21.6 C
São Paulo
segunda-feira, julho 26, 2021

Benin celebra 160 anos de Evangelização

Há 160 anos houve um projeto para a Igreja Católica criar uma presença de missionários no Benin que já era frequentada por europeus escravagistas.

Há 160 anos houve um projeto para a Igreja Católica criar uma presença de missionários no Benin que já era frequentada por europeus escravagistas.

Cotonou – Benin (15/04/2021, 19:25, Gaudium Press) – No República de Benin, na África, chamado de Daomé até 1980, “O trabalho missionário foi a semente da qual germinou o clero beninense e gerações inteiras de cristãos convictos, cuja visão e ação contribuíram para fazer da nossa Igreja no Benin uma Igreja capaz de enriquecer a todos com os seus dons”.

Assim escreveu o Professor universitário Romain Hounzandji, por ocasião dos 160 anos de evangelização no Benin.

Em abril de 1861, há 160 anos, houve um projeto de fixar a Igreja Católica no país

Quando os padres Francesco Borghero e Francisco Fernández, missionários da Sociedade para as Missões Africanas (SMA), chegaram à Costa dos Escravos, como era então chamado o sul do Benin, era o 18 de abril de 1861.

Na verdade, eles não foram os primeiros missionários a entrar em contato com os súditos do poderoso Reino do Daomé, mas pela primeira vez houve um projeto da Igreja Católica para criar uma presença estável de missionários naquelas terras, já frequentadas por europeus para o comércio de escravos.

Em um país de 8,8 milhões de habitantes, com apenas 27% de católicos, existem 523 instituições educacionais católicas

O padre Didier Affolabi, diretor nacional da educação católica, lembra que uma das primeiras ações dos padres Borghero e Fernández, em 1862, foi abrir uma escola para as crianças da região.

Hoje, em um país de apenas 8,8 milhões de habitantes, dos quais 27% são católicos, existem 523 instituições educacionais católicas, incluindo 113 jardins de infância, 266 escolas primárias, 138 escolas secundárias e preparatórias, 5 universidades e uma Escola de formação de professores.

A Igreja do Benin tem a tarefa de evangelizar muitos católicos que têm um pé na Igreja e outro em templos de religiões primitivas

Um jornalista católico falando sobre os desafios do futuro da Igreja Beninense comenta:
“A Igreja do Benin tem diante de si a imensa tarefa de evangelizar em profundidade e, infelizmente, ainda hoje muitos católicos têm um pé na Igreja e outro nos templos das religiões primitivas, onde lhes é prometido poder e riqueza a um bom preço ”.

Em um século e meio a Igreja Católica contribuiu para a formação da nação beninense

“Neste século e meio de presença, a Igreja Católica contribuiu para a construção da nação beninense e teve grande influência nos setores sociais da educação, saúde, política, formação de consciências, cultura de paz”, afirma Modeste Kpodéhoto, operador financeiro que fala na ocasião sobre a evangelização no país.

Transformar o homem beninense, desde as suas raízes, com a vara do Evangelho

“Devemos conseguir transformar o homem beninense, desde as suas raízes, com a vara do Evangelho.
Uma transformação alcançada pela mensagem de Cristo nas profundezas do seu ser pode ser uma luz que irradia o bem ao seu redor, para o bem-estar da Igreja e da Nação ”, diz para terminar o beninense Paul Kiti, estudioso de filosofia. (JSG)

(Com informações Fides)

The post Benin celebra 160 anos de Evangelização appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Ultimas Notícias