Santo Agostinho nos explica para que servem as palavras na oração

Must Read

Igreja é profanada e roubada no México

O ato sacrílego ocorreu durante a madrugada. Capelão celebrou uma Santa Missa na capela em reparação por esta grave...

Há três anos eram canonizados os Mártires de Cunhaú e Uruaçu

Os Santos Mártires foram canonizados em 15 de outubro de 2017, em cerimônia presidida pelo Papa Francisco, na Praça...

Bispo Mexicano: presidente deve pedir perdão pelos massacres de Católicos

Bispo recomenda que governo de López Obrador peça perdão pelos massacres de católicos ocorridos durante a chamada “guerra cristera”...



Na oração, as palavras servem para nos estimular e nos fazer compreender melhor o que pedimos; não pensemos que são necessárias para informar o Senhor ou forçar a sua vontade. Quando dizemos: «Santificado seja o vosso nome», estimulamo-nos a desejar que o nome de Deus, que é sempre santo em Si mesmo, seja também honrado como santo entre os homens, e nunca desprezado; e isto não é para benefício de Deus, mas dos homens.

Quando dizemos: «Venha a nós o vosso reino» – que há-de vir certamente, quer queiramos, quer não –, excitamos a nossa aspiração por aquele reino, para que ele de facto venha a nós e mereçamos reinar nele. Quando dizemos: «Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu», pedimos ao Senhor que nos dê a virtude para que se cumpra em nós a sua vontade, como os anjos a cumprem no Céu.

Quando dizemos: «Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido», tomamos consciência do que pedimos, e do que devemos fazer para merecermos receber o perdão. Quando dizemos: «Livrai-nos do mal», recordamos que ainda não estamos naquele sumo bem onde já não é possível sofrer qualquer mal. E estas últimas palavras da oração dominical têm um significado tão amplo, que o cristão, seja qual for a tribulação em que se encontre, pode com elas exprimir os seus gemidos ou lamentações, dar início, continuar ou terminar a sua oração.

Tínhamos necessidades destas palavras para gravar na memória todas estas realidades. Quaisquer outras palavras que possamos usar na oração nada mais dizem para além do que se encontra já na oração do Senhor, se de facto oramos como convém.

(Santo Agostinho, Carta 130, a Proba, sobre a oração, 11-12)

 

Fonte: Aleteia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

treze − dez =

Latest News

Igreja é profanada e roubada no México

O ato sacrílego ocorreu durante a madrugada. Capelão celebrou uma Santa Missa na capela em reparação por esta grave...

Há três anos eram canonizados os Mártires de Cunhaú e Uruaçu

Os Santos Mártires foram canonizados em 15 de outubro de 2017, em cerimônia presidida pelo Papa Francisco, na Praça São Pedro. Redação (15/10/2020, 16:40, Gaudium...

Bispo Mexicano: presidente deve pedir perdão pelos massacres de Católicos

Bispo recomenda que governo de López Obrador peça perdão pelos massacres de católicos ocorridos durante a chamada “guerra cristera” que aconteceu no México de...

Os Corpos Incorruptos dos Santos: quando só resta a explicação da Fé

Os espíritos racionalistas, ou simplesmente contrários à Fé de Cristo, sempre tiveram problemas com os corpos incorruptos, pois sua existência é uma afirmação, embora...

O silêncio das pequenas coisas

Alguns dias atrás eu estava aguardando atendimento num consultório médico e na TV estava passando um filme em que uma moça bastante rica, de...

More Articles Like This

Continue in browser
To install tap Add to Home Screen
Add to Home Screen
To install tap
and choose
Add to Home Screen
Continue in browser
To install tap
and choose
Add to Home Screen
Continue in browser
Continue in browser
To install tap
and choose
Add to Home Screen