Santa Margarida da Escócia: Mãe e Rainha do seu povo

Must Read

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio...


Vamos contemplar o coração ao mesmo tempo régio e maternal, cheio de fé e idealismo, de uma rainha escolhida por Deus para refletir de algum modo Maria Santíssima junto ao seu povo: Santa Margarida da Escócia.

Redação (15/11/2020 18:10, Gaudium Press) Comecemos a narração voltando nosso olhar para certa noite do ano de 1066. Uma espantosa tempestade agita o Mar do Norte. Em meio às águas que urram e espumam, pode-se distinguir uma frágil embarcação envidando todos os seus esforços para manter-se à tona. Seus tripulantes são de estirpe real: nela viaja a Princesa Ágata, viúva do Príncipe Eduardo, acompanhada por seus filhos Edgar e Margarida.

O falecido príncipe nascera no ano 1016 na Inglaterra durante o reinado de seu pai, Edmundo Braço de Ferro. Era ainda um bebê quando Canuto, o Grande, invadiu seu país e o deportou para a Suécia.

Mais tarde foi conduzido para Kiev e de lá acabou viajando para a Hungria, onde se casou com a Princesa Ágata, parente próxima de Santo Estêvão. Daí provém o cognome com que ficou conhecido na História: Eduardo, o Exilado. Tinha ele por volta de quarenta anos quando Santo Eduardo, o Confessor, o chamou para torná-lo seu herdeiro e sucessor no trono da Inglaterra.

Em 1057 estava ele de volta à pátria natal, acompanhado por sua esposa e seus dois filhos, mas, poucos dias depois de ter chegado, veio a falecer.

Quando, em 1066, também Santo Eduardo partiu para a eternidade, as convulsões ocorridas no reino obrigaram a Princesa Ágata a fugir para a região da Nortúmbria, bem ao norte da Inglaterra.

Vendo-se viúva e desamparada em terra estrangeira, decidiu retornar para o continente com seus filhos e embarcou com esse fim na desafortunada nau…

Impotentes nos seus esforços contra o mar bravio, os viajantes procuravam desesperadamente um lugar onde refugiar-se. Acabaram, por fim, conseguindo aportar com muita dificuldade no estuário do Rio Forth, perto da atual Edimburgo. O barco, em lugar de seguir o rumo previsto, havia sido empurrado ao norte pela tempestade.

Torna-se rainha da Escócia

O soberano escocês, Malcolm III, acolheu a nobre família em seu palácio e tratou-a com a maior simpatia e benevolência. Admirado com a virtude de Margarida, decidiu casar-se com ela, e a jovem, embora tivesse o desejo de consagrar sua vida a Deus, acabou por aceitar. Tinha à época por volta de vinte anos.

Tornou-se deste modo, na terra, rainha da nação escocesa, enquanto, do Céu, a Virgem Santíssima parecia tê-la escolhido por mãe e protetora de um povo que se mostrava aberto às sublimidades da Fé. Dir-se-ia que Nossa Senhora quis depositar antes nas mãos de Santa Margarida todas as graças que iria derramar sobre aqueles filhos seus.

Sob a influência de Santa Margarida a Escócia viveu o período mais feliz de sua história. Consolidaram-se costumes e instituíram-se leis que incentivavam a observância dos preceitos da Igreja e, sob essa base moral, o povo escocês alcançou notável prosperidade social.

Venerada como mãe pelo seu povo

Conta-nos Turgot de Durham, Bispo de Saint Andrews, confessor e principal biógrafo da rainha, que na pessoa da soberana se aliavam a operosidade e a contemplação, a elevação de espírito e um atilado senso das coisas práticas, uma inteligência brilhante e uma afabilidade que levava os últimos de seus súditos a venerá-la não só como rainha, mas também como mãe.

Com sua modéstia, suavidade de ânimo e constante disposição benévola, ela atraía grandes e pequenos, inspirava respeito e obediência aos homens letrados, religiosos ou mesmo na gente simples e sem instrução, unindo o reino em torno de si, para, depois, conduzir todos à virtude e à prática dos Mandamentos e ensiná-los a serem devotados filhos da Santa Igreja Católica.

Nunca deixava de atender a quem recorria à sua proteção, ouvindo não só os que vinham fazer-lhe pedidos, mas qualquer um que quisesse confidenciar-lhe suas dificuldades, tristezas e provações.

Para ajudar aos necessitados, ela não media esforços, vendendo inclusive suas joias pessoais quando não podia dispor do tesouro real. Durante a Quaresma, acolhia no castelo trezentos pobres por dia e atendia a todas as suas necessidades, curando-lhes as feridas com suas próprias mãos. Alimentava-os à sua mesa, colocando os homens de um lado do salão, junto ao seu marido, enquanto ela se sentava com as mulheres na ala oposta.

Excelente formadora de bons costumes

Além da força de influência própria à virtude, a rainha orientava seus súditos no caminho do bem dando o exemplo de uma piedade ardente e zelosa por tudo quanto dizia respeito à Santa Igreja.

Assim, era por todos conhecida a sua grande inclinação à oração e à leitura das Sagradas Escrituras e, sobretudo, sua devoção à Santa Missa: assistia cinco ou seis celebrações por dia, e se empenhava tanto em aprimorar tudo o que concernia ao Sacrifício do Altar, que seus aposentos no castelo mais pareciam depósitos de paramentos e vasos sagrados…

Longe de querer estimular a vaidade ou ostentação, ela se preocupava com essas questões por conhecer bem o quanto os bons costumes, uma forma digna de vestir e a elevação no trato social contribuem para a formação de uma mentalidade ordeira e respeitosa, sobre a qual repousa a paz.

Há historiadores que atribuem a Santa Margarida a criação do tartan, característico tecido de lã, usado até os dias de hoje, cujas cores e padrões variam de acordo com o clã ou a região a que se pertença.

Respeitada e admirada pelo rei

Sem dúvida, todo esse zelo de Santa Margarida se debruçava, antes de qualquer pessoa, sobre o próprio rei. Era seu dever enquanto esposa apoiá-lo e ajudá-lo a crescer na vida espiritual, mas essa era também sua obrigação enquanto rainha.

Quanto mais o governante avançar pelas sendas da santidade, maiores serão suas possibilidades de levar seus subordinados a imitá-lo. Assim, ela foi ensinando o rude Rei Malcolm a rezar e a governar com verdadeira justiça. Seu marido a amava e temia ofendê-la, tal era o respeito que as virtudes dela lhe incutiam.

“Que meus filhos amem e temam a Deus”

O casal teve oito filhos e Santa Margarida não poupou esforços para educá-los, estando sempre vigilante sobre as más inclinações que despontam já em tenra idade.

Ao alcançarem a idade adulta, a vida dos filhos de Santa Margarida foi digna da grandeza dos seus antepassados. Três deles tornaram-se reis da Escócia, fazendo com que por duzentos anos o país fosse governado por filhos, netos e bisnetos da santa rainha.

Sabedoria e equilíbrio, até o fim!

Durante seis meses Margarida convalesceu, podendo poucas vezes levantar-se da cama. A cada dia suas dores aumentavam, mas ela tudo suportava com paciência e oração. Não reclamava, e permanecia sempre serena.

Àquela época o Rei Malcolm teve de partir para a guerra contra Guilherme, o Conquistador, e veio a perecer no combate, juntamente com seu filho primogênito, Edward.

Conta-se que Margarida soube, à distância, o que acontecia, pois naquela tarde ela ficou muito triste, sem nenhuma razão aparente, e em certo momento disse, suspirando: “Talvez neste dia uma pesada calamidade caia sobre o reino da Escócia, como não houve em muitos anos passados”.

Quatro dias depois, seu filho Edgar retornou da batalha. Ao entrar no quarto de sua mãe, ela lhe perguntou: “Vai tudo bem com o rei e com o meu Edward?” Edgar respondeu: “Vosso esposo e vosso filho foram mortos”.

Erguendo os olhos para o céu, ela replicou: “Louvor e bênçãos a Vós, ó Deus todo-poderoso, que achastes bem fazer com que eu sofresse tão amarga angústia na hora de minha partida, para purificar-me, em alguma medida, da corrupção dos meus pecados. E Vós, Senhor Jesus Cristo, que pela vontade do Pai redimistes o mundo por vossa Morte, libertai-me!”

Dizendo estas palavras, rendeu sua alma a Deus.

* * *

A vida de Santa Margarida se apresenta aos nossos olhos como uma seguidilha ininterrupta de atos de virtude, premiados por Deus com a felicidade e o êxito.

Contudo, cabe nos perguntarmos: não terá ela sofrido terríveis provações de alma, desconhecidas por aqueles a cercavam? E não terá sido esse holocausto interior o incenso de suavíssimo odor que lhe obteve a conversão e santificação do seu povo?

Não o sabemos. Entretanto, se Santa Margarida atravessou os séculos como modelo de mãe e rainha, espelho das virtudes de Maria Santíssima, de algum modo ela deve ter carregado, no íntimo de seu coração, a dura, negra e fria Cruz de Cristo. Por seu amor ao Divino Mestre, pelo desejo de imitá-Lo e de fazer com que o Preciosíssimo Sangue do Redentor transformasse seus súditos, a virtuosa rainha da Escócia deita ainda hoje o fulgor próprio às almas de uma grandeza incomum.

Texto extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho n.215. Novembro 2019. Ir. Mary Teresa MacIsaac, EP

The post Santa Margarida da Escócia: Mãe e Rainha do seu povo appeared first on Gaudium Press.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro − um =

Latest News

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu em Lucera (Itália), a 6...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio de fazê-lo, senão pelo exemplo...

Por que o Advento?

Advento! O Natal se aproxima: É o maior acontecimento da História: o Verbo se fez carne e habitou entre nós Esperemos Jesus que vem...

Colégio de Cardeais tem 900 anos: veja sua história, números e curiosidades

O Consistório de hoje é o sétimo convocado por Francisco, eleva o número de presenças no Colégio Cardinalício para 229, 101 não-eleitores. Redação (28/11/2020, 11:50,...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet