136. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

Must Read

1ª Semana Do Advento – Sábado

(roxo, pref. do Advento I, – ofício do dia) Vinde, Senhor, que estais acima dos querubins; mostrai-nos a vossa face...

Homem é preso ao tentar incendiar Basílica no Monte das Oliveiras

A Basílica foi construída sobre a rocha na qual Nosso Senhor Jesus Cristo rezou antes de sua prisão e...

Concurso de Presépios é promovido pela Arquidiocese de Salvador

A iniciativa faz parte do projeto “Salvador, Cidade Natal do Brasil” e tem por objetivo estimular a construção de...



[bmto id=”1″]https://www.youtube.com/watch?v=GKnoO-jm0Wg[/bmto]

Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja

Grande fruto que se tira da meditação da Paixão de Jesus Cristo

Domingo da Paixão: Quinta Semana da Quaresma

— “Abraão, vosso pai, desejou ansiosamente ver o meu dia: ele o viu e exultou de gozo” (Jo 8,56)

Sumário:

Não é sem razão que Abraão e com ele os demais justos do Antigo Testamento desejavam tão ansiosamente ver o dia do Senhor. Sim, porque depois da vinda de Jesus Cristo, é impossível que uma alma crente que medita nas dores e ignomínias que Ele sofreu por nosso amor, não se abrase em amor e não se resolva firmemente a tornar-se santa. Se, pois, queremos progredir no caminho de perfeição, meditemos a miúdo, e especialmente nestes dias, na Paixão do Redentor, e meditando afiguremo-nos que presenciamos os mistérios dolorosos.

I. Não é sem razão que o patriarca Abraão desejou ansiosamente ver o dia do Senhor; e que, tendo tido a ventura de vê-lo por uma revelação divina, ainda que em espírito somente, se alegrou em seu coração, como atesta o Evangelho de hoje. Sim, porque o tempo que se seguiu à vinda de Jesus Cristo, já não é mais tempo de temor, mas tempo de amor: Tempus tuum, tempus amantium (Ez 16 8)

Na Lei antiga, antes da Encarnação do Verbo, podia o homem, por assim dizer, duvidar se Deus o amava. Depois de O havermos visto, porém, morrendo por nós, exangue e vilipendiado sobre um patíbulo infame, já não podemos duvidar que Ele nos ame com toda a ternura. — Quem poderá jamais compreender, que excesso de amor levou o Filho de Deus a pagar a pena dos nossos pecados? E, todavia, isso é um ponto de fé: Dilexit nos, et lavit nos in sanguine suo (Ef 5,2) — “Ele nos amou, lavou-nos em seu sangue”. Ó misericórdia infinita! Ó amor infinito de Deus!

Mas porque é que tantos cristãos olham com indiferença para Jesus Cristo crucificado? Que na Semana Santa assistem à comemoração da morte de Jesus, mas sem algum sentimento de ternura e gratidão, como se não se comemorasse um fato verdadeiro, ou não lhes dissesse respeito?

Não sabem, ou não creem, porventura, o que os santos Evangelhos dizem acerca da Paixão de Jesus Cristo? Com certeza o creem, mas não refletem. Entretanto, é impossível que uma alma crente, que medita nas dores e ignomínias que Jesus Cristo padeceu por nosso amor, não se abrase de amor para com Ele e não tome uma forte resolução de tornar-se santa, a fim de não se mostrar ingrata para com Deus tão amante. Caritas Christi urget nos (2Cor 5,14) — “A caridade de Cristo nos constrange”.

II. Meu irmão, se queres sempre crescer em amor para com Deus e progredir na perfeição, medita a miúdo na Paixão de Jesus Cristo, conforme o conselho que te dá São Boaventura: Quotidie mediteris Domini passionem. Especialmente nestes dias, que procedem a comemoração da sua morte dolorosíssima, guiado pelos sagrados Evangelhos, contempla com olhos cristãos tudo que o Salvador sofreu nos principais teatros de seu padecimento; isto é, no horto das oliveiras, na cidade de Jerusalém e no monte Calvário.

Para que tires desta meditação o fruto mais abundante possível, representa-te os sofrimentos de Jesus Cristo tão vivamente, que te pareça veres diante dos olhos o Redentor tão maltratado, e sentires em ti mesmo as chagas que n’Ele abriram as pontas dos espinhos e dos cravos, a amargura do vinagre e fel, o pejo das ignomínias e dos desprezos: Hoc enim sentite in vobis, quod et in Christo Iesu (Fl 2,5) — “Senti em vós o que Jesus Cristo sentiu”.

Ao passo que assim meditas, repete muitas vezes com o Apóstolo: Tudo isso o Senhor tem feito e padecido por mim, para me mostrar o seu amor e ganhar o meu: Dilexit me, et tradidit semetipsum pro me (Gl 2,20) — “Ele me amou e se entregou por mim”. E não O amarei?

Sim, amo-Vos; † Jesus, meu Deus, amo-Vos sobre todas as coisas; e porque Vos amo, pesa-me de Vos haver ofendido, e proponho antes morrer do que Vos tornar a ofender. “Vos, ó Senhor onipotente, lançai sobre mim um olhar benigno, para que por vossa proteção seja regido no corpo e defendido na alma”. † Doce Coração de Maria, sêde minha salvação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

11 + dois =

Latest News

1ª Semana Do Advento – Sábado

(roxo, pref. do Advento I, – ofício do dia) Vinde, Senhor, que estais acima dos querubins; mostrai-nos a vossa face...

Homem é preso ao tentar incendiar Basílica no Monte das Oliveiras

A Basílica foi construída sobre a rocha na qual Nosso Senhor Jesus Cristo rezou antes de sua prisão e crucificação. Israel – Jerusalém (04/12/2020 16:40,...

Concurso de Presépios é promovido pela Arquidiocese de Salvador

A iniciativa faz parte do projeto “Salvador, Cidade Natal do Brasil” e tem por objetivo estimular a construção de presépios, despertando a criatividade e...

Covid-19: Católicos Sírios desafiam fechamento de Igrejas e ordem de receber comunhão nas mãos

Arcebispo maroronita de Damasco, descreve rejeição dos fiéis católicos ao fechamento de igrejas e ao mandato de receber a comunhão na mão. Redação (04/12/2020, 14:40, ...

Sacerdote católico é libertado após ser sequestrado na Nigéria

O sacerdote havia sido sequestrado por um grupo de homens, no dia 22 de novembro, durante um atentado contra sua comunidade. Nigéria – Abuja (04/12/2020...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet