17 C
São Paulo
terça-feira, junho 14, 2022

Santa Joana d’Arc: virgem e intrépida guerreira

A Igreja comemora hoje 592 anos do martírio de Santa Joana d’Arc. Dotada por Deus de um altíssimo chamado, a pequena pastora de Domremy não mediu esforços para cumprir a vontade Divina, a ponto de ser, por este motivo, perseguida, caluniada e martirizada.

 Redação (30/05/2022 08:34, Gaudium Press) Santa Joana d’Arc nasceu provavelmente em 1411, ou talvez 1412, em Domremy, cidade do interior da França. Segundo uma piedosa tradição, veio à luz na noite da Epifania, a 6 de janeiro. Filha de Jacques d’Arc e Isabel, católicos e possuidores de boa reputação, foi educada desde a mais tenra infância na prática da Lei de Deus. Segundo testemunhas de sua época, gostava de ir à Igreja e de confessar-se. Sempre que tinha condições, dava esmolas aos pobres. Em geral, passou a infância pastoreando animais, o que fazia com muito agrado. Em nada se distinguia das jovens de sua idade. Entre os seus mais próximos, era conhecida como Jeannette, a pequena Joana.

Porém, a partir dos treze anos, alguns fatos mudarão a vida da pequena pastora: Deus passa se comunicar com ela por meio de aparições sobrenaturais. Desde então, via e ouvia São Miguel Arcanjo, Santa Catarina e Santa Margarida, os quais, ao longo de três anos, preparam-na para o cumprimento da missão que lhe estava destinada: libertar a França do poder dos ingleses, e fazer com que Carlos VII fosse sagrado rei.

Fiel ao chamado de Deus, Joana partiu pressurosa para a cidade de Chinon, a fim de cumprir as ordens Divinas.

Tinha tão somente 16 anos, quando o rei Carlos lhe confiou o comando de uma brigada; a ela que desconhecia por inteiro as leis da guerra… Em oito dias, no fim do mês de maio, a jovem guerreira encerrou o cerco de Orleans, cidade sitiada havia sete meses, obrigando os ingleses a debandarem. E, no seguinte mês, julho, após tantos esforços por ela por ela empregados, Carlos VII, em Reims, foi sagrado rei da França.

O calvário

Contudo, após tantos êxitos, fatos aparentemente inexplicáveis darão início ao seu “calvário” que durará quase dois anos: o rei, que tanto a amparava e protegia, abandona-a à sorte dos inimigos. Se isto não bastasse, no dia 23 de maio de 1430, ela foi capturada e feita prisioneira, sendo vendida cinco meses depois aos ingleses. Começam então as maquinações.

Procuram de todos os modos matá-la, mas necessitam conservar aparências de legalidade, pois um prisioneiro de guerra não pode ser levado à força para morte. Nisto, põem-se de acordo com o bispo local, Pierre Cauchon, e julgam-na por “heresia”, “bruxaria” e “idolatria”.

Todavia, primeira ilegalidade: Santa Joana esteve sempre mantida prisioneira pelos ingleses, e jamais colocada numa prisão da Igreja custodiada por mulheres, como pediria um mínimo de respeito pela sua condição feminina, e pelo tipo de “processo” que simularam contra ela.

Com efeito, inúmeras vezes a pucelle, a virgem – como era conhecida até entre seus inimigos – se queixará por estar agrilhoada e vigiada dia e noite por grupos de cinco soldados que a odiavam. Em várias ocasiões, foi agredida pelos carcereiros com a intenção de atentar contra seu pudor. Nada disso, contudo, moveu a compaixão dos eclesiásticos.

Deste modo, traída, presa e repudiada por aqueles mesmos que ela defendia, é julgada “em nome da Igreja” por um bispo, coadjuvado de um cardeal e mais de 120 clérigos, os quais põem-se a serviço de interesses alheios à salvação das almas, submetendo-se aos invasores ingleses, para perder a inocente Joana.

Contra Santa Joana d’Arc, utilizaram todos os recursos que a impostura pode conceber, chegando até a se atentar contra o sigilo de confissão, em vistas a obter alguma acusação digna de crédito, que os permitisse conduzir a virgem de Domremy à fogueira. Não faltaram falsificação de documentos, maquinações para atentar contra sua virgindade, ameaças de tortura e outras crueldades.

Além disso, ao longo do processo, os esbirros muitas vezes “zuparam” as noções básicas do direito natural. Certa vez, Jean Beaupère, um dos mais arditi pela morte de Joana, compareceu ante ela com o bispo Couchon, e indagou-lhe: “Sabes se estás na Graça de Deus?”. Cabe recordar um célebre adágio da Santa Madre Igreja que diz: “De internis non iudicat Ecclesia”. Isto é, sobre a consciência, nem mesmo a Igreja julga. Entrementes, inspirada pelas vozes celestes que sempre a auxiliavam, Joana respondeu: “Se não estou, que Deus ma conceda. Se estou, que nela me conserve! Eu seria a pessoa mais infeliz do mundo se soubesse não estar na Graça de Deus”.

A execução

Todavia, por quê tamanho ódio suscitado contra uma jovem de 19 anos, a qual, aos olhos dos homens, como descreve Régine Pernoud, “era ela uma simples mulher que, na guerra, se mostrava mais experimentada que um capitão, uma camponesa ignorante que agia como se soubesse mais do que esses doutores possuidores da chave da ciência, uma mocinha de menos de vinte anos que pretendia ser fiel às suas visões”?!

Mas a sanha do mal não poupou esforços. Joana foi em seguida excomungada e condenada à morte no dia 30 de maio de 1430, na Praça do Mercado Velho, de Rouen (França). Antes de sua morte, porém, sucedeu-se algo inexplicável: ela, que estava excomungada, pediu para se confessar e comungar, e foi atendida em ambos os pedidos.

No dia de sua execução, todos os que desejavam assistir sua morte compareceram à praça. Mais de 800 soldados, com lanças e machados de guerra, asseguravam a tranquilidade da execução. A multidão toda presenciou a lenta e dolorosa morte da virgem imaculada, sobre cuja cândida testa puseram um chapéu de irrisão com os dizeres: “herética, apóstata, relapsa, idólatra”.

Impertérritos, ouviram-na exclamar diversas vezes, “Jesus! Jesus” Jesus!” e “As vozes não mentiram!”. Após pronunciar pela última vez o nome de “Jesus”, entregou sua alma a Deus; e, segundo o depoimento de uma testemunha insuspeita (um soldado inglês que a odiava), ao exalar o último suspiro, uma pomba branca saiu de seu corpo em direção ao céu. Suas cinzas foram lançadas ao rio, juntamente com seu coração, ainda incorrupto e latejante.

O que aconteceu aos perseguidores?

Entretanto, a mão de Deus se abateu sobre os que perseguiram sua enviada: aqueles que foram culpados por sua morte, em poucos dias foram chamados a prestarem contas diante do Criador.

Os três principais fautores conheceram um trágico fim: Cauchon, morreu subitamente enquanto lhe faziam a barba; D’Estivet, íntimo amigo de Cauchon, o promotor da causa, desapareceu misteriosamente, e seu cadáver foi encontrado num esgoto; Nicolas Midy, foi atingido pela lepra pouco tempo depois do processo, teve de abandonar os benefícios que seu “devotamento” lhe proporcionara, e, comido pela sua doença, morrer num leprosário.

Morte súbita, morte ignorada, morte de lepra. Trágico fim terreno dos que, mundanamente, pensaram ter apagado o nome da enviada de Deus das linhas da história. Ela figura no catálogo dos santos. Eles, unicamente, nas sinistras páginas dos êmulos de Judas.

A Santa Igreja, contudo, pelas mãos de seus fiéis ministros, vinte anos mais tarde, declarará a inculpabilidade da virgem de Domremy. E, 500 anos depois, Bento XV reconhecerá sua santidade de vida, incluindo-a no catálogo dos Santos.

Por Guilherme Maia


Cf. PERNOUD, Régine. Vie et mort de Jeanne d’Arc. Paris: Hachette, 1953.

The post Santa Joana d’Arc: virgem e intrépida guerreira appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias