InícioNotícias da IgrejaBispo ucraniano: Não lutamos com armas, mas com o Rosário

Bispo ucraniano: Não lutamos com armas, mas com o Rosário

Published on

“Somos os combatentes de Deus, não com armas, mas com o rosário. Não no campo de batalha, mas de joelhos diante do Santíssimo Sacramento”.

Foto: Imagem de <a href="https://br.freepik.com/search?format=search&query=soldado%20rosario%20m%C3%A3o%20&selection=1&type=photo">Freepik</a>

Foto: Imagem de Freepik

Redação (19/02/2024 17:04, Gaudium Press) Dois anos desde o início do conflito, o Arcebispo Mieczysław Mokrzycki, o metropolita de Lviv, compartilha seus sentimentos em uma entrevista à Rádio Vaticano – Vatican News, destacando que, em meio a este período sombrio, toda a Ucrânia está unida em orações. “Nós somos guerreiros de Deus, não com armas, mas com o rosário. Não nos campos de batalha, mas ajoelhados diante do Santíssimo Sacramento”.

Ao refletir sobre o segundo aniversário da guerra em larga escala na Ucrânia, o arcebispo comenta uma passagem do Evangelho que, neste momento, chama a atenção: “Não existe árvore boa que dê frutos ruins, nem árvore ruim que dê frutos bons. Pois cada árvore é conhecida pelos seus frutos.” “Essas palavras são a voz da verdade ao avaliar o comportamento daqueles que, ao seguir pelo caminho do mal, produzem frutos amargos para os outros. Apesar de declararem a intenção de defender e libertar, acabam gerando guerra em vez de paz, ódio em vez de amor, e medo em vez de tranquilidade. Esta é a colheita amarga e azeda resultante de suas ações.

“É doloroso constatar que, algumas décadas após o término da Segunda Guerra Mundial, estejamos mais uma vez defendendo nossa liberdade e refletindo sobre a incapacidade dos seres humanos de lembrar os horrores que a guerra deixou para trás. No entanto, nós nos lembramos perfeitamente: a maioria apenas através dos registros históricos, mas há pessoas que se lembram desse período como uma experiência pessoal.

Vida cotidiana na Ucrânia em meio à guerra

“Infelizmente, a realidade cotidiana na Ucrânia é marcada pela continuidade das atividades militares. Mísseis e drones continuam atingindo pessoas e cidades, ceifando vidas de soldados e civis inocentes. Um grande número de pessoas é ferido, desalojado, privado de meios de subsistência e falta de trabalho. O medo, a ansiedade e a incerteza gerados por esses eventos afetam consideravelmente muitas crianças, adultos e até religiosos que caem em desespero, depressão e outras doenças psicológicas. Nessa situação, a Igreja tem o compromisso de ajudar a todos. Ajudamos os soldados que estão lutando por meio do serviço de capelania, organizamos a distribuição de alimentos, medicamentos, equipamentos e até mesmo a compra de drones. Continuamos a receber deslocados internos, organizamos ajuda humanitária e os enviamos para zonas de guerra. Também fornecemos essa ajuda a famílias pobres em nossas paróquias. Organizamos uma ampla atividade pastoral para fortalecer a fé e a esperança dessas pessoas.

Manifestação da fé

Entretanto, como encontrar esperança em meio a esta dura realidade? “O que me renova as forças e esperança e aviva a minha fé é constatar que a Providência Divina nunca nos abandona e perceber a manifestação da fé vigorosa nas pessoas ao nosso redor. Um soldado compartilhou sua experiência em campo de batalha. Em meio ao combate, eles ficaram sem munição e a situação parecia sem saída. Tinham de permanecer nas trincheiras, cientes de que sair seria enfrentar a morte iminente. Em meio a essa agonia, foram surpreendidos ao avistar soldados russos se aproximando. Um dos soldados ucranianos, cujo tio havia falecido na guerra e a família se preparava para o funeral, fez uma prece: “Ó Senhor Deus, por favor, faça algo, pois minha família não sobriveverá a dois funerais”. Após um tempo de angústia, os russos pararam, deram meia-volta e se retiraram. Para o soldado e para todos nós, foi um milagre visível, um sinal da intervenção de Deus.

“Outro relato significativo é o do irmão de um sacerdote, que trabalha como médico em campo de batalha e, em determinada ocasião, confidenciou ao irmão: ” Você sabe que não sou religioso, mas sei que só estou vivo graças às suas orações e às de seus colegas”.

A força da oração

[…] “No momento particularmente difícil em que a Ucrânia se encontra, permanecemos vigilantes diante da cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Hoje, como a guerra se tornou uma realidade, temos uma necessidade ainda maior de abraçar a cruz e permanecer ligados a esse sinal de amor e salvação, o sinal da vitória da vida sobre a morte, do amor sobre o ódio, da verdade sobre a mentira, da humildade sobre o egoísmo. Neste momento difícil, a Ucrânia também precisa de solidariedade e pessoas de bom coração para perseverar.

“Nossa oração deve ser como o incenso que sempre tem apenas uma direção, da terra para o céu. Ela deve ser o grito de um só coração e de um só espírito.

[…] Na experiência do sofrimento, nossa arma na luta pela paz é a oração. Somos os combatentes de Deus, não com uma arma, mas com o Rosário. Não no campo de batalha, mas de joelhos diante do Santíssimo Sacramento. Dessa forma, abraçamos o país inteiro com uma corrente de orações, especialmente por aqueles que, na linha de frente dessa guerra insana, em nosso nome e por nossa causa, lutam pela liberdade da pátria. Dessa forma, trazemos um senso de segurança e solidariedade para nossa vida.

Confiança em Nossa Senhora

[…] “Imediatamente após o ato de consagração da Rússia e da Ucrânia pelo Papa Francisco no Vaticano, bem como em nossas paróquias e dioceses, vimos que no sábado seguinte o exército russo se retirou de Kiev. Nossa Senhora de Fátima incentivou a oração, a penitência e a conversão. Também vemos isso em muitos dos fiéis de nossa Igreja e de outros ritos e denominações. As pessoas percebem que a única salvação está em Deus e que somente um milagre pode salvar a Ucrânia. E esses são os frutos da confiança na Mãe de Deus. Apesar dessa situação difícil, as pessoas não perdem a esperança. Elas ainda têm muita força e otimismo. Elas sabem como demonstrar grande solidariedade e apoiar umas às outras. Em tudo isso, elas veem a necessidade da oração e da ação da graça de Deus. Os soldados frequentemente falam do poder da oração que experimentam e são gratos a todos que rezam por eles”.

Com informações Vatican News

The post Bispo ucraniano: Não lutamos com armas, mas com o Rosário appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

3º Domingo da Páscoa: um convite ao verdadeiro amor

Amor, palavra que precisa ser devidamente compreendida, conforme nos propõe a Liturgia deste 3º...

Santa Ludovina

Na Holanda, Santa Ludovina, cuja memória é celebrada no dia 14 de abril, suportou...

Atentado de Anagni

O Rei Felipe, o Belo, neto de São Luís IX, promoveu contra o Papa...

Mosteiro europeu sem falta de vocações

Atualmente, quase 100 monges residem no mosteiro cisterciense de Heiligenkreuz, localizado ao sul de...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...