147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

Must Read

Um gesto de Bento XVI

As atitudes deste Papa invariavelmente nos dão muito o que pensar. Redação (01/12/2020 18:22, Gaudium Press) O último consistório...

Arquidiocese de São Paulo lança Novena de Natal 2020

Por conta da alta busca pelo subsídio, o mesmo será disponibilizado no formato digital no Portal da Arquidiocese, a...

Catedral de Bruxelas promove exposição de presépios

Apesar das Missas públicas estarem suspensas na Bélgica por conta da epidemia de Covid-19, as igrejas permanecem abertas aos...



[bmto id=”3″]https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY[/bmto]

Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja

Jesus é condenado e vai ao Calvário

Terça-feira da Semana Santa. Segunda Meditação para a Terça-feira Santa

— “Então entregou-lhes Jesus, para ser crucificado” (Jo 19,16)

Sumário:

Imaginemos ver Jesus Cristo que escuta a injusta sentença de morte, aceita-a por nosso amor, e abraçando a cruz, se encaminha para o Calvário. Os judeus temendo que a cada momento expire, e desejosos de O ver morrer crucificado, obrigam a Simão Cirineu a levar a cruz atrás de Jesus. Unamo-nos ao ditoso Simão, e abraçando com resignação a nossa cruz, carreguemo-la atrás de Jesus, que no-la manda para nosso bem.

I. Considera como Pilatos, depois de proclamar diversas vezes a inocência de Jesus, finalmente a torna a proclamar, lavando as mãos e protestando que é inocente do sangue daquele justo. Se, pois, havia de morrer, os judeus deveriam responder por Ele. Em seguida lavra a sentença e condena Jesus à morte. Ó injustiça nunca mais vista no mundo! O Juiz condena o acusado ao mesmo tempo que o declara inocente!

Lê-se a iníqua sentença de morte na presença do Senhor condenado; este escuta-a, e todo conformado com o decreto de seu Eterno Pai, que o condena à cruz, aceita-a humildemente, não pelos delitos que os judeus lhe imputavam falsamente, mas pelas nossas culpas verdadeiras, pelas quais se tinha oferecido a satisfazer com a sua morte. Na terra, Pilatos diz: Morra Jesus; e o Pai Eterno confirma a sentença no céu dizendo: Morra meu Filho.

E o mesmo Filho acrescenta: Eis-me aqui, obedeço e aceito a morte, e a morte de cruz: Humiliavit semetipsum, factus obediens usque ad mortem, mortem autem crucis (Fl 2,8) — “Humilhou-se a si mesmo, feito obediente até a morte, e morte de cruz.”

Meu amado Redentor, aceitais a morte que eu devia sofrer, e pela vossa morte me alcançais a vida. Agradeço-Vos, ó amor meu, e espero ir ao céu para cantar eternamente as vossas misericórdias: Misericordias Domini in aeternum cantabo (Sl 88,2), Mas, já que Vós inocente aceitais a morte de cruz, eu pecador aceito de boa vontade a morte que me destinais; aceito-a com todas as penas que a tenham de preceder ou de acompanhar, e desde agora ofereço-a a vosso Eterno Pai em união com a vossa santa morte. Vós morrestes por meu amor, eu quero morrer por vosso amor.

II. Lida a sentença, o povo desgraçado levanta um brado de júbilo e diz: “Felizmente Jesus é condenado à morte! Vamos depressa, não percamos tempo, prepare-se a cruz, e façamo-Lo morrer antes do dia de amanhã, que é a Páscoa.” — E no mesmo instante agarram a Jesus, tiram-Lhe o manto vermelho dos ombros e entregam-Lhe os seus próprios vestidos; a fim de que, segundo diz Santo Ambrósio, fosse reconhecido pelo povo por aquele mesmo impostor (assim o chamavam), que poucos dias antes fora recebido como Messias.

Depois tomam duas rudes traves, que compõem em forma de cruz, e mandam-Lhe com insolência que a leve sobre seus ombros até o lugar do suplício. Ó Deus, que crueldade, carregar com tamanho peso um homem tão maltratado e enfraquecido!

Jesus abraça a cruz com amor e encaminha-se para o Calvário. O seu aspecto naquele caminho é tão lastimoso, que as mulheres de Jerusalém, ao vê-Lo, O acompanham, chorando e lamentando tamanha crueldade. Mas, nem assim os pérfidos judeus são levados à compaixão! Ao contrário, desejando, por um lado, ver Jesus crucificado, e, por outro, temendo que expirasse no caminho, visto que caía quase a cada passo, tiraram-Lhe a cruz dos ombros e obrigaram certo homem, de nome Simão, a carregá-la. — Minha alma, une-te ao ditoso Cirineu; abraça a tua cruz por amor de Cristo, que por teu amor padece tanto.

Vê como Ele vai adiante e te convida a segui-Lo: Qui vult venire post me, tollat crucem suam, et sequatur me (Mt 16,24) — “Se alguém quiser vir após mim, tome a sua cruz e siga-me”.

Não, meu Jesus, não quero deixar-Vos; quero seguir-Vos até morrer. Pelos merecimentos desse caminho doloroso, dai-me força para carregar com paciência a cruz que quiserdes mandar-me. Ah! Vós nos fizestes nimiamente amáveis os sofrimentos e os desprezos, abraçando-os por nós com tanto amor! Ó Mãe de dores, Maria, rogai a vosso Filho por mim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

nove + sete =

Latest News

Um gesto de Bento XVI

As atitudes deste Papa invariavelmente nos dão muito o que pensar. Redação (01/12/2020 18:22, Gaudium Press) O último consistório...

Arquidiocese de São Paulo lança Novena de Natal 2020

Por conta da alta busca pelo subsídio, o mesmo será disponibilizado no formato digital no Portal da Arquidiocese, a partir da segunda semana de...

Catedral de Bruxelas promove exposição de presépios

Apesar das Missas públicas estarem suspensas na Bélgica por conta da epidemia de Covid-19, as igrejas permanecem abertas aos fiéis católicos para oração e...

Florescimento do eremitismo

Apavorados diante das perseguições, muitos cristãos fugiam para o deserto: principiavam então uma vida isolada, eremítica, contemplativa. Ao mesmo tempo em que floresciam os...

Catedral de Notre-Dame de Paris sediará concerto de Natal

Este será o primeiro grande evento desde o incêndio que atingiu o templo francês em abril de 2019. França – Paris (01/12/2020 11:00, Gaudium Press)...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet