Duas lésbicas progressistas matam as seis crianças que adotaram e a mídia progressista a esconde

29

 

O grupo formado por duas mulheres brancas lésbicas com seis crianças negras adotadas tornou-se um ícone para a mídia de progressão. Verificou-se que as crianças foram drogadas antes que as mulheres acelerassem para causar um acidente fatal.

No esquema ideológico da esquerda, os homens heterossexuais são violentos e opressivos, e as mulheres e os homossexuais são seres oprimidos. Mas o que acontece se uma notícia quebrar esse esquema?

Em março do ano passado, o New York Post reportou  a morte nos EUA de duas lésbicas brancas com as seis crianças negras que haviam adotado . As mulheres, Jennifer e Sarah Hart, costumavam postar fotos de si mesmas e das crianças com gestos sorridentes no Facebook. Parecia tudo muito idílico, um exemplo de “família progressista” e “inclusiva” , usando termos muito comuns em certas mídias.

De fato,  Jennifer e Sara apoiou o candidato esquerdista Democrática Bernie Sanders  (na imagem acima destas linhas, vemos as oito camisas azuis apoiar sua candidatura em um comício realizado em Vancouver em 20 de Março, 2016,  em vídeo o rally  aparece atrás do rostro, à direita). Eles também levou as crianças para uma demonstração em 2014 em Portland contra a brutalidade policial contra os negros: um de seus filhos, Devonte, chorando abraçou um policial.  A imagem deu a volta ao mundo e tentar a explicar isso ,  Jennifer disse o agente pediu ao filho um abraço .

Esquerdista Bernie Sanders, um dos candidatos de primárias do Partido Democrata, em um comício em Vancouver em 20 de março de 2016. Por trás da arquibancada, direita, foram Jennifer e Sarah Hart e cinco filhos adotados, vestindo camisas de apoio azuis para Sanders (fonte: Tristan Fortsch, KATU News).
Esquerdista Bernie Sanders, um dos candidatos de primárias do Partido Democrata, em um comício em Vancouver em 20 de março de 2016. Por trás da arquibancada, direita, foram Jennifer e Sarah Hart e cinco filhos adotados, vestindo camisas de apoio azuis para Sanders (fonte: Tristan Fortsch, KATU News).

Perfurando uma menina de seis anos de idade, crianças famintas e subdesenvolvidas

No entanto,  a morte dos oito revelou uma história de abuso de crianças por mulheres.  Os três primeiros foram adotados em 2006 e os outros três em 2008. Em setembro de 2008, uma das meninas,  Hannah, então com seis anos de idade, disse à polícia que Jennifer a havia atingido em um cinturão.

O casal alegou que os ferimentos da menina foram devidos a uma queda, e a polícia fechou o caso sem tomar nenhuma ação. Os vizinhos disseram que as  crianças se comportavam como robôs, até ir ao banheiro tinham que pedir permissão e, por qualquer razão, eram punidos sem comer.

Em 2010 e 2011, as crianças encenaram vários incidentes na escola para procurar comida no lixo ou tirar a comida de outras crianças. Em 2011, Sarah foi condenada por agredir e socar uma das garotas, Abigail, então com 6 anos de idade.  Uma professora descobriu que a garota tinha um corpo inteiro de hematomas. Depois dessa frase, as crianças pararam de ir à escola.

Uma garota relatou que Jennifer e Sarah eram racistas e abusaram dela

Em julho de 2013,  o Estado de Oregon emitiu um relatório de 30 páginas cheio de alegações de abuso contra crianças. Vários deles eram pequenos demais para suas idades.  Jennifer e Sarah argumentaram que as crianças sempre foram menores que o normal. Um médico os examinou e não demonstrou preocupação, observa o  The Washington Post .

Após se mudar para Washington em 2017,  a polícia recebeu uma denúncia de que Hannah  – e com 16 anos, mas parecia muito mais jovem para sua estatura tinha saltado para fora da janela do segundo andar de madrugada e apareceu na casa de vizinhos desaparecidos dois dentes. A menina disse a seus vizinhos que Jennifer e Sarah eram racistas e estavam abusando dela.  No entanto, as crianças pediram aos vizinhos que não ligassem para a polícia porque não queriam se separar de seus irmãos.

Outro dia Devonte apareceu na casa daqueles vizinhos pedindo comida. Quando o menino abraçou aquele policial em 2014, ele e seus irmãos foram maltratados e com fome por anos.  Finalmente,  em 23 de março do ano passado, um vizinho relatou o que estava acontecendo.  Quando a polícia chegou à casa, ninguém abriu a porta. No dia seguinte, as mulheres fizeram as malas e saíram do local de residência em Woodland (Washington) para a Califórnia. Um dia depois, seu veículo descia por um penhasco perto de São Francisco.  Dentro estavam as duas mulheres e as seis crianças.

Kevonte, uma das crianças adotadas por Jennifer e Sarah Hart, chorando e abraçando um policial em Portland em 2014, durante uma manifestação contra a violência policial contra os negros.  Jennifer disse que o agente pediu um abraço.  No entanto, naquela época, as crianças estavam sofrendo de fome e abuso por anos (fonte: Johnny Huu Nguyen / AP).
Kevonte, uma das crianças adotadas por Jennifer e Sarah Hart, chorando e abraçando um policial em Portland em 2014, durante uma manifestação contra a violência policial contra os negros. Jennifer disse que o agente pediu um abraço. No entanto, naquela época, as crianças estavam sofrendo de fome e abuso por anos (fonte: Johnny Huu Nguyen / AP).

Um júri confirma que o acidente foi na verdade um homicídio

Na semana passada,  um júri da Califórnia determinou que o incidente não foi um acidente, mas um ato deliberado , de modo que as mulheres cometeram suicídio e a morte das crianças passou a ser considerado um homicídio. De acordo com uma testemunha,  o veículo acelerou antes de cair do penhasco  na madrugada de 26 de março de 2018.

Além disso, as autópsias realizadas revelaram que  as crianças foram drogadas antes do homicídio.  Conforme estabelecido no processo judicial, as mulheres decidiram que, se não pudessem ter filhos, ninguém o faria.

Mídia progressista espanhola esconde o crime

Eu procurei esta notícia em alguns meios de comunicação espanhóis, que tendem a apoiar o feminismo de esquerda e ideologia de gênero, e encontrei algo curioso:  a mídia como El País, La Sexta, Telecinco, Cadena SER, Eldiario.es, Public e O espanhol não Eles não publicaram nada sobre este crime , apesar do fato de que eles dão todo tipo de notícias de eventos que ocorreram tanto na Espanha quanto no exterior.

É notícia que outros meios de comunicação espanhóis e uma multidão de meios de comunicação estrangeiros publicaram. Como parece,  se uma notícia contradiz radicalmente os preconceitos progressistas, então ela está oculta.  Não é a primeira vez que eles silenciam notícias desconfortáveis, e não será a última.

* Originalmente publicado pela Elentir na Contando Estrelas.

29 COMENTÁRIOS

  1. Sabe o que é curioso? Dizem de forma generalizada que gays morrem por ser gays. E quando eles cometem um crime por causa da ideologia de gênero e afins, não cometem por ser gays mas simplesmente porque ‘pessoas são maldosas’ ?

  2. Exato! Mataram porque eram
    Criminosas e não mulheres, muito menos lésbicas. Acontece da mesma maneira na lei de feminicídio. Pra que ? Porque não existe masculinicidio? A questão é que estamos em um tempo em que queremos punir o outro baseado em seu bem pessoal e não em um bem comum.

  3. O diabo veio para matar, roubar e destruir. O pai da mentira é um habilidoso orador e sua grande habilidade é conseguir manipular as pessoas ao ponto dessas acharem que ele não existe. A ideologia de gênero, o homossexualismo, o feminismo são ferramentas do próprio diabo para confundir o homem e destruir a humanidade. Muitos de nós, nao enxergamos as sutis habilidades do demônio, porque ele age de forma muito discreta, ele já conseguiu enganar a humanidade e seu maior feito e fazer o homem de seu animal de testes.

    • Ué? E quando um homem mata uma mulher, é feminicídio por que então? Quando um homem mata um gay, é o que então? (Estatisticamente, 70% dos casos de homicídio de homossexuais são por motivos passionais e não por discriminação.)
      Porem, concordo que todos os que cometem barbaridades deste tipo são desajustados, principalmente por serem pessoas com pouca compaixão.

  4. Não seja ignorante, existem pessoas que pensam dessa forma sem professar alguma religião. Com esse seu comentário vc mostra que é preconceituosa e intolerante com evangélicos. Saiba que no meio evangélico tem opiniões diversas assim como em qualquer seguimento da sociedade. Uma coisa que o evangélico não concorda é adoção de crianças por casais homosexuais e isso é opinião que não precisa ser aceita, porém respeitada assim como vc não é obrigada a aceitar as doutrinas das igrejas.

  5. Se essas mulheres adotaram esses menores – devem ter total responsabilidade na educação, saúde e integração delas à sociedade – não deve julgar procedimentos para (racismo ou gênero) mas as atitudes de mulheres irresponsáveis, maldosas e loucas para executar friamente 6 crianças em idade precoce – e além disso o suicídio delas – ou de uma delas – é extremamente desumano e irracional. Minha opinião. Cada pessoa que tem seus julgamentos deve ter conhecimento da justiça Divina e não um julgamento religioso associada a tal igreja ou seita.

  6. Fala da mídia espanhola pq foi publicado originalmente em um site espanhol, conforme link no final da materia, além disso têm os links em azul na matéria que pode confirmar a publicação do New York post, portanto não é fake. No final da matéria consta:* Originalmente publicado pela Elentir na Contando Estrelas.

    • isso foi uma exceção, perto do numero de casos de homossexuais sendo agredidos, isso e muito pequeno, não finja que nao sabe disso. e a mesma coisa que você falar que os casos de mulheres agredindo homens são escondidos pela mídia. como eu disse, procure sites confiáveis, e pense antes de comentar

      • Laura, verifique as estatísticas de homicídios em delegacias e você concluirá que 70% dos casos, são de ordem passional e não discriminatória. Ou seja, 70% dos casos de agressão e homicídio ocorre pelo parceiro da vítima.
        A rebeldia e o protesto contra o preconceito, são aceitáveis. Porém quem se rebela e protesta, está cometendo o mesmo erro que aponta no outro.
        A rebeldia, faz com que aquele que foi atingido, se sinta no direito de fazer o mesmo. Na verdade, quem protesta, está de forma inversa, descriminalizando o outro também. Está desta forma, cometendo a mesma discriminação com aquele que pensa de modo diverso do seu.

  7. essa noticia esta adulterada. a noticia real diz que as mulheres estavam alcoolizadas, e cometeram suicídio jogando o carro, junto com as seis crianças. infelizmente uma tragédia. mas isso não da pra jugar e condenar homossexuais, pois isso e uma exceção. antes de compartilharem essas noticias, procurem sites confiáveis, vamo combinar? CatolicaConect nao e la um site muito confiável. OBIVIAMENTE uma noticia envolvendo homossexuais vai ser adulterada para passar os valores da igreja católica. procurem sites confiáveis.

    • Serio isso? E o caso do Rhuan do Acre, foi oq estavam alcoolizadas? Ja viu casos de pessoas q se drogam para poder cometer o ato? E outra, foda-se se sao gays a questao q as mulheres cometem crime, fazem falsa acusacao, sao as que mais praticam violencia domestica, matam e abusam de criancas, idosos, e como a mídia esta vinculada à ONU, passam pano. Mas tu vera o efeito cascata que recairá sobre as mulheres de amanha.

  8. As crianças foram negligenciadas pelo sistema. Por quê? Depois de anos pedindo ajuda ninguém acreditou nelas? Nem ao menos investigaram? Por quê? Será que se fosse um casal hetero que não tinha ligações com movimentos políticos de esquerda teria sido diferente? Mídia não ajudou a denunciar os maus tratos enquanto as crianças poderiam ser salvas desses dois monstros por que motivo iria denunciar depois? A maior revolta que sinto aqui é saber que seus inocentes foram torturados e oprimidos por duas porcarias de pessoas de forma explícita e ninguém se opos. Que tipo de jornalismo é esse?

  9. são pessoas vazias, sem amor nem por si propria, na midia querem aparecer e sobreviver de luxuria e no poder e quem ver cara não ver coração.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui