Onde estão os “leões” da Igreja?

Must Read

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio...


Nas horas difíceis da Igreja, muitas vezes a solução não é calar, mas rugir e mostrar as garras.

Redação (10/11/2020 11:04, Gaudium Press) Dar um nome a uma criança nem sempre é tarefa fácil. Nessa matéria existem pais conservadores e pais… originais. Há progenitores que consultam índices onomásticos no final de livros e outros que folheiam catálogos de supermercado. O resultado é, por vezes, curioso.

A uma mãe dos meados do século V, porém, é preciso felicitar: ela decidiu dar a seu filho o nome de “Leão”. Esta criança, que um dia viria a ser Papa, não poderia ser chamada de outro modo.

São Leão Magno foi o primeiro Papa da História que recebeu o título de “grande”.

Mas se hoje fosse necessário acrescentar-lhe outra divisa, além de “magno”, diríamos que ele foi o Papa das “afirmações claras e precisas”. Na boca e na pena deste Pontífice, nada havia de dúbio ou relativo. Ele jamais teve que fazer uma declaração ou uma retratação para explicar um pronunciamento. Suas palavras eram o que eram e não necessitavam de intérpretes jeitosos. Afinal, falar com clareza e precisão é um dos predicados que devem caracterizar os que guiam a barca de Pedro.

Alguns rápidos traços da vida de Leão nos confirmarão nestas verdades. Ele viveu no século V, numa época em que a Igreja estava ameaçada por dois inimigos: os bárbaros e a heresia.

“Ruge o leão, quem não temerá?” (Am 3,8)

A cena é curiosa. Jamais campo de batalha recebera exércitos tão diferentes. De um lado, montados em cavalos baixos e troncudos, dezenas de milhares de homens amarelos observam com seus olhos pequenos a coluna inimiga que se aproxima. Trajam peles de animais grosseiros e levam consigo espadas e arcos curtos.

Do outro lado, próximo a um riacho, avança lentamente o adversário. São tão poucos, que mais parecem uma embaixada. Vêm cantando, carregando um gênero de armas peculiar: longas varas encimadas por cruzes e ricos relicários; por armadura, vestem dalmáticas e buréis. À frente deles, um ancião de barbas níveas e cumpridas cavalga com dignidade.

Quando a pequena coluna se acerca mais, o chefe dos homens amarelos indaga o cavaleiro venerável: “Como te chamas”?

Com voz firme, responde o homem: “Leão, Papa”.

Era o ano 452. O que o Papa disse a Átila, ninguém sabe. O leão rugiu, e o perigo passou. Os pincéis de Rafael imortalizaram esse fato, um dos quais fez o Leão grande.

“Serei como um leão grande para Judá” (Os 5,14)

Antes de ser Papa, Leão tivera uma carreira brilhante. Aliás, para chegar nestes altos postos é preciso preparação. Mas não pense o leitor que a “carreira brilhante” do século V era como de outros tempos. Os homens de proeminência naquela época eram aqueles que se destacavam pelas qualidades sobrenaturais: riqueza de alma! Sua virtude era reconhecida a tal ponto, que Cassiano chamou-o de “ornamento da Igreja romana e do ministério divino”.

Depois de sua sagração em 29 de setembro de 440, Leão precisou travar duras batalhas. Naquele tempo, a principal luta da Igreja era definir sua doutrina. Ora, o Pontífice sabia bem que a Fé católica não deve se adaptar aos tempos, mas são os tempos que devem se amoldar às verdades evangélicas; o que importa, na maioria dos casos, muita firmeza. Assim escreveu ele aos bispos africanos, em 10 de agosto de 446: “Roma dá sempre soluções aos casos que lhe são apresentados. Essas soluções são sentenças, e Roma, daqui para o futuro, decretará sanções”.

As definições de Leão – seus “rugidos” – tinham um efeito curioso. Longe de afastar as ovelhas do rebanho de Cristo, incutia-lhes segurança, pois os fiéis gostam de ouvir verdades claras, defendidas, se preciso, com garras e dentes.

E Leão sabia utilizar-se de suas garras.

“Deu um alto brado, como o rugido de um leão” (Ap 10,3)

O grande problema doutrinário daquele século era a questão monofisita, propagada por um monge de nome Eutiques. A Igreja confessa triunfante que Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, mas os católicos de então não sabiam proclamar essa crença com a facilidade com que o fazemos hoje. Os hereges ora diziam que Jesus era somente Deus, ora diziam que Ele era unicamente homem. Todavia, essas proposições errôneas comprometiam a unidade da Fé católica. O patriarca de Constantinopla, chamado Flaviano, pediu a Leão que explicasse qual era a verdadeira crença de Igreja universal. O Papa respondeu num documento que passou para a História com o nome de “Tomo a Flaviano”. Foi esta a grande definição da divindade e humanidade de Jesus Cristo. E quando em 451, no Concílio de Calcedônia, as sentenças dele foram lidas, os 600 delegados aclamaram: “Pedro falou pela boca de Leão”.

“Como um leão forte entre os rebanhos de ovelhas” (Miq  5,8)

Quando São Leão Magno morreu em 461, mandaram gravar no seu túmulo a frase: “A velar para que o lobo, sempre à espreita, não dizime o rebanho”… Que São Leão Magno vele realmente pela Igreja, para que os lobos contemporâneos, os novos hunos ou os novos hereges – ora disfarçados de ovelha, ora de pastor –, não dizimem o rebanho de Jesus Cristo.

Por Paulo da Cruz

The post Onde estão os “leões” da Igreja? appeared first on Gaudium Press.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

seis − 2 =

Latest News

1º Domingo do Advento

(roxo, creio, prefácio do Advento I – 1ª semana do saltério) A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio...

São Francisco Antônio Fasani, modelo de Sacerdote

São Francisco Antônio Fasani, verdadeiro amigo do seu povo, foi para todos irmão e pai O santo de hoje nasceu em Lucera (Itália), a 6...

Um feliz Ano Novo!

Somos convidados a uma séria preparação para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo; e qual o melhor meio de fazê-lo, senão pelo exemplo...

Por que o Advento?

Advento! O Natal se aproxima: É o maior acontecimento da História: o Verbo se fez carne e habitou entre nós Esperemos Jesus que vem...

Colégio de Cardeais tem 900 anos: veja sua história, números e curiosidades

O Consistório de hoje é o sétimo convocado por Francisco, eleva o número de presenças no Colégio Cardinalício para 229, 101 não-eleitores. Redação (28/11/2020, 11:50,...

More Articles Like This

mersin escort - casinomeritroyal.com - Goldenbahis -
Dumanbet