15.8 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022

Religiosas expulsas da Nicarágua pelo regime de Ortega chegam à Costa Rica

“Secamos algumas de suas lágrimas”. As missionárias de Madre Teresa foram recebidos pelo Bispo de Tilarán-Libéria, de joelhos.

Foto: Captura Facebook /Bispo Salazar

Foto: Captura Facebook/ Bispo Salazar

Redação (09/07/2022 17:56, Gaudium Press) Mons. Eugenio Salazar Mora, Bispo de Tilarán-Libéria na Costa Rica, não só recebeu as religiosas de Madre Teresa expulsas abruptamente pelo regime de Daniel Ortega da Nicarágua, mas teve belos gestos com essas senhoras : ajoelhou-se diante delas e beijou as mãos de algumas, enquanto várias beijavam seu anel episcopal.

Em declarações, o Bispo disse que tomou conhecimento, através dos meios de comunicação, da possível expulsão destas freiras “do território nicaraguense depois de muitos anos de permanência ali, tendo três casas de serviço à comunidade”. No total eram 7 índias, 2 mexicanas, 1 espanhola, 2 guatemaltecas, 1 equatoriana, 1 vietnamita, 2 filipinas e 2 nicaraguenses.

Embora as religiosas, pelo seu carisma, prefiram a discrição sobre os motivos e circunstâncias da sua expulsão, Mons. Salazar confirmou que “passaram momentos difíceis, de ansiedade, de angústia, temerosas pela sua integridade física, sabendo que entre elas há religiosas de diferentes nacionalidades e algumas idosas”.

“Elas estavam muito preocupadas – continuou o prelado – até chegarem ao território costarriquenho. Se dependesse delas, ficariam na Nicarágua. Elas amam a Nicarágua, o povo nicaraguense, especialmente os mais pobres e necessitados”.

“Não vejo nenhuma culpa nelas”, destacou o Bispo de Tilarán-Libéria. “São apenas mulheres, esposas de Jesus Cristo, consagradas, que só pretendem servir aos pobres, fazem muitas coisas que muitos outros não fazem. Mas, essa é a vida do cristão; também a visão do martírio faz parte da espiritualidade cristã”.

A diocese tem a honra de tê-las

O Prelado falou da calorosa acolhida que sua diocese quis oferecer a essas irmãs: “Nós as confortamos, enxugamos algumas de suas lágrimas. E, sobretudo, escutei mais uma delas, a superiora, para que ela pudesse expressar tudo o que viveu, o que, por respeito a elas, não divulgo”.

O bispo lembrou o trabalho de atendimento aos mais necessitados das Missionárias da Caridade, que possuíam três casas de assistência social na Nicarágua, e pediu orações pelo povo nicaraguense. Ele expressou seu afeto e disse que elas honravam sua jurisdição com sua presença. Elas são aqui a representação de Jesus Cristo.

O prelado terminou seu discurso com o grito “Viva Cristo Rei!”

Justificativas para sua expulsão

Na ocasião, a Direção Geral de Registro e Controle de Organizações Sem Fins Lucrativos do Ministério do Interior da Nicarágua declarou que as Missionárias da Caridade “não tinham cumprido suas obrigações” segundo a lei que as regulamenta, além de não cumprir a Lei de Lavagem de Dinheiro, Financiamento do Terrorismo e Financiamento da Proliferação de Armas de Destruição em Massa. O executivo disse ainda que não estavam credenciadas para funcionar como creche, centro de desenvolvimento infantil ou lar de idosos, nem tinham autorização para dar reforço escolar.

Com informações da Aciprensa

The post Religiosas expulsas da Nicarágua pelo regime de Ortega chegam à Costa Rica appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias