Vergonhosa nota do Vaticano sobre o caso do Bebê condenado a morte

Vergonhosa nota do Vaticano sobre o caso do Bebê condenado a morte

30 de junho de 2017 5 Por Católica Conect

Charlie é um Bebê britânico de apenas 9 meses que nasceu com uma doença rara e que após longas batalhas judiciais teve sua sentença de morte decretada. Os pais de Charlie desesperados sem ter a quem mais recorrer enviaram um filial pedido ao Vaticano para  que ajudassem a manter a Criança viva, a resposta da Pontifícia Academia para Vida foi lamentável, uma verdadeira apologia a eutanásia, na carta assinada pelo seu prefeito o Arcebispo Vincenzo Paglia praticamente diz para os pais aceitarem a sentença. O interessante é que o Arcebispo é um progressista conhecido e foi responsável pela profanação na Catedral da Diocese de Terni-Narni-Amelia onde ele ordenou a pintura de cenas homoeróticas.

Confira a nota abaixo:

“O caso do bebê, Charlie Gard e seus pais, significou tanto dor como esperança para todos nós. Nos sentimos perto dele, a sua mãe, seu pai e todos aqueles que o cuidaram e lutaram juntos com ele até agora. Para eles, e para aqueles que são chamados a decidir o seu futuro, elevamos ao Senhor da Vida nossas orações, sabendo que “no Senhor, nosso trabalho não será em vão” (ICor 15,58)

A Conferência Episcopal da Inglaterra e do País de Gales, emitiu hoje uma declaração que reconhece acima de tudo a complexidade da situação, a dor dos pais e os esforços de tantos para determinar o que é melhor para Charlie. A declaração dos Bispos também reafirma que ‘nunca devemos agir com a intenção deliberada de acabar com uma vida humana, incluindo a remoção de nutrição e hidratação, para que a morte seja alcançada’, mas que ‘nós, às vezes, devemos reconhecer as limitações do que pode ser feito, enquanto atuam sempre humanamente ao serviço da pessoa doente até o momento de sua morte natural’.

A questão adequada a ser levantada neste e em qualquer outro caso infelizmente é semelhante a esta: quais são os melhores interesses do paciente? Devemos fazer o que promove a saúde do paciente, mas devemos aceitar os limites da medicina e, como indicado no parágrafo 65 da Encíclica Evangelium Vitae, ‘evite procedimentos médicos agressivos que sejam desproporcionais em relação aos resultados esperados ou excessivamente onerosos para o paciente ou família. Do mesmo modo, os desejos dos pais devem ser ouvidos e respeitados, mas também devem ser ajudados a entender a dificuldade única de sua situação e não devem ser responsabilizados apenas por suas decisões. Se a relação entre o médico e o paciente – ou os pais, no caso do Charlie – é interferida, tudo se torna mais difícil e a ação legal se torna um último recurso.

Caro Charlie, queridos pais Chris Gard e Connie Yates, estamos rezando por você e com você.

+Vincenzo Paglia – Presidente

Cidade do Vaticano, 28 de junho de 2017″ [1]

Que Deus possa cuidar e dar conforto a toda família!

Fontes:

[1] http://www.academiavita.org/_articles/2019945661comunication_case_charlie_gard.php
[2] Escolástica da Depressão