InícioNotícias da IgrejaSanto Alberto Magno: flagelo dos maus

Santo Alberto Magno: flagelo dos maus

Published on

Na igreja dos dominicanos de Colônia, Alemanha, há um vitral em honra de Santo Alberto Magno, no qual está escrito que ele foi refulgente destruidor das heresias e flagelo dos maus.

Santo Alberto Magno. Alonso Antonio Villamor/Museu de Belas Artes Salamanca. Foto: Francisco Lecaros

Santo Alberto Magno. Alonso Antonio Villamor/Museu de Belas Artes Salamanca. Foto: Francisco Lecaros

Redação (23/11/2023 10:02, Gaudium Press) De família nobre, nasceu Alberto por volta de 1200, em Lauingen – na Baviera, Sul da Alemanha –, ficou órfão ainda criança e foi educado por um tio.

Certo dia, Nossa Senhora apareceu-lhe e recomendou que abandonasse o mundo e se tornasse religioso. Em 1223, foi estudar Direito na Universidade de Pádua, Norte da Itália.

Percorrendo as ruas dessa cidade, viu o Beato Jordão da Saxônia, superior dos dominicanos e sucessor de São Domingos de Gusmão, pregando numa praça e cercado por uma pequena multidão.

Pleno de admiração por sua pessoa e suas palavras, Alberto recordou-se do conselho da Santíssima Virgem e, terminada a pregação, pediu ao Beato Jordão que o aceitasse em sua Instituição. Tendo sido acolhido, fez os votos religiosos e se tornou dominicano aos 26 anos de idade.

Por ordem do Superior do convento, foi estudar Teologia na Universidade de Bolonha, Itália. Em 1228, viajou para Colônia – Oeste da Alemanha –, a fim de lecionar aos seus irmãos de hábito. Passou, então, a escrever obras que atraíram a atenção dos meios culturais.

Um gênio que descobriu e admirou um grande gênio

Fez conferências nas principais universidades da Europa. E, por volta de 1245, foi enviado pelos superiores à celebérrima Universidade de Paris a fim de obter o doutorado em Teologia. Suas exposições atraíram tantos discípulos que passou a fazê-las em praça pública.

Ali lecionou por dois anos e recebeu a insigne graça de ter como aluno São Tomás de Aquino, que fora violentamente perseguido por sua família quando se tornou monge dominicano.

Notando que os colegas de Frei Tomás o chamavam de boi, por causa de seu avantajado corpo, seus grandes olhos meditativos e seu silêncio, Santo Alberto disse: “’Os seus mugidos reboarão pelo mundo inteiro, e por muito tempo’. Era um gênio que descobria e admirava um grande gênio.”[1]

A fim de participar do Capítulo geral da Ordem dos Pregadores a ser realizado em Colônia, Santo Alberto, tomado de admiração pela capacidade intelectual e, sobretudo, pela santidade de Tomás, levou-o consigo para ambos se aprofundarem nos estudos.

Nomeado Provincial da Ordem para a Alemanha, Áustria, Holanda e Alsácia – na atual França –, em 1254, Santo Alberto percorria essas regiões a pé a fim de resolver questões e santificar as almas.

Em 1260, foi sagrado Bispo de Regensburg, na Baviera. O Papa Urbano IV o enviou a Alemanha e Boêmia, a fim de pregar uma Cruzada contra os muçulmanos.[2]

Tendo renunciado ao episcopado, por volta de 1267 regressou a Colônia onde continuou a lecionar.

Beato Gregório X quis fazer uma Cruzada contra os maometanos

O Papa Beato Gregório X, em 1274, convocou o II Concílio de Lyon, na França, cujo principal objetivo era fazer uma Cruzada contra os maometanos.

Dele participaram – além de 500 bispos, abades e príncipes – Santo Alberto Magno e São Boaventura, Superior geral dos franciscanos, que fora sagrado bispo e nomeado cardeal no ano anterior.

São Tomás de Aquino, que se encontrava em Nápoles, recebeu ordem do Beato Gregório X de comparecer ao concílio, a fim de fazer uma exposição sobre seu livro no qual refutava os erros propugnados pelos cismáticos gregos.

Ele se pôs a caminho rumo a Lyon, mas foi atingido por estranha doença e faleceu na Abadia cisterciense de Fossanova, na Itália central.

Quando essa notícia chegou a Lyon, uma outra impactou os participantes da assembleia: São Boaventura, após a quarta sessão do concílio, morreu no convento dos franciscanos dessa cidade.

No final do concílio, Beato Gregório X conclamou todos os clérigos, especialmente os dominicanos e franciscanos, a pregarem a Cruzada.  Incitou os reis e nobres católicos para que a organizassem, e “proclamava sua decisão inquebrantável de ele mesmo ir a Ásia com todos os príncipes cristãos”.[3]

Infelizmente, devido a conflitos entre os soberanos da Europa, movidos por mesquinhos interesses pessoais, a Cruzada não se realizou.

Defesa de tese na Universidade de Paris

Terminado o concílio, Santo Alberto regressou para o convento de Colônia, onde continuou a lecionar e escrever. Em 1277, na Universidade de Paris, defendeu tese sobre Aristóteles, fundamentando-se em argumentos próprios e, sobretudo, nas considerações de São Tomás de Aquino, com o qual conversara inúmeras vezes sobre o tema.

Voltou a Colônia e, dois anos antes de sua morte, perdeu a memória, mas sempre agia com total dignidade e respeito, pois a santidade se tornara para ele uma segunda natureza.

Em 15 de novembro de 1280, no convento dominicano dessa cidade, entregou sua alma a Deus.

Além de obras sobre a Sagrada Escritura, Teologia e Filosofia, Santo Alberto escreveu a respeito dos mais diversos temas, tais como: Matemática, Arquitetura, cosmografia, meteorologia, Física, Química, mineralogia, botânica, zoologia, antropologia.

Em Colônia confeccionou um autômato, que se movia e emitia sons. Seu jovem discípulo, São Tomás de Aquino, quando viu esse objeto, ficou indignado e “o quebrou julgando ter diante de si um verdadeiro agente do diabo”.[4] Seus conhecimentos tinham tal amplitude que, mesmo em vida, ele foi chamado “Doutor Universal”.

Destruidor das heresias e flagelo dos maus

Os escritos de Santo Alberto sobre Aristóteles muito contribuíram para o aperfeiçoamento da Teologia e da Filosofia – as mais elevadas das ciências.  “Seu trabalho consistiu em descobrir o pensamento genuíno de Aristóteles, eliminando as construções acrescentadas pelos filósofos árabes e judeus”.[5]

Increpando aqueles que negavam a Doutrina Católica, escreveu:

“Os hereges se assemelham às raposas de Sansão: como estes animais, todos eles têm diferentes cabeças, porém estão atados juntos pelo rabo, ou seja, estão sempre unidos quando se trata de opor-se à verdade”.[6]

Sua luta contra as heresias está consignada num vitral da igreja dos dominicanos de Colônia: “Este santuário foi construído pelo Bispo Alberto, flor dos filósofos e dos sábios, modelo dos costumes, refulgente destruidor das heresias e flagelo dos maus”.[7]

Roguemos a Santo Alberto Magno, cuja memória se celebra em 15 de novembro, que nos obtenha de Nossa Senhora o crescimento no amor a Deus e na combatividade contra os inimigos velados ou declarados da Santa Igreja.

Por Paulo Francisco Martos

Noções de História da Igreja


[1] CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. O Legionário. São Paulo, 5/3/1939.

[2] Cf. DARRAS, Joseph Epiphane. Histoire Génerale de l’Église. Paris: Louis Vivès. 1882, v. 29, p. 512.

[3] Idem, ibidem, p. 488.

[4] Idem, ibidem, p. 512.

[5] VILLOSLADA, Ricardo Garcia. Historia de la Iglesia Católica – Edad Media.3. ed. Madri: BAC, 1963, v. II, p. 794.

[6] SIGHART, Joachim. Albert the Great, of the Order of Friar-preachers. Londres: Paternoster Row, 1876, p.248.

[7] CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Refulgente destruidor das heresias. In Dr. Plinio. São Paulo. Ano XXI, n. 248 (novembro 2018), p. 19.

 

The post Santo Alberto Magno: flagelo dos maus appeared first on Gaudium Press.

Últimas Notícias

Congresso Eucarístico Nacional é realizado na Guatemala

Realizado na cidade de Quetzaltenango, o evento teve início na última quarta-feira, 10 de...

Beato Carlos de Blois: senhor feudal perfeito

Governador e patriarca da Bretanha – Noroeste da França –, aristocrata e batalhador que...

Sexta-feira da 14ª semana do Tempo Comum

(verde – ofício do dia) Recebemos, Senhor, vossa misericórdia no meio do vosso templo. Como...

Incêndio na torre da Catedral de Rouen

As imagens da torre em chamas da Catedral de Rouen evocam o terrível incêndio...

Audio-Book

148. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=8gGGSaTK2ic Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Quarta Dor...

147. II. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=63iCH0qZxGY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...

146. I. Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório (AUDIOBOOK)

https://www.youtube.com/watch?v=4b50saBVvfY Meditações de Santo Afonso Maria de Ligório — Bispo e Doutor da Igreja Jesus é...