1400 crianças abusadas sexualmente por muçulmanos, a notícia que mídia tenta esconder

Must Read

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a...



Em 2013, na pequena cidade inglesa de Rotherham veio a público o maior escândalo sexual do XXI, 1400 crianças inglesas com idades variando entre 9 a 13, foram sequestradas, estupradas, obrigadas a consumir drogas e vendidas por e para o consumo de muçulmanos. Os perpetradores dessa aberração inimaginável foram “refugiados” paquistaneses, seguindo os preceitos do islã, e o exemplo de seu profeta Maomé, que segundo o próprio Alcorão teve relações sexuais com sua esposa de 9 anos. Na cidade de cerca de 110 mil habitantes, apenas cerca de 8 mil paquistaneses dos quais a vasta maioria estava envolvida direta ou indiretamente com o gigantesco círculo de pedofilia. Foi graças a proteção da comunidade paquistanesa que o abuso persistiu por quase 20 anos, entre 1997 e 2013. Mas houve outros dois grandes e monstruosos culpados: a policia e mídia.

Talvez mais correto seria culpar o governo esquerdista, do que a polícia. Foi averiguado e admitido pelas próprias autoridades polícias, o abuso sexual era de amplo conhecimento das autoridades. Mas devido a pressão do governo Britânico, que se esforça para esconder as estatísticas que mostram que “refugiados” são dezenas de vezes mais propensos a cometer crimes do que os nativos ingleses, a existência dos traficantes sexuais muçulmanos foi escondida.

O terceiro e mais asqueroso culpado é a mídia. Os paquistaneses podem tentar se justificar apontando para o islamismo. A polícia pode se refugiar na máxima que estava apenas cumprindo ordens. Mas a mídia não possui absolutamente nenhuma desculpa para sua conduta virtualmente criminosa. Que tipo de criatura é capaz de após tomar conhecimento do estupro e tráfico de mais de 1400 crianças, decide enterrar a notícia, a noticiando com o mínimo de destaque ou mesmo simplesmente ignorando a existência dos fatos? Esses são monstros ainda piores que os estupradores.Como os responsáveis pela Rede Globo e outras das principais mídias do país que ao não darem o devido destaque para a notícia abrem as portas para a história se repetir. Com a sansão da nova lei de imigração, graças novamente a omissão da mídia, Quem sabe a próxima Rotherham será no Brasil.

 

Fonte: cesarweis.com

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

treze − dez =

Latest News

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia de culto público. Bréscia – Itália...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a Maria para conduzir almas a...

“Morte ao Nazareno”: Novo grito de “Crucifica-o!”?

Declarar “morte ao Nazareno” é uma frase que demonstra um ódio total à Santa Igreja Católica e seus ensinamentos ao longo dos séculos. Redação (26/10/2020...

Papa no Angelus: o verdadeiro amor ao próximo baseia-se no amor a Deus

Não é verdadeiro amor a Deus o que não se expressa no amor ao próximo; não é amor verdadeiro ao próximo o que não...

More Articles Like This