CNBB surpreende e pede que bispos escolham um exorcista para cada diocese

Must Read

São Pedro de Alcântara: o Santo espanhol proclamado padroeiro do Brasil

Em 1826, o Papa Leão XII, atendendo um pedido de Dom Pedro I proclamou São Pedro de Alcântara padroeiro...

Rezem o Terço, recomenda o Papa: “a Virgem é sinal de consolação e esperança certa”

Rezem o Terço, sinal de consolação e de esperança; elevem o olhar a Nossa Senhora como fazem hoje em...

Reitor de Fátima no Dia das Missões: Qual o lugar que damos a Deus em nossas Vidas?

Reitor do Santuário exorta peregrinos a “viver todas as dimensões da vida a partir da fé”, ter Deus no...


“Exorcismos: reflexões teológicas e orientações pastorais”

Documento doutrinal lançado pela CNBB reforça a indicação canônica de que cada Diocese possua um exorcista nomeado pelo Bispo.

O título acima é do subsídio doutrinal n. 9, recém-publicado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé da CNBB, presidida por Dom Pedro Carlos Cipollini, Bispo de Santo André (SP).

O estudo nasceu porque a referida Comissão – “instada a tratar deste tema polêmico qual seja a ação do maligno, a possessão diabólica, os exorcismos e as orações de cura e libertação” – quis entregar ao público um documento “que, apesar da sua brevidade, pode ajudar a iluminar a situação, fornecendo elementos de compreensão e ação pastoral apropriada”. Em outras palavras fundamentadas em São João Crisóstomo: não se fala do diabo por mero prazer, mas, sim, porque ao tratar dele se tem a ocasião de expor uma doutrina útil a todo o Povo de Deus (cf. Apresentação, p. 10).

Quem, com certo preparo eclesial, percorre as páginas do livro sente alegria por ver nele um material breve, conciso e firmemente alicerçado na doutrina e disciplina da Igreja (cf. p. 15) que afirma a existência do demônio e, por conseguinte, sua ação no mundo (cf. p. 17-41). Esta é ordinária ou comum quando o maligno tenta os seres humanos ao pecado ou extraordinária nos casos de possessão diabólica aos quais a Igreja, aplica, pelo poder que Cristo lhe deu (cf. p. 29-31, 39 e 41), de modo muito sábio e prudente, o exorcismo, segundo um Ritual por ela mesma aprovado.

“Exorcizar quer dizer expulsar um demônio, conjurando-o em nome de Deus” (p. 43). O exorcismo consta da forma deprecativa e imperativa: na primeira, pede-se ao Senhor que afaste de nós todo mal, personificado ou não (“exorcismo menor”), na segunda, dão-se ordens diretas ao demônio (“exorcismo maior”).
Tem-se para o exorcismo maior ou solene um Ritual próprio publicado pela Santa Sé, em 1998, e dado a lume no Brasil pela Paulus Editora, em 2005. Seu conteúdo consta de uma Introdução, do Rito de exorcismo em si e de um Apêndice com orações a serem usadas por todos fiéis a fim de se libertarem do poder das trevas (cf. p. 43-45).

Duas normas gerais se fazem importantes: 1) os padres exorcistas devem ser nomeados pelo Ordinário local, via de regra, o Bispo diocesano ou quem lhe faz a vez, conforme o cânon 1172 do Código de Direito Canônico. No entanto, “o exorcista não é alguém que vive para expulsar demônios, pois a sua missão é proclamar o Evangelho, catequizar e, sempre que necessário, impor as mãos sobre os enfermos ou rezar pelos possuídos” (p. 49); quanto aos leigos, não é lícito dirigir orações para obter a expulsão do demônio, nem interpelá-lo a deixar o possesso, de acordo com a Instrução sobre o Exorcismo, da Congregação para a Doutrina da Fé, de 1985 (cf. p. 50-51).

Por fim, o documento da CNBB traz 11 indicações pastorais que podem ser assim sintetizadas: 1) discernimento e análise interdisciplinar da ação do maligno no mundo a fim de se separar realidade e fantasia; 2) conhecer a complexidade que envolve o assunto, de modo a se evitar exagerar o poder diabólico ou traçar um perfil infundado do diabo; 3) ante os que negam a ação diabólica e a eficácia do exorcismo, demonstrar que a realidade é muito mais do que se pode comprovar apenas pelas ciências empíricas; 4) valorizar o sacramento da Confissão e da Unção dos Enfermos (no caso de doentes), bem como a devoção à Virgem Maria e aos santos, além do jejum e da oração, como meios de se livrar do tentador; 5) catequizar o povo no que diz respeito à água e ao sal bentos; 6) reforçar o valor da salvação oferecida por Cristo em vez de supervalorizar a ação diabólica; 7) cada diocese tenha um exorcista devidamente preparado; 8) acolher com apreço e oração quem tem problemas de ordem psicológica, mas recorrem à Igreja; 9) rever o conceito de Missa de “cura e libertação”, pois a Eucaristia é a celebração memorial da presença pascal que devemos participar; 10) a limitação da prática do exorcismo não deve desestimular nenhum fiel de pedir ao Senhor que o livre do mal (cf. Mt 6,13) e 11) evitar pregações que incutem medo exagerado do demônio (cf. p. 51-57).
A obra é, portanto, de grande valor no momento atual da vida da Igreja. Merece leitura, atenção e aplicação prática.

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo (SP).

Fonte: https://familiaunacatolica.blogspot.com.br/

1 COMENTÁRIO

  1. Demorou! Fico abismado quando Jesus nos fala: ide pregai e curai os doentes, impondo lhes as maos e expulsando o demonio. So agora qua a igreja acordou pra isso? Qualquer pastor evangelico expulsa o demônio em nome de Jesus. Era pra ter um em cada igreja, pta isdo o Senhor nos dá condição.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

1 × 2 =

Latest News

São Pedro de Alcântara: o Santo espanhol proclamado padroeiro do Brasil

Em 1826, o Papa Leão XII, atendendo um pedido de Dom Pedro I proclamou São Pedro de Alcântara padroeiro...

Rezem o Terço, recomenda o Papa: “a Virgem é sinal de consolação e esperança certa”

Rezem o Terço, sinal de consolação e de esperança; elevem o olhar a Nossa Senhora como fazem hoje em todo o mundo um milhão...

Reitor de Fátima no Dia das Missões: Qual o lugar que damos a Deus em nossas Vidas?

Reitor do Santuário exorta peregrinos a “viver todas as dimensões da vida a partir da fé”, ter Deus no centro da vida e imitar...

Santuário de Frei Galvão está preparado para festejar seu padroeiro

Canonizado pelo Papa Bento XVI, Santo Antônio de Sant’Ana Galvão se tornou o primeiro santo, declarado oficialmente pela Igreja Católica, que nasceu, viveu e...

Por que Deus mandou fazer uma serpente de bronze?

Deus anunciou um mistério por meio do qual haveria de destruir o poder da serpente, autora da pecado de Adão. Redação (18/10/2020 20:59, Gaudium Press)...

More Articles Like This