146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

Must Read

Um gesto de Bento XVI

As atitudes deste Papa invariavelmente nos dão muito o que pensar. Redação (01/12/2020 18:22, Gaudium Press) O último consistório...

Arquidiocese de São Paulo lança Novena de Natal 2020

Por conta da alta busca pelo subsídio, o mesmo será disponibilizado no formato digital no Portal da Arquidiocese, a...

Catedral de Bruxelas promove exposição de presépios

Apesar das Missas públicas estarem suspensas na Bélgica por conta da epidemia de Covid-19, as igrejas permanecem abertas aos...



[bmto id=”3″]https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY[/bmto]

Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja

Jesus é coroado de espinhos e apresentado ao povo

Terça-feira da Semana Santa. Primeira Meditação para a Terça-feira Santa

— “E entrançando uma coroa de espinhos Lha puseram na cabeça” (Jo 19,1)

Sumário:

Depois de terem açoitado a Jesus, os algozes, tratando-O como rei de comédia, atiram-Lhe sobre os ombros um manto de púrpura, colocam-Lhe um caniço na mão, e põem-Lhe na cabeça uma coroa de espinhos, na qual batem fortemente com o caniço, a fim de que penetre mais. O Senhor ficou reduzido a tão triste estado, que Pilatos julgou que comoveria de compaixão os próprios inimigos, só com apresentá-Lo. Contemplemo-Lo também, e pensando que foi tão maltratado por nosso amor, não tenhamos a crueldade de dizer com os judeus: Crucifigatur — “Seja crucificado”.

I. Contemplemos os outros bárbaros suplícios que os soldados infligiram a nosso Senhor já tão atormentado. Instigados, e, como afirma São João Crisóstomo, subornados pelo dinheiro dos Judeus, reúnem ao redor de Jesus toda a corte, põem-Lhe aos ombros um manto vermelho a servir de manto real, nas mãos colocam-Lhe um caniço a servir de cetro e na cabeça um feixe de espinhos a servir de coroa. Os espinhos estavam entrelaçados em forma de capacete, de modo que Lhe cobria a cabeça toda: Et plectentes coronam de spinis, posuerunt super caput eius.

Mas, porque os espinhos com a força das mãos não penetravam bastante na cabeça sagrada, já tão ferida pelos açoites, tomam-Lhe o caniço, e enquanto Lhe escarravam também no rosto, batem com toda a força sobre a cruel coroa, de sorte que rios de sangue corriam da cabeça ferida pelo rosto e sobre o peito. Ah, espinhos ingratos! É assim que atormentais o vosso Criador? — Mas, para que acusar os espinhos? Ó pensamentos perversos dos homens, sois vós que transpassastes a cabeça do meu Redentor.

Eia, minha alma, prostra-te aos pés de teu Senhor coroado; detesta ali os teus consentimentos pecaminosos, e roga-Lhe que te traspasse com um daqueles espinhos, consagrados pelo seu preciosíssimo sangue, a fim de que não o tornes mais a ofender. — Enquanto os bárbaros algozes, juntando o escárnio à dor, o tratam como rei de comédia, d’Ele motejam e o esbofeteiam, tu, pelo menos, reconhece-O pelo Supremo Senhor de tudo, como na verdade é; feito agora Rei de dor por amor dos homens.

II. Voltando outra vez Jesus ao pretório de Pilatos, depois da flagelação e coroação de espinhos, este, ao vê-Lo todo dilacerado e desfigurado, capacitou-se de que comoveria o povo à compaixão, só com mostrá-Lo. Saiu, pois, para a varanda com o nosso aflito Salvador, e disse: Ecce homo — “Eis aqui o homem”. Como se dissesse: Judeus, contentai-vos com o que este inocente tem sofrido até agora; vede a que estado se acha reduzido. Que medo ainda podeis ter que Ele queira fazer-se vosso rei, visto que não pode mais viver? Deixai-O ir morrer em sua casa.

Exivit ergo Iesus, portans coronam spineam, et purpureum vestimentum (Jo 19,5) — “Jesus saiu coroado de espinhos e vestido de um manto de púrpura”.

Minha alma, tu também contempla naquela varanda a teu Senhor, ligado e arrastado por um algoz. Vê-O, como ali está meio despido, se bem que coberto de chagas e sangue, com as carnes todas rasgadas, com aquele farrapo de manto purpúreo, que serve tão somente para escarnecê-Lo, e com a cruel coroa que continuamente o atormenta. Vê a que estado se acha reduzido o teu Pastor, para te achar, a ti, sua ovelha perdida.

Ah meu Jesus! Quantos papéis de teatro fazem-Vos os homens representar, mas todos eles de dor e de ignomínia. Ó dulcíssimo Redentor, inspirais compaixão às próprias feras, mais aí não achais piedade! Ouve o que aquele povo responde Crucifige, crucifige eum! (Jo 19,6) — “Crucifica-o, crucifica-o!” Mas, ó Senhor meu, o que dirão no último dia, quando Vos virem na glória, sentado como Juiz num trono de luz? Ai de mim! Jesus meu, houve um tempo em que eu também disse: “Crucifica-o, crucifica-o!” Foi quando Vos ofendi pelos meus pecados.

Agora arrependo-me deles mais que de todos os outros males e amo-Vos sobre todas as coisas, ó Deus de minha alma. Perdoai-me pelos merecimentos de vossa Paixão. — Ó Mãe de dores, Maria, fazei que no dia do juízo eu veja vosso Filho aplacado e não irado para comigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

7 + 11 =

Latest News

Um gesto de Bento XVI

As atitudes deste Papa invariavelmente nos dão muito o que pensar. Redação (01/12/2020 18:22, Gaudium Press) O último consistório...

Arquidiocese de São Paulo lança Novena de Natal 2020

Por conta da alta busca pelo subsídio, o mesmo será disponibilizado no formato digital no Portal da Arquidiocese, a partir da segunda semana de...

Catedral de Bruxelas promove exposição de presépios

Apesar das Missas públicas estarem suspensas na Bélgica por conta da epidemia de Covid-19, as igrejas permanecem abertas aos fiéis católicos para oração e...

Florescimento do eremitismo

Apavorados diante das perseguições, muitos cristãos fugiam para o deserto: principiavam então uma vida isolada, eremítica, contemplativa. Ao mesmo tempo em que floresciam os...

Catedral de Notre-Dame de Paris sediará concerto de Natal

Este será o primeiro grande evento desde o incêndio que atingiu o templo francês em abril de 2019. França – Paris (01/12/2020 11:00, Gaudium Press)...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet