New York aprova aborto até o nono mês

Must Read

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a...

Infanticídio aprovado

Até então no estado era permitido o aborto até a 24ª semana, porém, a Lei para a Saúde Reprodutiva a mãe pode matar a criança até às vésperas do seu nascimento. Somente dois bispos americanos se manifestaram nas redes sociais manifestando repúdio a tal lei e dizendo que as leis canônicas devem ser aplicadas aos católicos que a aprovam.

O Senado do estado de Nova York (Estados Unidos) aprovou no dia 22 de janeiro uma nova lei do aborto que permitirá esta prática durante toda a gravidez.

Esta norma permitirá aos profissionais de saúde, como praticantes de enfermaria e médicos assistentes, que realizem abortos. Além disso, endossa o aborto tardio em qualquer momento em caso de inviabilidade fetal ou “quando for necessário para proteger a vida ou a saúde de um paciente”.

Se o bebê sobreviver ao aborto, o profissional que está realizando pode deixá-lo morrer.

A lei, foi promulgada no 46°aniversário da Roe vs Wade que legalizou o aborto nos EUA em 1973, também transfere esta prática do código penal para o código de saúde.

A norma estabelece que o aborto continuará sendo legal no estado de Nova York, mesmo se a Suprema Corte reverter a decisão Roe vs. Wade.

Se a Suprema Corte reverter a decisão de Roe vs. Wade, o que poderia ocorrer após a nomeação do juiz Brett Kavanaugh, a aprovação do aborto deixará de estar nas mãos do governo federal dos Estados Unidos, mas vai depender de cada estado.

Isso seria possível porque, embora a reversão da decisão não tornasse o aborto ilegal, daria a cada estado a capacidade de decidir por si mesmo; como aconteceu em Nova York com a assinatura desta lei que permite o aborto a qualquer momento durante a gravidez.

Foto de feto na 24ªsemana de gestação
Foto de feto na 24ª semana de gestação.

Um governador católico

No caso, o governador de New York, Andrew Cuomo, é declaradamente católico, ao assinar a sentença de morte de milhares de crianças ele se torna cúmplice.

O direito canônico deixa claro que quem aprova, corrobora e pratica o aborto pode ser excomungado: “quem provoca aborto, seguindo-se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae“. (O Cânon 1398)

“A excomunhão latae sententiae significa que, no momento em que o aborto é cometido, um juiz superior (Deus) julga, condena e executa a pena. Não necessita de declaração posterior de quem quer que seja. É automática e só pode ser levantada (suprimida) com a absolvição do Bispo local ou com a de quem ele conferir essa capacidade”. Explica padre Paulo Ricardo em seu blog.

Mais à frente porém, ele deixa claro que o efeito só é válido se a pessoa tem consciência do crime que cometeu e da pena que lhe espera, no caso a excomunhão.

Quem tem direito à vida?

O aborto, além de tratar o ser humano de uma forma utilitarista, ele elimina as pessoas simplesmente pelo fato de existirem e serem quem são. Não há diferenças com os grandes crimes contra a humanidade.

Abortistas hoje não estão distantes dos nazistas, que durante a II Guerra Mundial esterilizaram cerca de 140 mil judeus além de ter assassinado 6 milhões, simplesmente pelo fato serem considerados “inferiores”.

Algo semelhante aconteceu em diversos momentos da história:

Estima-se que nos EUA 67% dos abortos são de crianças diagnosticadas com síndrome de down. Também lá, quando a mãe está grávida de trigêmeos, o bebê menor é abortado, simplesmente por ser o menor.

A China obrigou as famílias a terem meninos e abortar as meninas, por serem meninas; em Ruanda os tutsis foram dizimados por serem tutsis.

Além de abjeta tal Lei aprovada em New York é uma prática monstruosa de seleção eugenista: decide-se quem vive e quem morre, quem é capaz ou incapaz. O ser humano está se tornando a sua pior versão.

Rezemos para que o Senhor tenha misericórdia dos milhares de inocentes que perdem suas vidas no lugar onde deveriam estar mais seguros.

Fonte: Aliança de Misericórdia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × um =

Latest News

Ataques contra igrejas no Chile fizeram parte de ritual satânico, assegura exorcista

Segundo o Padre Luis Escobar, são abundantes os sinais satânicos presentes nesses atos, o que destaca a existência de...

Medjugorge: Santa Sé excomunga padre “diretor espiritual” dos videntes

Tomslav Vlasic está proibido de “participar –de qualquer forma– como ministro na celebração da Eucaristia ou qualquer outra cerimônia de culto público. Bréscia – Itália...

Universitários americanos organizam consagração a Nossa Senhora em todo o país

Basta uma faísca para iniciar um incêndio: universitários da Flórida querem espalhar pelo país a chama da devoção a Maria para conduzir almas a...

“Morte ao Nazareno”: Novo grito de “Crucifica-o!”?

Declarar “morte ao Nazareno” é uma frase que demonstra um ódio total à Santa Igreja Católica e seus ensinamentos ao longo dos séculos. Redação (26/10/2020...

Papa no Angelus: o verdadeiro amor ao próximo baseia-se no amor a Deus

Não é verdadeiro amor a Deus o que não se expressa no amor ao próximo; não é amor verdadeiro ao próximo o que não...

More Articles Like This