristia e Maria Santíssima.

Somente unidos, fixados e presos pela âncora de tais devoções, os homens terão como discernir quem sopra, como sopra e para onde sopra o Espírito Santo, o qual é quem vivifica a Igreja.

Até lá, a nau continuará afundando, embora se deseje muitas vezes pintar seu casco, envernizar seu mastro ou cerzir sua vela. Nada adianta, enquanto não se repara a quilha  e se “fecha a brecha”.

Ora, isso não é papel só do Espírito vivificante, mas também dos homens que devem alicerçar sua fé nas verdadeiras colunas capazes de amparar e suportar as tempestades. Tudo que não seja isso é passageiro, escolhos que por instantes sustentam, mas que ao cabo de mais tempo, também afundam.

Com efeito, ao término da “Boa Noite”, indagou aos seus jovens o santo Salesiano: “O que significa tudo isso?”

E um dos jovens respondeu: “O triunfo da Igreja por meio da Sagrada Eucaristia e da devoção à Santíssima Virgem.”

Ele disse: “Exato! o mesmo creio eu.”

E depois disso acrescentou São Miguel Rua: “As lutas da Igreja, tão combatida hoje, e seu triunfo por Cristo e Maria!”

Rezemos, portanto, para que mais uma vez as predições de São João Bosco se cumpram, e as colunas da Fé Católica não venham a ser carcomidas pelas mossas da incredulidade galopante que tanto a debilitam.

A estas alturas, duvidar que estamos vivendo momentos decisivos – num curto período de tempo – seria como assistir a um naufrágio de braços cruzados…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 × 1 =

Latest News

Missal Romano é traduzido para a linguagem dos sinais

A obra, que contou com a consultoria de pessoas com deficiência auditiva, irá auxiliar os surdos e mudos do...

Bangladesh: a devoção a Nossa Senhora é transmitida de geração a geração

Bangladesh: milhares de homens, mulheres e crianças participam de grupos que rezam o Santo Rosário em família para homenagear Nossa Senhora. Bangladesh (22/10/2020, 16:45, Gaudium...

O Martírio de Santa Cecília

Por causa da perseguição aos cristão o Papa refugiava-se nas catacumbas. Uma jovem nobre o procurou e pediu o batismo. A jovem era Santa...

Quem foi São João Paulo II?

No dia de hoje, 22 de outubro, a Igreja celebra a memória litúrgica de São João Paulo II. Conheça a história do Santo Pontífice...

Amar a Deus é uma forma de oração?

Embora o amor a Deus, apropriadamente chamado de Caridade, seja o maior de todos os dons (1Cor 12,31) e a maior das virtudes teologais,...

More Articles Like This