Sangue de São Januário se liquefez: o milagre se repete

Must Read

Nossos irmãos, esses injustiçados

Comentários à Liturgia do XXX Domingo do Tempo Comum. Há quem, no contexto de amar a Deus e ao...

Frei Galvão e o Frango do Diabo: conheça essa história de nosso Santo

Como poderia Frei Galvão, estando no Mosteiro da Luz, em São Paulo, ter sabido o que acontecera lá no meio...

8 Frases, Ensinamentos e Conselhos de Santo Antônio Maria Claret

Claret: Pense bem antes de dar conselhos e esteja sempre pronto para servir. Redação (24/10/2020, 11:00, Gaudium Press) Citar frases,...


A liquefação do sangue de São Januário é um fenômeno que acontece três vezes por ano: no sábado anterior ao primeiro domingo de maio; no dia de sua festa litúrgica, 19 de setembro; e em 16 de dezembro, data da intercessão de São Januário que evitou a erupção do vulcão Vesúvio, no ano 1631.

A liquefação do sangue de São Januário é um fenômeno que acontece três vezes por ano: no sábado anterior ao primeiro domingo de maio; no dia de sua festa litúrgica, 19 de setembro; e em 16 de dezembro, data da intercessão de São Januário que evitou a erupção do vulcão Vesúvio, no ano 1631.

Nápoles (21/09/2020, 12:45, Gaudium Press) Exatamente às 10:02 horas, do sábado, 19 de setembro, o Cardeal Crescenzio Sepe, Arcebispo de Nápoles, anunciou que o sangue de São Januário havia, mais uma vez, se liquefez milagrosamente, como costuma acontecer no dia em que a Igreja celebra a festa deste santo mártir italiano.

Ao anunciar a repetição do repetição do milagre, o Cardeal destacou que desta vez o sangue havia se tornado totalmente líquido, sem grumos, como aconteceu havia acontecido em outras ocasiões.

O sangue se liquefez: sinal de amor, de bondade, da misericórdia de Deus; da proximidade, amizade e fraternidade de São Januário para conosco

Assim foram as breves palavras do Cardeal Sepe: “Louvado seja Jesus Cristo! Queridos amigos, queridos fiéis todos. Mais uma vez, com alegria, com emoção, informo que o sangue do nosso padroeiro, São Januário, se liquefez. Totalmente liquefeito, sem grumos, como aconteceu nos últimos anos, sinal de amor, de bondade, da misericórdia de Deus e da proximidade, da amizade, da fraternidade de nosso São Januário. Seja dada glória a Deus e veneração ao nosso santo. Amém”.

De modo inexplicável, o sangue do mártir se liquefaz em três ocasiões em cada ano e, pode-se dizer, …com hora marcada

 

A liquefação do sangue deste santo é um fenômeno inexplicável que acontece três vezes por ano:
no sábado anterior ao primeiro domingo de maio, por ocasião do translado dos restos mortais do santo a Nápoles; no dia de sua festa litúrgica, 19 de setembro; e em 16 de dezembro, aniversário da intercessão de São Januário que evitou os efeitos, geralmente catastróficos, da erupção do vulcão Vesúvio, no ano 1631.

Em dezembro de 2016, o milagre não aconteceu, o que provocou certa preocupação entre os fiéis. Embora o fato de que não se liquefaça costuma ser interpretado como o anúncio de um desastre, isso nem sempre é certo.

De fato, o processo nem sempre acontece do mesmo modo: às vezes demora várias horas, ou mesmo dias, ao se liquefazer. Em outros momentos, como em 2018, o milagre acontece antes da celebração litúrgica e, em outros episódios, por motivos desconhecidos, o sangue não se liquefaz.

A liquefação do sangue de São Januário é um fenômeno que acontece três vezes por ano: no sábado anterior ao primeiro domingo de maio; no dia de sua festa litúrgica, 19 de setembro; e em 16 de dezembro, data da intercessão de São Januário que evitou a erupção do vulcão Vesúvio, no ano 1631.

 

Papas testemunharam a liquefação

O próprio Papa Francisco foi testemunha do inexplicável fenômeno em março de 2015.

Naquela ocasião, o sangue se liquefez diante do olhar do próprio Pontífice fora das três datas indicadas. Por isso, tratou-se de um fato extraordinário, que também aconteceu em 1848 diante do Papa Pio IX.

O milagre não aconteceu durante as visitas de São João Paulo II, em 1979, nem de Bento XVI, em 2007.

São Januário, perseguição e martírio

Naquele tempo, quando a Igreja e os cristãos eram, então, perseguidos pelo império romano por causa de sua fé em Jesus Cristo, Januário estava preparado para testemunhar seu amor a Jesus Cristo com a própria vida, se fosse necessário. E assim, com era previsível o Bispo e seus diáconos foram perseguidos pelos soldados romanos a serviço do imperador.

Era o ano de 304, quando Diocleciano, o então o imperador romano, desencadeou a última e também a mais violenta perseguição contra a Igreja. Preso juntamente com seus diáconos, o Bispo Januário e seus seguidores foram lançados na arena cheia de leões famintos, na cidade de Pozzuoli.

O povo que assistia ao espetáculo esperava ansiosamente ver o sangue dos cristãos derramado pelos leões. Mas isto não aconteceu, ao se aproximarem do grupo de prisioneiros cristãos, os animais ficaram dóceis e passaram a lamber os pés do Santo Bispo Januário.

Era como se revivessem o mesmo que havia acontecido com Daniel, o profeta: as feras não os atacaram. Os presentes, loucos para assistir um assassinato, ficaram estupefactos, uma vez que sabiam perfeitamente que os leões havia sido preparados com um logo jejum e estavam famintos.

O fato extraordinário que viam acontecer com os cristãos levou muitos deles a se converteram ao verem que aqueles homens eram protegidos por Deus por causa de seu amor a Jesus.

Para dar cabo a seu intento, Diocleciano decretou que Januário e seus companheiros fossem decapitados. Era o ano de 305 quando os soldados do imperador conseguiram realizar aquilo que até os animais haviam “negado” fazer…

As relíquias e milagres de São Januário

Alguns cristãos cheios de piedade e veneração pelo santo mártir recolheram o sangue de São Januário e o coloram numa ampola para guardá-lo como relíquia preciosa.
As relíquias de São Januário foram transladadas a diferentes lugares até que finalmente chegaram a Nápoles em 1497 sendo enterrado na Catedral.

A população começou a venerar São Januário invocando-o como protetor nas pestes e, com frequência, contra as erupções do Vesúvio.

O maior dos milagres de São Januário é, no entanto, a liquefação do seu sangue.
Numa ampola, o sangue fica em exposição na Catedral, durante todo o dia 19 de setembro, dia da sua festa. Durante a cerimônia, quando o relicário é exposto aos fieis, seu sangue, que está sólido passa para o estado líquido, sua cor se transforma e seu volume fica com o dobro do peso.

Este fenômeno acontece sempre no primeiro sábado que precede o primeiro domingo de maio; no dia 19 de setembro, dia em que o santo é festejado pela Igreja e 16 de dezembro, aniversário da erupção do Vesúvio em 1631. (JSG)

 

The post Sangue de São Januário se liquefez: o milagre se repete appeared first on Gaudium Press.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × 2 =

Latest News

Nossos irmãos, esses injustiçados

Comentários à Liturgia do XXX Domingo do Tempo Comum. Há quem, no contexto de amar a Deus e ao...

Frei Galvão e o Frango do Diabo: conheça essa história de nosso Santo

Como poderia Frei Galvão, estando no Mosteiro da Luz, em São Paulo, ter sabido o que acontecera lá no meio do mato com o ex-escravo...

8 Frases, Ensinamentos e Conselhos de Santo Antônio Maria Claret

Claret: Pense bem antes de dar conselhos e esteja sempre pronto para servir. Redação (24/10/2020, 11:00, Gaudium Press) Citar frases, conselhos ou ensinamentos de Santos...

Santo Antônio Maria Claret: consumido pela sede de almas

Ardente de caridade, Santo Antônio Maria Claret atendeu com humildade e grandeza ao chamado divino para ser missionário, enfrentando com ufania as mais difíceis...

Santo Antônio Maria Claret

O santo lembrado hoje foi de muita importância para a Igreja que guarda o testemunho de sua santidade, que mereceu a frase do Papa...

More Articles Like This