InícioNotícias da IgrejaProcesso de beatificação de José Si Esono, o primeiro catequista mártir da...

Processo de beatificação de José Si Esono, o primeiro catequista mártir da Guiné Equatorial

Published on

O bispo de Ebibeyín, Miguel Ángel Nguema Bee, contou a história de José Si Esono, o primeiro mártir catequista da Guiné Equatorial cujo processo de beatificação está para ser aberto.

Foto: ACN

Foto: ACN

Redação (25/01/2024 11:59, Gaudium Press) Após se tornar independente da Espanha em 1968, a Guiné Equatorial, na costa oeste da África, suportou mais de onze anos de ditadura marxista. A Igreja Católica foi perseguida e o culto foi proibido. Os templos foram convertidos em depósitos de cacau e café. Foram os catequistas leigos que mantiveram a evangelização viva durante esse período.

Em uma visita à Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), o Bispo Miguel Ángel Nguema Bee de Ebibeyín explicou: “Lembro-me de que, quando criança, nos anos 1970, minha avó e minha mãe costumavam nos levar para trabalhar em uma fazenda aos domingos, nos forçando a levar nossas ferramentas. Íamos até a floresta, onde um catequista nos esperava, e ali celebrávamos a Palavra de Deus. Fazíamos a comunhão espiritual. Passávamos duas horas compartilhando e depois voltávamos para a cidade como se tivéssemos estado trabalhando.”

Foi uma ditadura cruel que durou onze anos, durante a qual muitos cristãos conseguiram manter a chama da fé viva graças aos catequistas.

A influência dos catequistas na Guiné Equatorial remonta aos primeiros dias da evangelização, como se reflete na história de José Si Esono, um jovem catequista nascido na cidade de Ebansok e que foi martirizado na década de 1930.

José Si Esono nunca havia ouvido falar de Cristo. No entanto, um dia, enquanto estava na cidade costeira de Bata, vendendo seu café como de costume, um missionário claretiano se aproximou dele no meio da agitação do mercado e o ensinou a rezar o Rosário. “Depois de rezar esta oração com o padre, José percebeu que tudo o que havia planejado fazer na cidade não era tão difícil quanto costumava ser”, narra o Bispo Miguel Ángel.

Ao voltar para sua cidade, José decidiu ensinar a todos como rezar o Rosário. Os moradores perguntavam: “O que é rezar?”, e manifestaram interesse em saber mais sobre essa nova forma de oração, o Rosário. Sua resposta foi: “

“Tem um branco lá em Bata que me ensinou a rezá-lo e vou convidá-lo para vir aqui.” Dito e feito. José voltou a Bata para vender café, procurou o missionário e quando o encontrou disse-lhe: “O meu povo já reza o Rosário. “Agora quero que você venha e nos explique quem é essa Maria, a quem rezamos”.

A chegada dos Claretianos marcou cem anos de evangelização na região

Quando os Claretianos chegaram a Ebansok. “Não havia estradas!”, explica o bispo, acrescentando que “era uma viagem perigosa de 125 quilómetros a pé pela floresta”. Entre outras coisas, era perigoso viajar para Bata, pois naqueles anos existiam muitas tensões entre diferentes etnias locais, e para chegar lá era necessário atravessar territórios com populações em conflito.

Mesmo nesse ambiente hostil, este catequista foi fundamental para que o povo abraçasse o Evangelho, e para a convivência pacífica com os brancos.

O ‘branco’ era considerado alguém hostil, como o colono que maltratava e oprimia, mas José conseguiu impedir que o povo atacasse os claretianos, intercedendo por eles. Assim começou a primeira missão da Diocese de Ebibeyín. “Em 2024, completam-se cem anos da chegada do Evangelho”.

José Si Esono foi um exemplo de fé, lembrado pela cruz de madeira que ele carregava pendurada no pescoço.

Anos após o início da missão, Esono começou a explicar que eles não poderiam rezar para os amuletos e depois rezar a Jesus. Por isso pediu que lhe trouxessem os amuletos que alguns da cidade usavam, para queimá-los. O chefe da aldeia ficou indignado e recusou o pedido. Já não o via como um catequista que os tinha ensinado a rezar, mas sua atitude foi interpretada como uma ameaça aos costumes tradicionais, como alguém que “queria exterminar o que os seus antepassados ​​lhes tinham deixado como crenças”, explica o bispo. “Eles o acusaram de bruxaria e o queimaram vivo.”

O seu martírio deixou um testemunho de fé inabalável. “Queremos abrir um processo de beatificação de José Si Esono”, afirma Dom Miguel Ángel. “É um homem exemplar e de muita fé, que conseguiu fazer com que a Evangelização penetrasse naqueles lugares”.

Com informações Vatican news

The post Processo de beatificação de José Si Esono, o primeiro catequista mártir da Guiné Equatorial appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Terça-feira da 12ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia) O Senhor é a força do seu povo, é a...

Reino Unido: ordenação episcopal de Dom David Waller anglicano convertido ao catolicismo

O Prefeito do Dicastério da Doutrina da Fé presidiu a Missa de Ordenação Episcopal...

Dom Georg Gänswein é nomeado núncio na Lituânia, Estônia e Letônia

O prelado é o prefeito emérito da Casa Pontifícia e durante anos foi o...

O caso das Clarissas de Belorado termina com excomunhão

As religiosas excomungadas sempre atribuíram a confusão dentro da Igreja como justificativa para sua...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...